TORCICOLO MUSCULAR CONGÊNITO: AVALIAÇÃO E TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO

Letícia Rodrigues, Lorrayna Carvalho Ferreira, Selma Cristina Fernandes, Josinei Leandra Valeretto, Janaina Aparecida Soares Gil Quero

Resumo


O Torcicolo muscular congénito (TCM) é uma deformidade no pescoço podendo ser detectada no nascimento ou após dele, tendo como sinais clínicos uma inclinação homolateral e limitação no movimento de rotação da cabeça para o lado contralateral. Isso ocorre por um encurtamento unilateral do músculo esternocleidomastóideo (ECM). O tratamento inicial recomendando é a fisioterapia, pois mostra resultados eficazes na grande maioria dos casos. Quanto mais recente o tratamento for iniciado, mais benéficos serão os resultados. Para mostrar a evolução do quadro clínico do paciente e a eficácia da intervenção fisioterapêutica no TCM foi realizada uma revisão integrativa da literatura, buscando artigos em ambiente virtual como SciELO (Scientific Eletronic Library Online), Sibradid, Google acadêmico e Pubmed. Após uma avaliação e anamnese detalhada foi feita a intervenção fisioterapêutica em um paciente do sexo masculino com três meses de idade e com Torcicolo Muscular Congênito presente, onde foram aplicadas técnicas de alongamentos muscular. Os resultados do estudo presente mostraram que as técnicas manuais de alongamento são bastante eficazes no tratamento do TCM, portanto, o intuito dessa Intervenção Fisioterapêutica foi priorizar essa técnica. Foi comprovado que o alongamento muscular desempenhou um papel importante na intervenção fisioterapêutica, tendo em vista a alta do paciente citado.

DOI: 10.36692/v13n3-14


Palavras-chave


Torcicolo Muscular Congênito, fisioterapia, alongamento, tratamento, pediatria.

Referências


TUBBY AH. Deformidades e doenças dos ossos e articulações. 2 nd Ed., Vol. 1. Londres, Inglaterra: MacMillan; 1912. p. 56

WEI, J. L., SCHWARTZ, K. M., WEAVER, A. L. e ORVIDAS, L. J. (2001). Pseudotumor of infancy and congenital muscular torticollis: 170 cases. Laryngoscope, 111(4), 688-695.

CHENG, J. C., WONG, M. W., TANG, S. P., CHEN, T. M., SHUM, S. L. E WONG, E. M. (2001). Clinical determinants of the outcome of manual stretching in the treatment of congenital muscular torticollis in infants. A prospective study of eight hundred and twenty-one cases. J Bone Joint Surg Am, 83-A (5), 679-87.

Lee Y, Yoon K, Kim Y, Chung P, Hwang JH, Park YS, Chung SH, Cho SK, Han BH. Clinical features and outcome of physiotherapy in early presenting congenital muscular torticollis with severe fibrosis on ultrasonography: a propective study. J Pediatr Surg. 2011;46:1526-31.

CHENG, J., TANG, S., CHEN, T., WONG, M. E WONG, E. (2000). The clinical presentation and outcome of treatement of congenital muscular torticollis in children- a study of 1086 cases. Journal of Pediatric Surgery, 35(7), 1091-1096

DAVIDS JR, WENGER DR, MUBARAK SJ. Congenital muscular torticollis: sequela of intrauterine or perinatal compartment syndrome. J Pediatr Orthop 1993; 13:141-7.

FREITAS RS, ALONSO N, SHIN JH, PERSING J. Assimetrias cranianas em crianças: diagnóstico diferencial e tratamento. Rev Bras Cir Craniomaxilofac. 2010;13(1):44-8.

KUO A, TRITASAVIT S, GRAHAM JR J. Congenital Muscular Torticollis and Positional Plagiocephaly. Pediatrics in review. 2014; 35(2): 79-87.

BREDENKAMP JK, HOOVER LA, BERKE GS, SHAW A. Congenital muscular torticollis. A spectrum of disease. Arch Otolaryngol Head Neck Surg 1990;116:212-6.

LEUNG YK, LEUNG PC. The efficacy of manipulative treatment for stemomastoid tumours. J Bone Joint Surg Br. 1987; 473-8

ROBERTA, B. S. “Fisioterapia em pediatria.” São Paulo: Santos (1995).

ÖHMAN A, NILSSON S, LAGERKVIST AL, BECKUNG E. Are infants with torticollis at risk of a delay in motor milestones compared with a control group of healthy infant? Dev Med Child Neurol. 2009; 51:545-550.

HAN SJ, SHIN BM, LEE JM, YOON TS. Factors affecting rehabilitation outcome of congenital muscular torticollis. J Korean Acad Rehab. 2010; 34:643-9.

EMERY, C. The Determinants of Treatment Duration for Congenital Muscular Torticollis. Phys Ther, 74: 921-929, 1994.

ÖHMAN, A., NILSSON, S. E BECKUNG, E. (2010). Stretching treatment for infants with congenital muscular torticollis: physiotherapist or parents? A randomized pilot study. American Academy of Physical Medicine and Rehabilitation, 2(12), 1073-1079.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.