PREVALÊNCIA DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM MULHERES ATLETAS: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Géssica da Silva Guimarães, Helen Martins Carvalho, Tatiane Bahia do Vale SILVA, Gabriel Vinícius Reis de Queiroz

Resumo


A prática esportiva quando realizada constantemente por profissionais, pode predispor a uma disfunção chamada de Incontinência Urinária (IU). A Sociedade Internacional de Continência (SIC) define a IU como qualquer perda de urina de forma involuntária, afetando mundialmente mais de 50 milhões de pessoas, com incidência maior em mulheres. Sendo assim, o objetivo deste estudo é investigar a relação da incontinência urinária com o esporte e identificar sua prevalência através da seleção minuciosa de artigos. Para a elaboração desta revisão, foram realizadas buscas nas bases de dados BIREME, Scielo, PubMed e PEDro. Utilizando-se a combinação dos descritores (Consultados nos Descritores em Ciência da Saúde- DeCS) como: incontinência urinária, atletas, prevalência, esportes e feminino. Os estudos selecionados mostram uma variedade de esportes, porém, segundo eles, os que possuem maior probabilidade de desencadear a incontinência urinária são esportes de alto impacto, que envolvem saltos e corrida, por conta de suas implicações biomecânicas. No entanto, os dados encontrados são distintos e variam bastante, não possibilitando chegar a uma exatidão sobre a prevalência. Acredita-se que a partir do conhecimento e apropriação de mais informações relacionadas à IU em atletas, podem-se potencializar mudanças no rumo do esporte, como o surgimento de protocolos de prevenção e tratamento, pois esses farão a diferença na vida profissional dessas mulheres, uma vez que a IU tende a levar à inatividade, diminuição do rendimento e desempenho atlético.


Palavras-chave


Incontinência urinária; Atletas; Esportes; Feminino; Prevalência.

Referências


- Carvalho KA. Incontinência urinária de esforço em mulheres atletas. FisioBrasil, 2014.

- Soares MC, Galvão TR, Silva VS. Incontinência urinária em atletas: uma revisão de literatura. EFDeportes.com, Revisão Digital. Buenos Aires, Año 18, N°179, abril de 2013.

- Firmino CB. “Sou atleta, sou mulher”: A representação feminina e as modalidades mais noticiadas nas olimpíadas de Londres 2012. 10⁰ Interprogramas de Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero, 2012.

- Formentin CN, Lima VW. A mulher nos jogos Rio-2016: A apresentação discursiva das atletas e paratletas na mídia brasileira. Tubarão-SC, 2016.

- Moreno AL, Sartori MGF, Zucchi EVM. Incontinência urinária e prática esportiva. In: MORENO, AL.. Fisioterapia em Uroginecologia. 2 ed – Barueri: Manole, 2009.

- Cavalcante KVM, Silva MIGC, Bernardo ASF, Souza DE, Lima TCGC, Magalhães AG. Prevalence and factors associated with urinary incontinence in elderly women Rev Bras Promoç Saúde, Fortaleza, abr./jun., 2014.

- Gilly D. Prevalência e fatores associados à incontinência urinária, e avaliação da qualidade de vida de idosas incontinentes assistidas por uma unidade básica do sistema público de saúde da família de recife/PE. Universidade federal de Pernambuco, 2012.

- Botelho F, Silva C, Cruz F. Incontinência Urinária Feminina. Serviço de Urologia do Hospital de S. João / Faculdade de Medicina do Porto. Acta Urológica, 2007.

- Ramos AS, Barbosa SSA, Oliveira BD. Incontinência urinária em mulheres atletas: uma revisão de literatura. Faculdade ASCES/ Caruaru/PE, 2016.

- Uchoa ES; Xavier VF. A incidência de incontinência urinária de esforço em atletas e a atuação da fisioterapia como prevenção e tratamento 2011.

- Andrade NVS, Manso VMC, ANTUNES MB. Incontinência urinária de esforço em mulheres praticantes de atividades físicas. Ensaios e Ciência, Vol.15, n3, Ano 2011.

- Martins LA et al. A perda de urina influenciada pela modalidade esportiva ou pela carga de treino? Uma revisão sistemática. Rev Bras Med Esporte (online) Vol. 23, n.1. 2017.

- Caetano, A.S; Tavares, M.C.G.C.F.; Lopes, M.H.B.M. Incontinência urinária e a prática de atividades físicas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, 2007.

