DOENÇA CELÍACA (DC): PRÁTICAS E ESTRATÉGIAS ALIMENTARES PARA QUALIDADE DE VIDA

Juliana Pinheiro Cantanhede, Josiane Lopes de Araújo, Silvia Leticia da Silva Carvalho, Fernando Alípio Rolo Neto, Ricardo Pablo Passos, Lucas George Assunção Costa, Guanis de Barros Vilela Junior, Bráulio Nascimento Lima, Caroline Pessoa Porto

Resumo


A Doença Celíaca (DC) é uma intolerância à ingestão de glúten, contido em cereais como cevada, aveia, centeio, trigo e malte, caracterizada por um processo inflamatório que envolve a mucosa do intestino delgado, ocasionando atrofia das vilosidades intestinais e má absorção dos alimentos. A falta de conhecimento sobre essa patologia e a complexidade do alcance ao diagnóstico prejudica a adesão ao tratamento e limitam as chances de melhora do quadro. A orientação para uma dieta isenta de glúten (DIG) deverá ser realizada após a definição do diagnóstico, que na maioria das vezes envolve a elaboração de testes sorológicos e biópsia intestinal. Esse estudo objetivou realizar uma revisão bibliográfica acerca da DC abordando a importância da dieta na vida dos indivíduos, favorecendo a qualidade de vida e promovendo estratégias que favoreçam uma alimentação mais adequada e segura. A revisão bibliográfica utilizou bases de dados eletrônicos (Lilacs, Scielo, google acadêmico) e teses que abordassem o tema de estudo. Esta revisão bibliográfica mostra a importância das práticas e estratégias alimentares para melhoria da qualidade de vida do paciente celíaco. Desse modo o único tratamento disponível tem como base a DIG, que apesar de não ser uma tarefa nada fácil, a indústria alimentícia vem inovando e ampliando a produção de alimentos com glúten. Cabe então ao nutricionista orientar na assistência relativa à escolha, no estado nutricional, aos riscos da contaminação cruzada, ensinar a ler os rótulos dos alimentos e nas orientações relacionadas a insuficiência de absorção de nutrientes.

DOI: 10.36692/v13n3-11R


Palavras-chave


Doença Celíaca (DC), Glúten, Qualidade de vida, Estratégias alimentares.

Referências


Silva TSdG, Furlanetto TW. Diagnóstico de doença celíaca em adultos. Revista da Associação Médica Brasileira. 2010;56:122-6.

Pelleboer RA, Janssen RL, Deckers-Kocken JM, Wouters E, Nissen AC, Bolz WE, et al. Doença celíaca é super-representada em pacientes com constipação. Jornal de Pediatria. 2012;88:173-6.

Albuquerque IL. Manifestações clínicas, laboratoriais e histológicas da doença celíaca. Revista de Patologia do Tocantins. 2020;7(1):94-7.

Andreoli CS, Cortez APB, Sdepanian VL, Morais MBd. Avaliação nutricional e consumo alimentar de pacientes com doença celíaca com e sem transgressão alimentar. Revista de Nutrição. 2013;26:301-11.

Liu SM, Resende PVG, Bahia M, Penna FJ, Ferreira AR, Liu PMF, et al. Doença celíaca. Rev Med Minas Gerais. 2014;24(Supl 2):S38-S45.

Picon P, Gadelha M, Beltrame A. Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas Doença Celíaca, Portaria SAS/MS 307 Set 2009 203-210. 2009.

Gonçalves FJdA. Estudo da incidência de doença celíaca na Região Autónoma da Madeira 2012.

Santos ASd, Ribeiro CdSG. Percepções de doentes celíacos sobre as consequências clínicas e sociais de um possível diagnóstico tardio na doença celíaca. DEMETRA: Alimentação, Nutrição & Saúde. 2019;14:33310.

Possik PA, Finardi Filho F, Francisco Ad, Luiz MTB. Alimentos sem glúten no controle da doença celíaca. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2005:61-74.

Silva MJdC. Doença celíaca associada a diabetes mellitus tipo 1 2016.

Rauen MS, Back JCdV, Moreira EAM. Doença celíaca: sua relação com a saúde bucal. Revista de Nutrição. 2005;18(2):271-6.

Machado AS, Teixeira AV, Cardoso H, Cruz D, Paiva M, Tavarela-Veloso F. Doença celíaca no adulto: a propósito de um caso clínico. Jornal Português de Gastrenterologia. 2006;13(3):139-43.

Whitacker FC, Hessel G, Lemos-Marini SH, Paulino MF, Minicucci WJ, Guerra-Júnior G. Prevalência e aspectos clínicos da associação de diabetes melito tipo 1 e doença celíaca. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2008;52:635-41.

Pratesi R, Gandolfi L. Doença celíaca: a afecção com múltiplas faces. Jornal de Pediatria. 2005;81(5):357-8.

