AVALIAÇÃO E VALIDAÇÃO DA ESCALA BARTHEL PARA A LÍNGUA PORTUGUESA FALADA NO BRASIL

Guanis Vilela Junior, Sarah Von Stockler, Anie Mariette Duvalier

Resumo


A validação de instrumentos capazes de avaliar a capacidade funcional das pessoas, especialmente de idosos, é de extrema importância, dado que a população mundial e brasileira envelhece rapidamente. Há mais de seis décadas pesquisadores em todo o mundo tem desenvolvido e aprimorado tais instrumentos. O objetivo do presente artigo é validar a chamada Escala de Barthel (ou índice de Barthel) para o português falado no Brasil. Métodos: Foram coletados dados com o referido instrumento junto a 140 idosos institucionalizados (ambos os sexos) na cidade de Ponta Grossa (PR), durante os anos de 2006 a 2008. Tal pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Estadual de Ponta Grossa, seguindo as normativas do Conselho Nacional de Saúde. Foi realizada a validade de conteúdo, a consistência interna, a validade concorrente e a análise fatorial exploratória (AFE), para atestar a acurácia do instrumento. Os resultados evidenciaram que a consistência interna da presente versão da Escala Barthel apresentou um elevado ômega de McDonald (0,91); a validade concorrente da mesma apresentou correlação de Spearman significante para P<0,05. A AFE identificou dois fatores, cada um composto por quatro atividades, excluindo duas atividades da Escala Barthel. Conclui-se que a Escala Barthel apresenta confiabilidade psicométrica, apesar de possuir duas atividades que sob o ponto de vista metodológico poderiam ser excluídas da mesma. Entretanto, tais atividades que são diluídas na estatística, podem ser cruciais para os individuos que apresentam alguma limitação funcional nas mesmas.

Palavras-chave


Escala de Barthel, capacidade funcional, idosos, qualidade de vida.

Referências


MAHONEY F. BARTHEL D (1965). "Functional evaluation: the Barthel Index". Md Med J. 14: 61–65.

SULTER G, STEEN C, DE KEYSER J (August 1999). "Use of the Barthel index and modified Rankin scale in acute stroke trials". Stroke. 30 (8): 1538–41.

GUISELINI, Mauro Antônio. (1996). Qualidade de vida, um programa prático para um corpo saudável. São Paulo: Gente.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2006). Recenseamento da população brasileira.

VILELA JUNIOR, G. B. ; GORDIA, A. P. ; QUADROS, T. M. B.(2005) . Qualidade de Vida de Militares do Exército Brasileiro. In: Encontro Científico de Educação Física e Esporte, 2005, Campinas. I Encontro Científico de Educação Física e Esporte,

GORDIA, A. P.; CIESLAK, F. ; QUADROS, T. M. B. ; VILELA JUNIOR, G. B. (2005). Análise da Associação entre Composição Corporal, Aptidão Cardiorrespiratória e Força em Indivíduos do Sexo Masculino. Revista Científica JOPEF, Curitiba-Pr, v. 01, n.03, p. 64-69,

FLECK, M., CHACHAMOVICH, E., & TRENTINI, C. (2006). Development and validation of the Portuguese version of the WHOQOL-OLD module . Revista De Saúde Pública, 40(5), 785-791. https://doi.org/10.1590/S0034-89102006000600007

McDONALD, R. P. (1999). Test theory: A unified treatment. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.