A OBSERVAÇÃO DA EVOLUÇÃO DO QUADRO ÁLGICO NA COLUNA EM PACIENTES ATENDIDOS POR MEIO DO MÉTODO PILATES

Ingrid Ribeiro de Ribeiro, Carla Daniela Santiago Oliveira, Marta Caroline Araújo da Paixão, Thaisa Paes de Carvalho, Angélica Homobono Nobre

Resumo


Introdução: A dor é uma sensação perceptiva e subjetiva, que causa diminuição da qualidade de vida do ser humano. A avaliação da dor torna-se de extrema importância no âmbito clínico, de modo a proporcionar dados e informações no direcionamento para as condutas apropriadas de tratamento e no estabelecimento de metas a serem alcançadas pelo profissional de saúde. Objetivo: Analisar o quadro álgico por meio da Escala Visual Analógica (EVA) de indivíduos submetidos ao Método Pilates em um projeto de extensão acadêmica. Métodos: Os atendimentos ocorreram na Unidade de Assistência em Fisioterapia e Terapia Ocupacional (UEAFTO) da Universidade do Estado do Pará no período de Fevereiro a Dezembro de 2018. O protocolo de atendimento foi dividido por níveis, incluindo o inicial, intermediário 1, 2 e 3. Foram analisados 34 pacientes em 40 sessões de atendimento, onde realizaram 10 sessões em cada estágio e em todas as sessões foram aplicados os princípios do Método Pilates. Resultados: O estudo mostrou que os exercícios do Método Pilates asseguraram melhora na intensidade da dor em pacientes com dores na coluna. A pesquisa comprovou a benefício do método na redução da dor na coluna, principalmente nos casos de lombalgias. Conclusão: Apesar dos poucos estudos demonstrando a eficácia e a precisão das escalas de dor, o seu uso torna-se a forma mais adequada e confiável de avaliação.

Palavras-chave


Técnicas de Exercício e de Movimento. Escala Visual Analógica. Dor. Medição da Dor. Modalidades de Fisioterapia.

Referências


Herdman T, Kamitsuru S. Diagnósticos de enfermagem da NANDA : definições e classificação 2015-2017. Porto Alegre: Artmed; 2015.

Masulo L, Martins M, Costa D, Nicolau R. Methods for qualitative and quantitative analysis of pain and quality of life validated in Brazil: systematic review. Rev Gaúch Odontol. 2019;67.

Martelli A, Zavarize S. Vias nociceptivas da dor e seus impactos nas atividades da vida diária. Uniciências. 2015;17(1).

Souza D, Hafele V, Siqueira F. Dor crônica e nível de atividade física em usuários das unidades básicas de saúde. Rev Bras Ativ Fís Saúde. 2019;24.

Treede R, Rief W, Barke U, Aziz Q, Bennett M, Benoliel R, el al. A Classification of chronic pain for ICD-11. Pain. 2015;156(6)1003-7.

Olivência S, Barbosa L, Cunha M, Silva L. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Tratamento farmacológico da dor crônica não oncológica em idosos: Revisão integrativa. 2018; 21(3):383-393.

Moura C, Chaves E, Souza V, Lunes D, Ribeiro C, Paraizo C. Impactos da dor crônica na vida das pessoas e a assistência de enfermagem no processo. Av Enferm. 2017;35(1):53-62.

Fortunato J, Furtado M, Hirabae L, Oliveira J. Escalas de dor no paciente crítico: uma revisão integrativa. Rev. HUPE. 2014;12(3):110-117.

Morais M, Silva V, Silva J. Prevalência e fatores associados a dor lombar em estudantes de fisioterapia. Br J Pain. São Paulo, 2018;1(3):241-7.

Romero D, Santana D, Borges P, Marques A, Castanehria D, Rodrigues J, Sabbadini, L. Prevalência, fatores associados e limitações relacionados ao problema crônico de coluna entre adultos e idosos no Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2018;34(2).

DeSantana J, Souza J, Reis F, Gosling A, Paranhos E, Barboza H F G, et al . Currículo em dor para graduação em Fisioterapia no Brasil. Rev. Dor [Internet]. 2017;18(1):72-78.

Silva P, Silva D, Oliveira J, Oliveira F. Efeito do método Pilates no tratamento da lombalgia crônica: estudo clínico, controlado e randomizado. BrJP. 2018;1(1):21-28.

Silveira A, Nagel L, Pereira D. Efeito imediato de uma sessão de treinamento do método Pilates sobre o padrão de cocontração dos músculos estabilizadores do tronco em indivíduos com e sem dor lombar crônica inespecífica. Fisioter. Pesqui, 2018;25(2).

Costa T, Vagett G, Piola T. Comparação da percepção da qualidade de vida em idosas praticantes e não praticantes do Método Pilates. Cad. Saúde Colet. 2018;26(3):261-269.

Isacowitz R, Clippinger K. Anatomia do Pilates. São Paulo: Manole; 2013.

Wells C, Kolt G, Bialocerkowski A. Definindo o exercício de Pilates: uma revisão sistemática. Complemento Ther Med. 2012;20(4):253-262.

Zanuto E, Codogno J, Christófaro D, Vanderlei L, Cardoso J, Fernandes R. Prevalence of low back pain and associated factors in adults from a middle-size Brazilian city. Ciência & Saúde coletiva. 2015;20(5):1575-1582.

Malta D, Oliveira M, Andrade S, Caiaffa W, Souza M, Bernal R. Fatores associados à dor crônica na coluna em adultos no Brasil. Rev Saude Publica. 2017;51 Supl 1:9s.

Silva M, Fassa A, Valle N. Dor lombar crônica em uma população adulta do Sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad Saude Publica. 2004;20(2):377-85.

Souza W. Funcionalidade, lombalgia e cervicalgia em idosos institucionalizados e fatores associados. Dissertação (Mestrado em Envelhecimento Humano). Universidade de Passo Fundo – RS, 2018.

Wong A, Karppinen J, Samartzis D. Low back pain in older adults: risk factors, management options and future directions. Scoliosis and Spinal Disorders. 2017;12(14):1-23.

Haeffner R, Sarquis L, Haas G, Heck R, Jardim V. Prevalência de lombalgia e fatores associados em trabalhadores de uma empresa agropecuária do sul do Brasil. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. 2015;13(1):35-42.

Neto R, Pugas A, Camparoto M. Associação entre Lombalgia Crônica e Depressão. Colloquium Vital. 2016;8(1):43-48.

Valenza M, Rodríguez J, Cabrera I, Díaz A, Aguilar M, Castellote Y. Results of a Pilates exercise program in patients with chronic non-specific low back pain: a randomized controlled trial. Clinical rehabilitation. 2017;31(6):753-760.

Rodrigues T, de Oliveira J, Matos L. Effects of pilates method in low back pain. Manual Therapy Posturology & Rehabilitation. 2014;12:392-399

Natour J, Cazotti L, Ribeiro L, Baptista A, Jones A. Pilates improves pain, function and quality of life in patients with chronic low back pain: a randomized controlled trial. Clinical rehabilitation. 2015;29(1):59-68.

Santos S. Motivos de adesão e aderência em praticantes do método Pilates. Tese (Graduação em Educação Física) Universidade Federal de Santa Catarina, 2018.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.