RISCOS E BENEFÍCIOS DA MOBILIZAÇÃO PRECOCE EM PACIENTES INTERNADOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM UM HOSPITAL REFERÊNCIA NA CIDADE DE BELÉM-PA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

Victória Matos, Andre Souza, Blenda Libdy, Eduarda Vieira, Marcella Sayara, Leonardo Costa

Resumo


RESUMO

Introdução: Há, cada vez mais, se têm sobreviventes de doenças críticas, os quais contraem complicações severas decorrentes da longa permanência na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Neste sentido, a mobilização precoce (MP), quando realizada de maneira segura, pode diminuir estes efeitos deletérios, gerando uma recuperação mais rápida para esses pacientes. Objetivo: Relatar a experiência de acadêmicos do curso de Fisioterapia em uma Unidade de Terapia Intensiva em um hospital referência na cidade de Belém-PA, acerca dos riscos e benefícios da mobilização precoce em pacientes hospitalizados. Métodos: Trata-se de um estudo descritivo do tipo relato de experiência vivenciado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE) entre o mês de agosto e setembro de 2020.  Discussão: A fisioterapia tem como principal objetivo preservar, melhorar e restaurar quando necessário a capacidade funcional dos pacientes, diminuindo os riscos do repouso prolongado e garantindo independência física. A aplicação das técnicas de MP foram utilizadas tanto em pacientes conscientes como em pacientes com uso de sedativos. Obteve-se respostas positivas nos sinais clínicos, exames complementares, tempo de internação hospitalar, tempo de permanência em ventilação mecânica, entre outros. Considerações finais: A experiência proporcionada pelo estágio supervisionado foi rica em novos conhecimentos, contribuindo de forma significativa para a formação profissional, integrando assim, a teoria vivência em sala de aula com a prática realizada na área hospitalar.

DOI: 10.36692/v13n1-37


Palavras-chave


Fisioterapia; Unidade de Terapia Intensiva; Mobilização Precoce; Riscos; Benefícios

Referências


AQUIM, E. E. et al. Diretrizes Brasileiras de Mobilização Precoce em Unidade de Terapia Intensiva: Brazilian Guidelines for Early Mobilization in Intensive Care Unit. Rev Bras Ter Intensiva, Curitiba, v. 31, n. 4, p. 434-443, mar./2019. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rbti/v31n4/0103-507X-rbti-31-04-0434.pdf>. Acesso em: 4 out. 2020.

CONCEIÇÃO, T. M. A. D. et al. Critérios de segurança para iniciar a mobilização precoce em unidades de terapia intensiva. Revisão sistemática: Safety criteria to start early mobilization in intensive care units. Systematic review. Rev Bras Ter Intensiva, Florianópolis, v. 29, n. 4, p. 509-519, jun./2017. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

FONTELA, C. P. et al. Atitudes clínicas e barreiras percebidas para a mobilização precoce de pacientes graves em unidades de terapia intensiva adulto. Rev Bras Ter Intensiva. Porto Alegre, v. 30, n. 2, p. 187-194, 2018. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2020.

SILVA, V. S. et al. Mobilização na Unidade de Terapia Intensiva: revisão sistemática: Mobilization in the Intensive Care Unit: systematic review Movilización en la Unidad de Cuidados Intensivos: revisión sistemática. SCIELO. São Paulo, v. 21, n. 4, p. 398-404, jan./2014. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

SILVEIRA, A. C. C. N. et al. Análise dos recursos terapêuticos utilizados na mobilização precoce em pacientes críticos: Analysis of the procedures used in early mobilization in critical patients. Edições Desafio Singular, Fortaleza, v. 15, n. 4, p. 71-80, abr./2019. Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2020.

SANTOS, F. et al. Relações entre mobilização precoce e tempo de internação em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. Brasília, v. 6, n. 2, p. 1394-07, 2015. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2020.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.