A PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE SEPTUAGENÁRIAS PRATICANTES DO MÉTODO PILATES

Marcelo de Maio Nascimento, Emília Cristina Ferreira Carvalho

Resumo


A qualidade de vida (QV) advém de uma construção subjetiva de valores, representando o grau de satisfação da pessoa sobre seu estado momentâneo de vida. Este estudo teve como objetivo verificar o efeito de um programa de treinamento, fundamentado no método Pilates, sobre a percepção da QV de idosas septuagenárias. Caracteriza-se como um estudo do tipo quase experimental, com teste e reteste, a amostra foi composta por 10 indivíduos do sexo feminino (75,40±3,59 anos). A intervenção incidiu na prática de 11 exercícios do método Pilates, com duas seções semanais de 50 minutos, durante 12 semanas. Três instrumentos foram utilizados: questionário sociodemográfico, o Mini-exame do Estado Mental-MEEM e o questionário de qualidade de vida SF-36. Os resultados demonstraram que a prática regular do Pilates possibilita o aumento dos níveis da QV, com resultados significativos para o domínio estado geral de saúde (p=0,000) e vitalidade (p=0,000). Conclui-se que o exercício físico interfere positivamente na percepção da saúde física e mental de sujeitos idosos.


Palavras-chave


Qualidade de Vida. Envelhecimento Ativo. Pilates e idoso.

Referências


The WHOQOL Group. The World Health Organization Quality of Life Assessment (WHOQOL): Position Paper From the World Health Organization, Social Science and Medicine; 1995;41(10),1403-9.

Matsudo SM, Matsudo VKR, Neto TLB. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Med Esporte. 2001;7(1):2-13.

Okuma SS. O idoso e a atividade física: fundamentos e pesquisa. 3. ed. São Paulo: Papirus, 2004.

Baltes PB, Baltes MM. Psychological perspectives on successful aging: The model of selective optimization with compensation. In: P. B. Baltes, & M. M. Baltes (Eds), Successful Aging: Perspectives from the Behavioral Sciences. NY: Cambridge University Press: 1990, 1-34.

Rowe JW, Kahn RL. Successful aging. Gerontologist. 1997;37(4):433-440.

Spirduso WW, Francis KL, Macrae PG. Physical dimensions of aging. Human Kinetics, 2005.

Nahas MV. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2001.

Araújo MOPH, Ceolim MF. Avaliação do grau de independência de idosos residentes em instituição de longa permanência. Rev. Esc. Enferm. 2007;41(3):378-85.

Paczek L, Michalska W, Bartlomiejczyk I. Trypsin, elastase, plasmin and MMP-9 activity in the serum during the human ageing process. Age and Ageing, 2008;37:318-23.

Mazo GZ. et al. Condições de saúde, incidência de quedas e nível de atividades física dos idosos. Revista Brasileira de Fisioterapia, São Carlos, 2007;11(6):437-442.

Neri AL. Maturidade e velhice. Trajetórias individuais e socioculturais. Campinas: Papirus editora; 2001.

Muscolino JE, Cipriani S. Postural stability in the elderly: a comparison between fallers and non-fallers. Journal of Bodywork and Movement Therapies, USA. 2014;8(1):15-24.

Miszko TA, Cress ME. A lifetime of fitness. Exercise in the perimenopausal and postmenopausal woman. Clin Sports Med. 2000;19(2):215-32.

Peluso MA, Andrade LH. Physical activity and mental health: the association between exercise and mood. Clinics. 2005;60(1):61-70.

Bertolucci PHF, Brucki SMD, Campacci S. O Mini-Exame do Estado Mental em uma população geral: impacto da escolaridade. Arq Neuropsiquiatr, 1994;2:1-7.

Ciconelli RM, Ferraz MB, Santos W, Meinão I, Quaresma MR. Tradução para o português e validação do questionário genérico de avaliação da qualidade de vida “Medical Outcomes Study 36-item Short-Form. Rev. Bras. Reumatol., 1999;39(3):143-50.

Aragoni J, Hernandez SSS, Marchesini BL, Simas J, Mazo Z. Independência funcional e estágios de mudança de comportamento para atividade física de idosos participantes em grupos de convivência. Rev. Bras. Qualid. Vida, 2013;5(2):31-40.

Pereira JRP, Okuma S. Perfil dos ingressantes de um programa de educação física para idosos e os motivos da adesão inicial. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, 2009; 23(4):319-334.

Chaim J, Ramundo ME, Sant’anna FCA, Yuaso DR. Prática regular de atividade física e sedentarismo: influência na qualidade de vida de idosas. RBCEH, Passo Fundo. 2010;7(2):198-209.

Borges PLC, Bretas RP, Azevedo SF, Barbosa JMM. Perfil dos Idosos Frequentadores de Grupos de Convivência em Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. 2008;24(14):2798-2808.

Reis LA, Mascarenhas CHM, Lyra JE. Avaliação da qualidade de vida em idosos praticantes e não praticantes do método Pilates. C&D-Revista Eletrônica da Fainor, Vitoria da Conquista, 2011;4(1):38-51.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Envelhecimento ativo: uma política de saúde/ World Health Organization. (S. Gontijo Trad.), Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde 2002; 60. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/svs/pub/pdfs/envelhecimento_ativo.pdf [capturado em: 20 Ago. 2015].


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.