PANDEMIA E SEDENTARISMO: CONSEQUÊNCIAS PARA A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

Pedro Afonso Pegoretti Matias dos Santos, Natália Stéfane de Godoi Domingues, Mariana Rabelo de Oliveira, Anderson Martelli, Lucas Delbim

Resumo


No final de 2019 observou-se o início de uma pandemia causada pelo SARS-CoV-2 causador da Covid 19. Para controlar a propagação deste vírus foram determinadas medidas de segurança como o distanciamento social, levando o fechamento de diferentes estabelecimentos com consequências físicas, psicológicas e socioeconômicas, além de diversas mudanças no estilo de vida de pessoas em todas as idades. O presente estudo abordou a influência das adaptações decorrentes das condições de isolamento social sobre o sedentarismo e problemas relacionados, reforçando a importância da atividade física entre crianças e adolescentes ainda que no meio de uma pandemia, para uma melhor saúde e prevenção de doenças crônicas. Foi realizado uma pesquisa de artigos publicados entre os anos de 1995 a 2021 retratando as consequências da pandemia e o sedentarismo sobre esse grupo de pessoas. Evidências científicas indicaram aumento no tempo de inatividade física após o início da pandemia, sobretudo pelas mudanças nos hábitos diários e distanciamento social e a atividade física é um quesito indispensável para a melhora na qualidade de vida das crianças e adolescentes.

Palavras-chave


Sedentarismo; Pandemia; Atividade Física; Adolescentes

Referências


BEZERRA, A.C.V, SILVA, C.E.M, SOARES, F. G.G, SILVA J.A.M. Fatores associados ao comportamento da população durante o isolamento social na pandemia de COVID-19. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, p. 2411-2421, 2020.

MEIRELLES, A.F.V. et al. COVID-19 e Saúde da Criança e do Adolescente. Rio de Janeiro, 2020.

PIETROBELLI, A; PECORARO, L; FERRUZZI, A; HEO, M; FAITH, M; ZOLLER, T; ANTONIAZZI, F; PIACENTINI, G; FEARNBACH, N; HEYMSFIELD, S. Effects of COVID19 lockdown on lifestyle behaviors in children with obesity living in Verona, Italy: a longitudinal study. Obesity, v. 28, n. 8, p. 1382-1385, 2020.

FRIEDRICH, R.R; POLET, J.P; SCHUCH, I; WAGNER, M.B. Efeito dos programas de intervenção no âmbito escolar para reduzir o tempo gasto em frente a telas: uma metanálise. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 90, n. 3, p. 232-241, 2014.

OLIVEIRA, D.W; OLIVEIRA, E.S.A. Sedentarismo infantil, cultura do consumo e sociedade tecnológica: implicações à saúde. Revista Interação Interdisciplinar, Mineiros, v. 4, n. 1, p. 155-169, 2020.

FARIAS JÚNIOR, J.C; LOPES, A.S; MOTA, J; HALLAL, P.C. Prática de atividade física e fatores associados em adolescentes no Nordeste do Brasil. Revista de Saúde Pública, João Pessoa, v. 46, p. 505-515, 2012.

FERREIRA, M.S; CASTIEL, L.D; CARDOSO, M.H.C.A. A patologização do sedentarismo. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 836-847, 2012.

MARTELLI A. Potencial da pratica de exercícios físicos regulares como método não farmacológico no controle da Hipertensão Arterial Sistêmica. Desenvolvimento Pessoal. v. 3, n. 1, 2013.

MACEDO, Neusa Dias de. Iniciação à pesquisa bibliográfica. Edições Loyola, 1995.

SILVA, Airton Marques da. Metodologia da Pesquisa. 2 ed. rev. Fortaleza: Eduece, 2015.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases. Geneva: WHO, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. – Brasília: Ministério da Saúde, 2020.

DIAS, P.J.P; DOMINGOS, I.P.; FERREIRA, M.G; et al. Prevalência e fatores associados aos comportamentos sedentários em adolescentes. Rev. Saúde Pública. v. 48, n. 2: p. 266-274, 2014.

BACIL, E.D.A; PIOLA, T.S; WATANABE, P.I; SILVA, M.P; LEGNANI, R.F.S; CAMPOS, W. Maturação biológica e comportamento sedentário em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Journal of Phisycal Education, v. 27, n. 1, 2016.

LAZZOLI, J.K. et al. Atividade física e saúde na infância e adolescência. Revista Brasileira de Medicina Esporte, São Paulo, v. 4, n. 4, p. 1-3, 1998.

GUERRA, S.; OLIVEIRA, J.; RIBEIRO, J. C.; TEIXEIRA-PINTO, A.; DUARTE, J. A.; MOTA, J. Relação entre a atividade física regular e a agregação de fatores de risco biológicos das doenças cardiovasculares em crianças e adolescentes. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 3, n. 9: p. -15, 2003.

SILVA, K.S. et al., Sedentary behavior in children and adolescents: an update of the systematic review of the Brazil’s Report Card. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano, v. 23, 2021.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Diretrizes da OMS para atividade física e comportamento sedentário: num piscar de olhos. Organização Mundial da Saúde, 2020.

MATSUDO, V.K.R; SANTOS, M; OLIVEIRA, L.C. Quarentena sim! Sedentarismo não! Atividade física em tempos de coronavírus. Diagn. Tratamento, p. 116-120, 2020.

MALTA, D.C; et al. The COVID-19 Pandemic and changes in adult Brazilian lifestyles: a cross-sectional study, 2020. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, 2020.

KRINSKI, K; ELSANGEDY, H.M; COLOMBO, H; BUZZACHERA, C.F; SOARES, I.A; CAMPOS, W; SILVA, S.G. Efeitos do exercício físico no sistema imunológico. Rev Bras Med, v. 67, n. 7, 2010.

JOY, L. Staying Active During COVID-19. EIM Blog – American College of Sports Medicine, 2020. Disponível em: https://www.exerciseismedicine.org/staying-active-during-covid-191/. Acesso em: 15 de set. 2020.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.