INFLUÊNCIA DO LIAN GONG NA FLEXIBILIDADE DE IDOSOS COM DISFUNÇÕES TRAUMATO-ORTOPÉDICAS

Caroline Prudente Dias, Marta Caroline Araújo da Paixão, Alexsander Lucas Gomes Soares, Hélade Beatriz Farias Figueiredo, Ana Caroline dos Santos Barbosa, Laís Socorro Barros da Silva, Emilly de Cássia Mendonça da Silva, Lissa Karine dos Santos Feijó, Luane Caroline Paes Pinheiro, Angélica Homobono Nobre

Resumo


Objetivo: Analisar a flexibilidade de idosos com disfunções traumato-ortopédicas submetidos ao protocolo de Lian Gong. Métodos: Estudo de corte transversal, com abordagem descritiva e quantitativa. A amostra foi composta por 17, entre 60 e 77 anos de idade, de ambos os sexos, com disfunções ortopédicas que geravam dor na coluna vertebral. A avaliação da flexibilidade da cadeia posterior foi realizada com o auxílio do banco de Wells. Quanto ao protocolo, o método Lian Gong foi aplicado duas vezes por semana durante 12 sessões, composto por três séries de seis exercícios, totalizando 18 exercícios da primeira série. Adotou-se o software Excel® 2010 para entrada dos dados e confecção das tabelas, bem como o BioEstat 5.0 para análise estatística. Resultados: O estudo caracterizou-se pela predominância de indivíduos do sexo feminino, viúvos, de etnia parda, com queixa principal de lombalgia e a média de idade foi de 66,3 anos. Os dados relacionados à flexibilidade, obtidos por meio do Banco de Wells demostrou que todos os participantes obtiveram ganho de amplitude, com resultados estatisticamente significantes, sendo o feminino (p=0,00013), masculino (0,009) e o total (=0,0001). Conclusão: A pesquisa demonstrou que a prática de Lian Gong promove o incremento da flexibilidade em idosos com disfunções traumato-ortopédicas.

DOI: 10.36692/v13n3-8


Palavras-chave


Medicina Tradicional Chinesa; Fisioterapia; Flexibilidade; Traumatologia; Idoso.

Referências


Fonseca R. Prevenção de quedas nos idoso: adesão na atenção primária. Dissertação de Mestrado. Ribeirão Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2018.

Fechine B, Trompieri N. O processo de envelhecimento: as principais alterações que acontecem com o idoso com o passar dos anos. InterSciencePlace. 2015;1(20).

Domaradzki J, Koziel S, Ignasiak Z, Sławińska T, Skrzek Um Kołodziej M .The Risk for Fall and Functional Dependence in Polish Adults 60–87 Years Old. Coll Antropol. 2017;41(1):81-7.

Cardoso V, Pizzol R, Takamoto P, Gobbo L, Almeida A. Asociación del diagnóstico clínico con situación laboral de usuarios de servicio de fisioterapia. Fisioterapia e Pesquisa. 2017; 24(2): 169-175.

Lima R, Lima W. Comparação da força e flexibilidade para membros inferiores em homens e mulheres de acordo com os valores considerados como saudáveis. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2017;11:196-208.

Coutinho F, Lima A. Avaliação da qualidade de vida, do sono e da flexibilidade em idosos após Lian Gong. Revista Interdisciplinar. 2019;12(1):1-7.

Moreira D. Fisioterapia: uma ciência baseada em evidências. Fisioter. mov. 2017;30(1).

Galvanese A, Barros N, D’oliveira A. Contribuições e desafios das práticas corporais e meditativas à promoção da saúde na rede pública de atenção primária do Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2017;33(12).

Bobbo V, Trevisan D, Amaral M, Silva E. Saúde, dor e atividades de vida diária entre idosos praticantes de Lian Gong e sedentários. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(4):1151-1158.

Randow R, Mendes N, Silva L, Abreu M, Campos K, Guerra V. Lian Gong em 18 terapias como estratégia de promoção da saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2017; 30(4).

Wells K, Dillon E. The sit and reach: a test of back and leg flexibility. Res Quart. 1952; 23(1):115-8.

Leite M, Neves C, Paula Junior A, Osório R, Machado C. Efeitos do Método Pilates sobre a variabilidade da frequência cardíaca, flexibilidade e variáveis antropométricas em indivíduos sedentários. Fisioterapia Brasil. 2016;17(1).

Moreira M, Dias F, Silva A, Souza A, Beserra L, Abreu J, et al. Lian Gong em 18 terapias: uma proposta para prevenir os transtornos traumáticos cumulativos. Enfermagem em Foco. 2013;4(1):33-36.

Nogueira A, Costa B, Arruda E, Leite M, Sousa Cristiane S. Principais Distúrbios Traumato-Ortopédicos Atendidos Em Clínicas-Escola De Fisioterapia. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente. 2016;7(2):33-44.

Germain C, Batsis J, Vasquez E, McQuoid D. Muscle strength, physical activity, and functional limitations in older adults with central obesity. Journal of Aging Research. 2016.

Zambon T, Gonelli P, Gonçalves R, Borges B, Montebelo M, Cesar M. Análise comparativa da flexibilidade de mulheres idosas ativas e não ativas. Acta fisiátrica. 2015;22(1).

Leopoldino A, Diz J, Martins V, Henschke N, Pereira L, Dias R et al. (2016). Prevalência de lombalgia na população idosa brasileira: revisão sistemática com metanálise. Revista Brasileira de Reumatologia. 2016; 56(3): 258-269.

Andrade L, Teixeira A, Carlos P. Relação entre a flexibilidade e a força entre praticantes de crossfit. Motri. 2018;14(1):279-283.

Silva J, Guedes R. Efeitos de um programa de ginástica orientada sobre os níveis de flexibilidade de idosos. Revista Saúde e Pesquisa. 2015;8(3):541-548.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.