- Araújo MP et al. Avaliação do assoalho pélvico de atletas: existe relação com a incontinência urinária? Rev. Bras Med Esport- Vol 21, n6, 2015.

- Jácome C, Oliveira D, Marques A, Sá-Couto P. Prevalence and impact of urinary incontinence among female athletes. International journal of gynecology and obstetrics, 2011.

- Borin LCMS, Nunes, FR, Guirro, ECO. Assessment of pelvic floor muscle pressure in female athletes. American academy of physical medicine and rehabilitation, 2012.

- Carvalhais A, Jorge RN, Bo K. Performing high-level sport is strongly associated with urinary incontinence in elite athletes: a comparative study of 372 elite female athletes and 372 controls. Br J Sports Med. 2017.

- Hagovska M, Svihra J, Buková A, Hrobacz A, Dracková D, Svihrová V, Kraus L. Prevalence of Urinary Incontinence in Females Performing High-Impact Exercises, 2017.

- Cardoso AMB, Lima CROP, Ferreira CWS. Prevalence of urinary incontinence in high-impact sports athletes and their association with knowledge, attitude and practice about this dysfunction. European Journal of Sport Science, 2018.

- Matsudo S et al. Questionário Internacional de Atividade Fisica (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de atividade física, 2001.

- Tamanini JTN, Dambros M, D'Ancona CAL, Palma PCR, Jr NRN. Validação para o português do "International Consultation on Incontinence Questionnaire - Short Form" (ICIQ-SF). Rev. Saúde Pública vol.38 N°3 São Paulo. Junho, 2004.

-Pereira SB et al. Validação do International Consultation on Incontinence Questionnaire Overactive Bladder (ICIQ-OAB) para a língua portuguesa. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. vol.32 N°6 Rio de Janeiro. Junho, 2010.

- Souza CCC. Tradução e validação para a língua portuguesa do questionário de qualidade de vida IQOL (Incontinence quality of life questionnaire), em mulheres brasileiras com incontinência urinária. 2010. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, 2010.

- Nascimento SM. Avaliação fisioterapêutica da força muscular do assoalhoo pélvico na mulher com incontinência urinária de esforço após cirurgia de Weithem-Meigs: Revisão de literatura. Revista Brasileira de Cancerologia 2009.

- Nygaard IE, Delancey J.O, Arnsdorf F. Exercise and incontinence. Obstetrics e gynecology; hegerstown, v. 75, n5. May.1994.

- Reis AO, Câmara CNS, Santos SG, Dias TS. Artigo original clínica médica do exercício do esporte. Estudo comparativo da capacidade de contração do assoalho pélvico em atletas de voleibol e basquetebol. Rev Bras Med Esporte Vol. 17 n2 São Paulo Mar./Apr. 2011.

- Borin LCMS. Avaliação pressórica da musculatura do assoalho pélvico de mulheres jovens atletas. Dissertação (Mestrado em Saúde da Mulher). Piracicaba, SP: Universidade Metodista de Piracicaba, 2006.

- Cursino MP, Barbosa AMP, Pedroni CR. Prevalência de incontinência urinária em atletas competitivas. Departamento de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – UNESP – Marília.

- Araújo, et al. Relação entre incontinência urinária em atletas corredoras de longa distância e distúrbio alimentar. Rev Assoc Med Bras. 2008.

- Da Roza T, Brandao S, Mascarenhas T, Jorge RN, Duarte JA. Urinary incontinence and levels of regular physical exercise in young women. Int J Sports Med. 2015.

- Dumoulin C, Hay-Smith EJ. Pelvic floor muscle training versus no treatment, or inactive control treatments, for urinary incontinence in women. Cochrane Database Syst Rev 2010.

- Donovan J, Bosch R, Gotoh M, Jackson S, Naughton M, Radley S, et al. Symptom and quality of life assessment. Incontinence. Volume 1 Basics & Evaluation. Edition 2005. Health Publication Ltd, 2005.

- Guerra TEC; Rossato C; Nunes EFC; Latorre GFS. Atuação da fisioterapia no tratamento de incontinência urinária de esforço. FEMINA | Novembro/Dezembro 2014.

- Hay-Smith EJ, et al. Pelvic floor muscle training for urinary incontinence in women. Cochrane Database Syst Rev. 2001.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.