INFLUÊNCIA DA MUSCULAÇÃO NAS CAPACIDADE ANAERÓBICAS DE ATLETAS DE JIU-JITSU: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Maria Clara Barboza da Silva Freitas, Tiago Carreira Ferreira, Carlos Henrique Prevital Fileni, Gustavo Celestino Martins, Leandro Borelli de Camargo, Heleise Faria dos Reis de Oliveira, José Ricardo Lourenço de Oliveira, Marcelo Francisco Rodrigues, Adriano de Almeida Pereira, Luís Felipe Silio, Bráulio Nascimento Lima, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Junior

Resumo


O jiu-jitsu teve sua origem na derivação de outras modalidades de luta que se espalharam no leste asiático através de monges budistas. O Japonês Mitsuyo Maeda foi responsável por trazer o precursor da modalidade para o Brasil. A família Grace tem uma grande participação na criação da modalidade, atualmente conhecida como Brasilian Jiu-jitsu (BJJ). O objetivo do presente artigo foi avaliar na literatura, os efeitos da musculação nas capacidades anaeróbicas do atleta de jiu-jitsu. O desenho da modalidade como forma de competição possui características próprias voltadas para a finalização do oponente por imobilização. Os apontamentos expostos neste artigo, apresentam a musculação como uma ferramenta importante para o desenvolvimento de capacidades anaeróbicas que, por sua vez, podem influenciar positivamente no aumento da performance do atleta de Jiu-jitsu.

DOI: 10.36692/v13n3-08R


Palavras-chave


Jiu-jitsu; musculação; capacidades anaeróbicas.

Referências


Nunes AV, Rubio K. As origens do judô brasileiro: a árvore genealógica dos medalhistas olímpicos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2012;26(4):667-78.

Lise RS, Capraro AM. Primórdios do jiu-jitsu e dos confrontos intermodalidades no Brasil: contestando uma memória consolidada. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2018;40(3):318-24.

Sedlacek GB, Gonçalves CJ, Scheleski S, Sabadin A, Pruinelli JV, Lima LS. Essenência, História e Mecânica do Jiu-Jitsu. 2019.

Dutton KR, Laura RS. Towards a history of bodybuilding. Sporting traditions. 1989;6(1):25-41.

Gleyse J. De l’art de la gymnastique (1569), au culturisme et aux premières compétitions organisées (1904). L’Emergence du body-building? Staps. 2018(1):27-45.

Schwarzenegger A, Dobbins B. The new encyclopedia of modern bodybuilding: Simon and Schuster; 1998.

Borson LAMG, Romano LH. Revisão: O processo genético de envelhecimento e os caminhos para a longevidade. Revista Saúde em Foco. 2020;12.

Moreira NB, Mazzardo O, Vagetti GC, Oliveira Vd, Campos Wd. Qualidade de vida. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2019;33(1):107-14.

Sousa CMS, de Sousa Allex AAS, Alves ASdSA, de Sousa S, Gurgel LC, Brito EAS, et al. Contribuição da atividade física para a qualidade de vida dos idosos: Uma Revisão Integrativa da Literatura/Contribution of physical activity to the quality of life of the elderly: An Integrative Review of Literature. ID on line REVISTA DE PSICOLOGIA. 2019;13(46):425-33.

Nazar F, Gomes FRH, de Oliveira V, Vagetti GC. Qualidade de vida, atividade física e cognição na população idosa: uma revisão sistemática. REVISTA UNINGÁ REVIEW. 2020;35:eRUR2789-eRUR.

Domingueti RA, Martins GC, Junior GdBV, Fileni CHP. A Psicologia do Esporte e o seu Trabalho Motivacional para o Desempenho e Controle da Ansiedade: Uma Revisão Bibliográfica/Sport Psychology and Its Motivational Work for Anxiety Performance and Control: A Bibliographic Review. Revista FSA (Centro Universitário Santo Agostinho). 2020;17(3):196-207.

Rios JR, de Oliveira Mano RA, Pimenta LD, editors. Nutrologia e sua relação com a performance esportiva no crossfit: revisão de literatura. ANAIS DO I CONGRESSO DE MEDICINA ESPORTIVA DO CENTRO-OESTE MINEIRO CMECOM 2019; 2019.

Pereira DdS. Relação entre capacidades físicas e maturação biológica: uma revisão integrativa de estudos nacionais. SEFIC 2019. 2020.

Silva AdS. A relação entre capacidades físicas e a escolha do padrão de luta em lutadores de brazilian jiu jitsu. 2018.

Vieira MM, Santana AS, Reis RM, da Silva Triani F. A qualidade de vida percebida por adultos praticantes do jiu-jitsu brasileiro. Revista Carioca de Educação Física. 2020;15(2):13-9.

Sieb M. Influência do treino de musculação na flexibilidade de praticantes de jiu-jitsu. Revista da Jornada Nacional de Atividades Físicas (JONAF). 2019;1(1).

CBJJ. Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu 2021 [Available from: https://cbjj.com.br/.

IBJJF. Livro de Regras: IBJJF International Brazilian Jiu Jitsu Federation 2020, Janeiro de 2021. Competições RGdCMdFd, editor2020.

Murer E, Volpi T, Lopes C. Treinamento de Força: Saúde e Performance Humana. São Paulo2019.

Marchetti P, Lopes C, Corrêa D. Planejamento e prescrição do treinamento personalizado: do iniciante ao avançado. São Paulo2014.

Oliveira EdAM. Validade do teste de aptidão física do exército brasileiro como instrumento para a determinação das valências necessárias ao militar. Revista de Educação Física/Journal of Physical Education. 2005;74(2):24-31.

Bairros JGKKd, Antunes FR. Estratégias metodológicas utilizadas na iniciação esportiva por um profissional de educação física. Revista da Saúde da AJES. 2020;6(12).

Ferreira JF, Alves BP, Gomes DA. Efeito do treinamento de força máxima sobre o desempenho motor no Jump Test e nos teste de 1RM em atletas de Futsal. RBFF-Revista Brasileira de Futsal e Futebol. 2017;9(34):314-9.

Lima FR, da Silva Pereira FC, da Rocha M, Nascimento S, de Araújo Vale ME, Martins VR, et al. Influência da utilização de pesos livres e máquinas no desenvolvimento da força máxima de membros inferiores. RBPFEX-Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2017;11(69):676-83.

Rezende VR, Silva ML, dos Santos Neiva TC, Gardenghi G. Análise aguda das capacidades físicas dos praticantes de Jiu Jitsu na região oeste de Goiânia. Vita et Sanitas. 2019;13(1):48-56.

Silva TLTBd, Silva JGd, Macedo FN, Santana MNS, Melo VUd, Mota MM. Avaliação dos níveis de flexibilidade de faixas pretas de jiu-jitsu da categoria master. Brazilian Journal of Development. 2021;7(2):15755-65.

Soares WD, Santos RS, Almeida FN, de Miranda JTN, da Silva Novaes J. Determinação dos níveis de flexibilidade em atletas de karatê e jiujitsu. Motricidade. 2005;1(4):246-52.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.