Almeida RCd. Rastreamento sorológico de possíveis casos de doença celíaca em grupo de afrodescendentes remanescentes de quilombos da região Nordeste e Centro-Oeste do Brasil. 2013.

Pereira AAV, Silva BSd, Errante PR. Aspectos fisiopatológicos da doença celíaca. UNILUS Ensino e Pesquisa. 2017;14(34):142-55.

Santos PBFd, Cozer M. Elaboração de um produto alimentar isento de glúten. 2015.

Serpa ABdMM, Oliveira BLP, Marcolino EC, Barros JAd, Ferreira KS, Silva LHAd, et al. A doença celíaca: uma revisão bibliográfica. Revista Higei@-Revista Científica de Saúde. 2020;2(4).

Amparo GKS, Maia Lima CFd, Silva ADd, Nihei JS, Passos RA, Magalhães CG. Repercussões da doença celíaca na qualidade de vida de sujeitos adultos. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental. 2019:809-15.

Oliveira T, Damasceno A, Leal L, Sousa R, Oliveira C, Silva F. Dificuldades encontradas pelos pacientes celíacos em seguir dieta isenta de glúten. BJSCR. 2018;24(3):110-5.

Oliveira APP. Doença celíaca em crianças e adolescentes: apresentação clínica e mudanças ao longo do tempo. Monografia (Especialização em Gastroenterologia Pediátrica). Universidade de Minas Gerais, Faculdade de Medicina2015.

Rocha Y, Oliveira TCd, Bezerra KCB, Landim LAdSR. Repercussões clínicas da doença celíaca na qualidade de vida de pacientes pediátricos. Revista Arquivos Científicos (IMMES). 2021;4(1):20-6.

Balbino KP. Avaliação do estado clínico-nutricional e triagem para doença celíaca em portadores de doença renal crônica em hemodiálise. 2016.

Ferreira F, Inácio F. Patologia associada ao trigo: Alergia IgE e não IgE mediada, doença celíaca, hipersensibilidade não celíaca, FODMAP. Revista portuguesa de imunoalergologia. 2018;26(3):171-87.

Sdepanian VL, Morais MBd, Fagundes-Neto U. Doença celíaca: avaliação da obediência à dieta isenta de glúten e do conhecimento da doença pelos pacientes cadastrados na Associação dos Celíacos do Brasil (ACELBRA). Arquivos de Gastroenterologia. 2001;38:232-9.

Ribeiro EMSF. Novos avanços no desenvolvimento de terapias não dietéticas para a doença celíaca 2018.

Silva CL. Doença celíaca: revisão bibliográfica. 2013.

Campos TdN. Avaliação da Adequação Dietética e Nutricional de Adultos com Doença Celíaca. 2012.

Kamioka GA, Stedefeldt E, Domene SMA. Doença Celíaca no município de São Paulo: a disponibilidade de um mercado específico. Nutrire Rev Soc Bras Aliment Nutr. 2013:201-19.

Pidde ÁG, Vitória GU, Siqueira MPS, Dutra PVC, Alves PHG, Sugita DM. Dietoterapia como alternativa clínica e seus efeitos. 2019.

Silva BNd, Queiroz KB, Almeida SKdF, Fraga EGdS. Dietoterapia em pacientes com doença celíaca. 2016.

Resende PVG, Matos NLd, Silva GCMS, Liu PMF. Doenças relacionadas ao glúten. Revista Médica de Minas Gerais. 2017;27(3):S51-S8.

Silva RPd. Detecção e quantificação de glúten em alimentos industrializados por técnica de ELISA: Universidade de São Paulo; 2010.

Wieser H. Chemistry of gluten proteins. Food microbiology. 2007;24(2):115-9.

Oliveira FdR. Potencial de degradação do glúten por estirpes de Paenibacillus sp. 2014.

Balakireva AV, Zamyatnin AA. Properties of gluten intolerance: gluten structure, evolution, pathogenicity and detoxification capabilities. Nutrients. 2016;8(10):644.

Koning F. Adverse effects of wheat gluten. Annals of Nutrition and Metabolism. 2015;67(Suppl. 2):7-14.

Nascimento KdO, Takeiti CY, Barbosa MIMJ. Doença celíaca: sintomas, diagnóstico e tratamento nutricional. Embrapa Agroindústria de Alimentos-Artigo em periódico indexado (ALICE). 2012.

Ribeiro M, Poeta P, Igrejas G. The genetic variability of wheat can ensure safe products for celiac disease patients. International Journal of Celiac Disease. 2014;2(1):24-6.

Zhao D, Mulvaney S, Chinnaswamy R, Rayas-Duarte P, Allvin B, Wang M. Elastic properties of gluten representing different wheat classes. Journal of Cereal Science. 2010;52(3):432-7.

Salomão RP. Determinação qualitativa e quantitativa de glúten em farinha de trigo, aveia e arroz. 2012.

Nascimento ABd. Desenvolvimento de produto alimentício sem glúten elaborado a partir da percepção de consumidores celíacos. 2014.

