A IMPORTÂNCIA DA ERGONOMIA NA PRÁTICA DO EXERCÍCIO FÍSICO NA ACADEMIA

Aline Lillian Pereira Simião, Jussara Ferreira de Assis, Rafael dos Santos Andrade, Vinicius Aparecido Galindo, Josinei Leandra Valeretto, Selma Fernandes

Resumo


O objetivo principal deste estudo foi investigar a importância da ergonomia na prática do exercício físico demonstrando o uso certo e errado de equipamentos e acessórios de ginástica numa academia. Neste trabalho, realizou-se pesquisa bibliográfica por meio de artigos, livros e periódicos eletrônicos e de campo, através da coleta de imagens dos sujeitos realizando os movimentos numa academia. Neste artigo destaca-se o quanto é essencial a prática de exercício físico na vida das pessoas para melhoria da sua saúde e qualidade de vida. Na sequência é apresentado o conceito de ergonomia, quais são os seus objetivos e o quão se faz fundamental para os profissionais de educação física seu conhecimento. Além disso, é demonstrado a prática do exercício físico no uso certo e errado de equipamentos e acessórios de ginástica, sendo realizada uma descrição utilizando fotografias que foram feitas pelos autores em uma academia, de exercícios praticados erroneamente em paralelo aos exercícios feitos corretamente.  Portanto o profissional que possui o conhecimento em ergonomia orientará um treinamento com segurança para que o indivíduo que pratica, alcançando seus objetivos sem riscos de lesões, evitando quaisquer tipos de transtorno físico ou mental. 


Palavras-chave


Ergonomia; Exercício Físico; Aparelhos de Ginástica; Academias.

Referências


JACOB FILHO, Wilson. Atividade física e envelhecimento saudável Wilson. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v.20, p.73-77, set. 2006. Suplemento n.5. http://danielsimonn.com.br/recomendados/terceira-idade/artigo3.pdf. Acesso em 15/07/2021, às 8:30 horas.

OLIVEIRA, Vitor Marinho de. O que é Educação Física. São Paulo: Brasiliense, 2004 (Coleção primeiros passos:79).

SILVA, Renan Sena de Castro; VELOSO, Isis Tatiane de Barros Macêdo. Equipamentos de ginástica – satisfação e caracterização dos usuários. 17° Ergodesign – Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano Tecnológica: Produto, Informações Ambientes Construídos e Transporte 17° USIHC – Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de Interfaces Humano Computador. Rio de Janeiro. 2019. http://pdf.blucher.com.br.s3-sa-east-1.amazonaws.com/designproceedings/ergodesign2019/2.43.pdf. Acesso em 20/07/2021, às 12:45 horas.

CAPINUSSU, José Maurício, Academias de ginástica e condicionamento físico – origens. Atlas do Esporte no Brasil. Rio de Janeiro: CONFEF, 2006. http://www.atlasesportebrasil.org.br/textos/145.pdf. Acesso em 06/09/2021, às 13:59 horas.

COSTA, Bruno Gonçalves Galdino da; FREITAS, Cíntia de la Rocha; SILVA, Kelly Samara da. Atividade física e uso de equipamentos entre usuários de duas Academias ao Ar Livre. Costa et al. Rev Bras Ativ Fís Saúde 2016; 21(1):29-38.

LÁUAR, Ana Clara Fernandes; LIMA, Marcos José Alves de; LIMA, Verena Ferreira Tidei de; SILVA, José Carlos Plácido da; PASCHOARELLI, Luis Carlos. A origem da ergonomia na Europa: contribuições específicas da Inglaterra e da França. 2010. at: https://www.researchgate.net/publication/282295011. Acesso em 15/07/2021, às 14:55 horas.

SILVA, José Carlos Plácido da; PASCHOARELLI, Luis Carlos. A evolução histórica da ergonomia no mundo e seus pioneiros. Editora cultura acadêmica. São Paulo. 2010. https://static.scielo.org/scielobooks/b5b72/pdf/silva-9788579831201.pdf Acesso em 16/07/2021, às 11:45 horas.

IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 2. ed. Ver. E amp. São Paulo: Blucher, 2005.

GRACIOLLI, Lilian Seligman; PAIXÃO, Dinara Xavier da; CONTO, Juliana De; BITENCOURT, Raquel Fava de. Reflexões ergonômicas sobre a voz de professores de academia de ginástica. ENERP - XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba. 2002. http://www.abepro.org.br/biblioteca/enegep2002_tr40_1117.pdf acesso em 15/07/2021, às 13:43 horas.

ALMEIDA, Rodrigo Gomes de. A ergonomia sob a ótica anglo-saxônica e a ótica francesa. VÉRTICES, Campos dos Goytacazes/RJ, v. 13, n. 1, p. 115-126, jan./abr. 2011

SEVERINO, Antônio Joaquim. J. Metodologia do trabalho científico. 21. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.