ALTERAÇÕES DE LINGUAGEM ORAL NA APRAXIA DE FALA IDIOPÁTICA INFANTO-JUVENIL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Yasmin Valente Machado, Jadenn Rubia Lima Costa, Julianna Lacerda Facundo, Myllena Gomes Silva

Resumo


A apraxia de fala é uma desorganização motora, prejudicando a programação e execução dos movimentos orofaciais fundamentais para a realização dos fonemas, e quando atinge as crianças, elas sentem mais dificuldades se comparadas a crianças que possuam distúrbios de fala e linguagem de outros gêneros. O objetivo do estudo foi verificar o cenário nacional e internacional através de publicações atuais sobre as principais alterações identificadas na linguagem oral de pacientes infantis e jovens apráxicos idiopáticos. Trata-se de uma revisão integrativa de literatura, por meio de buscas nas bases de dados Scielo, Lilacs, Pubmed, PMC (Pubmed Central), BVS (Biblioteca Virtual em Saúde) e Periódicos Capes, contemplando o período entre 2009 a 2019, na qual foram utilizados os descritores “Apraxias”, “Fala”, “Fonoaudiologia”, além do termo “Infância”, em português e inglês. Foram encontrados através dos descritores utilizados o total de 326 artigos, porém após filtrá-los inicialmente com o descarte pelo título e resumo, e logo após com os critérios de inclusão e exclusão, restaram apenas 34, porém como havia repetição de artigos, foram selecionados 16, excluindo-se dezoito artigos. A pesquisa revelou poucos estudos, o que revela a necessidade de mais pesquisas não-generalistas, ou seja, que busquem mais dados científicos voltados para as diferentes origens do distúrbio e públicos também diversos.


Palavras-chave


Apraxias; Fala; Fonoaudiologia; Infância

Referências


Silva CAPPG. Transtornos fonético-fonológicos na Síndrome de Down e implicações na lectoescrita. SCRIPTA. 2010; 14(26): 57-70.

American Speech-Language-Hearing Association. Childhood Apraxia of Speech [Acesso em 22 mar 2020]. Disponível em: https://www.asha.org/PRPSpecificTopic.aspx?folderid=8589935338&section=Causes.

Shriberg LD, Fourakis M, Karlsson H, Lohmeier HL, Mcsweeny JL. Extensions to the Speech Disorders Classification System (SDCS). Clin Linguist Phon. 2010; 24(10): 795-824.

Lewis BA, Freebairn LA, Hansen AJ, Iyengar SK, Taylor HG. Schoolage follow-up of children with childhood apraxia of speech. Lang Speech Hear Serv Sch. 2004; 35(2): 122-40.

Souza TNU, Payão LMC. Apraxia da fala adquirida e desenvolvimental: semelhanças e diferenças. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2008; 13(2): 193-202.

Iuzzini J, Forrest K. Evaluation of a combined treatment approach for childhood apraxia of speech. Clin Linguist Phon. 2010; 24(4-5): 335-45.

Rechia IC, Souza APR, Mezzommo CL. Processos de Apagamento na fala de sujeitos com Dispraxia Verbal, Rev. CEFAC. 2010; 12(3): 421-426.

Rechia IC, Souza APR, Mezzommo CL, Moro MP. Processos de substituição e variabilidade articulatória na fala de sujeitos com dispraxia verbal. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2009; 14(4): 547-552.

Almeida-Verdu ACM, Giacheti CM, Lucchesi FDM. Apraxia e produção da fala: efeitos do fortalecimento de relações verbais. Rev. CEFAC. 2015; 17(3): 974-983.

Rechia IC, Souza APR. Dialogia e função materna em casos de limitações práxicas verbais. Rev. Psicol. Estud. 2010; 15(2): 315-23.

Catrini M, Lier-Devitto MF. Apraxia de fala e atraso de linguagem: a complexidade do diagnóstico e tratamento em quadros sintomáticos de crianças. CoDAS. 2019; 31(5): 1-6.

Grigos MI, Moss A, Lu Y. Oral Articulatory Control in Childhood Apraxia of Speech. J Speech Lang Hear Res. 2015; 58(4): 1103–1118.

Grigos MI, Kolenda N. The relationship between articulatory control and improved phonemic accuracy in childhood apraxia of speech: A longitudinal case study. Clin Linguist Phon. 2010; 24(1): 17–40.

Fedorenko E, Morgan A, Murray E. A highly penetrant form of childhood apraxia of speech due to deletion of 16p11.2. Eur J Hum Genet. 2016; 24: 302–306.

Keske-Soares M, Uberti LB, Gubiani MB, Gubiani MB, Ceron MI, Pagliarin KC. Desempenho de crianças com distúrbios dos sons da fala no instrumento “Avaliação dinâmica das habilidades motoras da fala”. CoDAS. 2018; 30 (2).

Murray E, Thomas D, Mckechnie J. Comorbid morphological disorder apparent in some children aged 4-5 years with childhood apraxia of speech: findings from standardised testing. Clin Linguist Phon. 2019; 33(1-2): 42-59.

Shakibayi MI, Zarifian T, Zanjari N. Speech characteristics of childhood apraxia of speech: A survey research. Int J Pediatr Otorhinolaryngol. 2019; 126.

Merwe A, Steyn M. Model-Driven Treatment of Childhood Apraxia of Speech: Positive Effects of the Speech Motor Learning Approach. Am J Speech Lang Pathol. 2018; 27(1): 37-51.

Malmenholt A, Lohmander A, Mcallister A. Childhood apraxia of speech: A survey of praxis and typical speech characteristics. Logoped Phoniatr Vocol. 2017; 42(2): 84-92.

Case J, Grigos MI. Articulatory Control in Childhood Apraxia of Speech in a Novel Word-Learning Task. J Speech Lang Hear Res. 2016; 59(6): 1253-1268.

Overby M, Caspari SS. Volubility, consonant, and syllable characteristics in infants and toddlers later diagnosed with childhood apraxia of speech: A pilot study. J Commun Disord. 2015; 55: 44-62.

Preston JL, Molfese PJ, Gumkowski N, Sorcinelli A, Harwood V, Irwin JR, Landi N. Neurophysiology of speech differences in childhood apraxia of speech. Developmental Neuropsychology. 2014; 39(5): 385-403.

Terband H, Rodd J, Maas E. Testing hypotheses about the underlying deficit of apraxia of speech through computational neural modelling with the DIVA model. I J Speech Lang Pathol. 2019.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.