Freeman HJ. Endocrine manifestations in celiac disease. World journal of gastroenterology. 2016;22(38):8472.

Esteves HMPD. Doença Celíaca: Da Patofisiologia e Manifestações Clínicas às Novas Formas de Tratamento. 2016.

Carvalho VRd. Comparação de polimorfismo do gene eNOS, entre pacientes com doença celíaca, atendidos no Hospital Universitário De Brasília (HUB) e grupos de indivíduos sadios. 2014.

Cardoso LT, Komeroski MR, Homem RV, Oliveira VRd. Doença celíaca e a utilização de novos alimentos sem glúten. 2021.

Utiyama SRdR, Reason IJTdM, Kotze LMdS. Aspectos genéticos e imunopatogênicos da doença celíaca: visão atual. Arquivos de Gastroenterologia. 2004;41(2):121-8.

Garcia C, Jorge R. Doença Celíaca: Actualidade vs. Futuro. Revista Nutrícias. 2012(14):24-6.

Henning JR, Schauren JdS. Critérios e técnicas para diagnóstico da doença celíaca. Revista Eletrônica Biociências, Biotecnologia e Saúde. 2019;12(24):45-52.

Brandt KG, Silva GAPd. Soroprevalência da doença celíaca em ambulatório pediátrico, no nordeste do Brasil. Arquivos de Gastroenterologia. 2008;45:239-42.

Cristofolini MEK. Doença celíaca: aspectos clínicos, imunológicos e diagnóstico. 2019.

Bessa CC. Validação clínica dos fatores relacionados do diagnóstico de enfermagem controle ineficaz da saúde em indivíduos com doença celíaca. 2017.

Dias MdCS. Prevalência da doença celíaca em pacientes com síndrome de Turner. 2007.

Reips D. Doença celíaca: aspectos clínicos e nutricionais. 2011.

Campos CGP, Mendoza ADS, Rinaldi ECA, Skupien SV. Doença celíaca e o conhecimento dos profissionais de saúde da atenção primária. Revista de Saúde Pública do Paraná. 2018;1(2):54-62.

Ciesunski JZ, Kotze LMdS, Utiyama SRdR. Tratamento da doença celíaca: estado da arte. GED gastroenterol endosc dig. 2016:114-21.

Tortora GJ, Derrickson B. Corpo Humano-: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia: Artmed Editora; 2016.

Silva FGd, Diniz GP. Anatomia e fisiologia humana: Difusão Editora; 2021.

Rocha Siqueira Ad, Fonseca CSBMd, Paula IMBd, Novais MM. Doença celíaca: um diagnóstico diferencial a ser lembrado. Arquivos de Asma, Alergia e Imunologia. 2014;2(6):241-7.

Cunha M, Carneiro F, Amil J. Doença celíaca refratária. Arquivos de Medicina. 2013;27:19-26.

Perez MO, Ciambelli GS, Nigri AA, Vieira MW, Costa CD. Doença celíaca associada à tireoidite de Hashimoto e síndrome de Noonan. Rev paul pediatr. 2010;28(4):398-404.

Lebwohl B, Rubio-Tapia A. Epidemiology, presentation, and diagnosis of celiac disease. Gastroenterology. 2021;160(1):63-75.

Bastos MD, Silveira TRd. Doença celíaca e alterações hepáticas: uma revisão. Boletim Científico de Pediatria. 2013;2(3).

Franca R, Diniz-Santos DR, May DS, Saback TL, Silva LR. Alterações hepáticas na doença celíaca. Revista de Ciências Médicas e Biológicas. 2006;5(3):275-80.

Castro CGCd, Cunha CG, Lima CMD, Reis DZd, Sírio DMB, Filho F, et al., editors. Dermatite herpetiforme com exacerbação clínica após interrupção do uso de anovulatório oral2014.

Makovicky P, Makovicky P, Caja F, Rimarova K, Samasca G, Vannucci L. Celiac disease and gluten-free diet: past, present, and future. Gastroenterology and hepatology from bed to bench. 2020;13(1):1.

Vilarinho MdFSB, Cunha Soares Td, Conceição Rocha Gd, Cunha Soares Td, Monteiro MJdSD, Lima VMd, et al. Terapia Nutricional na Doença Celíaca: Fatores Associados a Adesão de Crianças e Adolescentes. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 2019(31):e1168-e.

Magalhães JP, Oliveira MDS, Monteiro MAM, Schaefer MA, Garcia MAVT. Riscos de contaminação por glúten em um restaurante universitário com preparações para indivíduos celíacos: um estudo de caso. Nutr clín diet hosp. 2017:165-70.

Jesus Morais CMQd, Godoi BKB, Luiz RA, Santos JMd. Avaliação das informações referentes à presença ou não de glúten em alguns alimentos industrializados. Revista do Instituto Adolfo Lutz. 2014;73(3):259-63.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.