OS EFEITOS DO TREINAMENTO DE MUSCULAÇÃO PARA HIPERTROFIA NO TRATAMENTO DE IDOSOS HIPERTENSOS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Vanessa Borges Gomes, Iokanaan de Alcantara Pelaez Lima, Cassio Juan Nogueira Monteiro, Carlos Henrique Prevital Fileni, Gustavo Celestino Martins, Leandro Borelli de Camargo, Heleise Faria dos Reis de Oliveira, José Ricardo Lourenço de Oliveira, Marcelo Francisco Rodrigues, Adriano de Almeida Pereira, Luís Felipe Silio, Bráulio Nascimento Lima, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Junior

Resumo


O envelhecimento é um processo natural que traz consigo efeitos deletérios que podem resultar em comorbidades, perda da qualidade de vida e morte. A Hipertensão Arterial (HÁ) a comete uma grande quantidade de idosos. A musculação é uma modalidade de atividade/exercício físico que utiliza manifestações da força como forma de sobrecarga. O objetivo do presente estudo foi avaliar e comparar, na literatura científica, com uma visão crítica, os efeitos dos protocolos de treinamento de musculação em diferentes manifestações da força (Força máxima, hipertrófica e de resistência) em idosos hipertensos no controle não medicamentoso da HA e os principais mecanismos desse controle. A revisão de literatura crítica apresenta a musculação como parte necessária para prevenção e tratamento não medicamentoso de idosos com HA, não especificando a relação com as diferentes manifestações da força (Máxima, Hipertrófica e de Resistencia). A musculação possui efeitos agudos e crônicos sobre a HA de idosos, sendo estes favoráveis a saúde e qualidade de vida dos mesmos, benefícios que são atribuídos ao ganho de massa muscular e força.

DOI: 10.36692/v13n3-06R


Palavras-chave


Idosos; hipertensão arterial (HA); musculação.

Referências


Fechine BRA, Trompieri N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. InterSciencePlace. 2015;1(20).

Mion Jr D, Pierin A, Krasilcic S, Matavelli LC, Santello JL. Diagnóstico da hipertensão arterial. Medicina (Ribeirão Preto). 1996;29(2/3):193-8.

Miranda RD, Perrotti TC, Bellinazzi VR, Nóbrega TM, Cendoroglo MS, Toniolo Neto J. Hipertensão arterial no idoso: peculiaridades na fisiopatologia, no diagnóstico e no tratamento. Rev Bras Hipertens. 2002;9(3):293-300.

Dutton KR, Laura RS. Towards a history of bodybuilding. Sporting traditions. 1989;6(1):25-41.

Chapman DL. Sandow the magnificent: Eugen Sandow and the beginnings of bodybuilding: University of Illinois Press; 1994.

Hammerschimdt MEC, Lima VAd, Souza WCd, Mascarenhas LPG, Grzelczak MT, Prado CV. Motivação para a Prática de Musculação de Aderentes de Academia. CPAQV. 2017;9(1).

Pereira PM, Landim KSD, Martins DP, de Faria Chimello M, Santos JLS, Kutz NA. Estilo de vida, adesão medicamentosa e não medicamentosa em hipertensos: uma revisão. Lecturas: Educación Física y Deportes. 2020;25(268).

Marchetti PH, Lopes C. Treinamento Personalizado: do Iniciante ao Avançado. 2 ed. São Paulo2018.

Queiroz MG, de Aquino MLA, Brito ADL, Medeiros CCM, da Silva Simões MO, Teixeira A, et al. Hipertensão arterial no idoso-doença prevalente nesta população: uma revisão integrativa/Arterial hypertension in the elderly-prevalent disease in this population: an integrative review. Brazilian Journal of Development. 2020;6(4):22590-8.

Vidor AC, Conceição MBM, Luhm KR, Alves MdFT, Arceno A, França EB, et al. Qualidade dos dados de causas de morte no Sul do Brasil: a importância das causas garbage. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2019;22:e19003. supl. 3.

Brasil. Hipertensão (pressão alta): o que é, causas, sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção 2020 [Available from: http://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/hipertensao.

Marques AP, Szwarcwald CL, Pires DC, Rodrigues JM, Almeida WdSd, Romero D. Fatores associados à hipertensão arterial: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva. 2020;25:2271-82.

Bezerra FC, Almeida MId, Nóbrega-Therrien SM. Estudos sobre envelhecimento no Brasil: revisão bibliográfica. Revista brasileira de geriatria e gerontologia. 2012;15(1):155-67.

Baptista RR, Vaz MA. Arquitetura muscular e envelhecimento: adaptação funcional e aspectos clínicos; revisão da literatura. Fisioterapia e Pesquisa. 2009;16(4):368-73.

Alves JED. Envelhecimento populacional no Brasil e no mundo. Revista Longeviver. 2019.

Schneider RH, Irigaray TQ. O envelhecimento na atualidade: aspectos cronológicos, biológicos, psicológicos e sociais. Estudos de Psicologia (Campinas). 2008;25(4):585-93.

Santos JCdS, de Queiroz Pedroso CAM, Silva TCdA. Efeitos Agudos do Exercício Resistido na Pressão Arterial de Idosos Hipertensos: Um Estudo de Revisão. REVISTA DE TRABALHOS ACADÊMICOS-UNIVERSO RECIFE. 2019;5(2).

Medeiros RdS, Souza FDd, Oliveira GAd. Efeitos e benefícios da musculação para o idoso. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento ISSN. 2019;9(3).

Diniz JdS. Fatores de risco para diminuição da força muscular em idosos longevos ambulatoriais do Distrito Federal. 2020.

Silva FDd. Benefícios da musculação na terceira idade. 2020.

Gurgel JVA. Efeitos do exercício físico em idosos praticantes de musculação 2020.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.