PRESENÇA DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM ACADEMIAS AO AR LIVRE FREQUENTADAS NA TERCEIRA IDADE

Shirley Aparecida V. Santana, Anderson dos Santos Carvalho, Altair Moioli, Ana Claudia Rossini Venturini, Jair Rodrigues Garcia Júnior, Rafael Gavassa de Araújo, Hugo Celso Forti, Gabriela Blasquez Shigaki, Luis Benavides Roca, Guanis de Barros Vilela Junior, Pedro Pugliesi Abdalla

Resumo


A proposta das academias de todas as idades (ATIs) é proporcionar melhor qualidade de vida, saúde e lazer aos usuários de forma gratuita e um melhor convívio social. Objetivo: Verificar as características das ATIs de São José do Rio Preto – SP e verificar na literatura como a ausência de Profissionais de Educação Física nas ATIs impacta na utilização dos aparelhos pelos idosos. Métodos: Um questionário aberto direcionado ao Secretário Municipal de Esportes e Lazer foi respondido para contemplar as características das ATIs da cidade. Uma revisão bibliográfica foi realizada para verificar o impacto da ausência nas ATIs de Profissionais de Educação Física na utilização dos aparelhos pelos idoso. Resultados: Somente quatro de 106 ATIs da cidade de São José do Rio Preto possuem supervisão de Profissionais de Educação Física. A falta de Profissionais de Educação Física nas ATIs é uma reclamação frequente, pois alguns exercícios têm complexidade em sua execução, uma vez que os aparelhos não apresentam regulagem para tamanhos corporais distintos. Conclusão: É necessário ampliar a cobertura de supervisão das ATIs por Profissionais de Educação Física, uma vez que o público de maior frequência nesses espaços são os idosos, faixa etária de maior prevalência de condições especiais e necessidade de supervisão constante.

DOI: 10.36692/v13n3-6


Palavras-chave


Academia a Céu Aberto. Políticas Públicas. Idosos. Prevenção de Lesões.

Referências


S NR, FERNANDES VLDC. O Espaço Saúde E Lazer: A Academia Ao Ar Livre Em Questão. UEPA. 2013.

OLIVEIRA STD. Recomendações Para Ampliação Da Usabilidade Das Academias Públicas Para Usuários Cegos E Com Baixa Visão. Mestrado em Design: Universidade Federal do Paraná; 2014.

SUN A. Projeto da Praça: Convívio e exclusão no espaço público. Editora SENAC: São Paulo; 2011.

HIGO M, KHAN HT. Global population aging: Unequal distribution of risks in later life between developed and developing countries. Global Social Policy. 2015;15(2):146-66.

OMS. 10 facts on ageing and the life course. 2014.

IBGE. População e Domicílios em grade estatística. 2010.

CONFEF. Academias ao ar livre: Faltam profissionais de Educação Física. Revista Educação Física. 2014;54:14-5.

OMS. Global recommendations on physical activity for health. 2010.

CURIMBALA RG, CARIZIO BG, ARAUJO AF, JUNIOR GB, RODRIGUES ST, PASCHOARELLI LC. A Percepção de Conforto e Dificuldades na Usabilidade de Aparelhos de Academia ao Ar Livre por Usuários da Terceira Idade. In 17º Congresso Brasileiro de Ergonomia - ABERGO 2014.

SILVA ATD, FERMINO RC, ALBERICO COR, R. S. Fatores associados à ocorrência de lesões durante a prática de atividade física em academias ao ar livre. Revista Brasileira Medicina do Esporte. 2016;22(4):268-9.

OLIVEIRA PMD, GHAMOUM AK. A importância do profissional de educação física na orientação dos exercícios e prevenção de lesões em academias ao ar livre. Revista Vita et Sanitas da Faculdade União de Goyazes, Trindade (GO). 2017;11(2):94-104.

MORAES ADJP, FARINA ECR, MELLER AA, FARINA ME, MELLER CW, ARAUJO LCG. O contexto das academias ao ar livre e atenção quanto ao risco a saúde pelo auto exercício. UNIVALI Educação, Saúde e meio ambiente. 2017:83.

PEREIRA LC. Manual de orientação para idosos na utilização de academia da terceira idade- ATI. Londrina: Universidade Norte do Paraná; 2017.

PINHEIRO WL, COELHO F JM. Perfil dos idosos usuários das academias ao ar livre para a terceira idade. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2017;30(1):93-101.

MARCELLINO NC. Estudos do lazer: uma introdução. Campinas: Coleção Educação Física e Esporte; 1996.

VERÍSSIMO LCG. O processo de construção em rede de políticas públicas na perspectiva da promoção da saúde: a experiência do município de Maringá-PR [Mestrado]. Campinas: Universidade Estadual de Campinas; 2011.

CONFEF. Educação física e a terceira idade, Segundo o IBGE, a população brasileira está envelhecendo. O que isso impacta na atuação do Profissional de Educação Física? . Revista Educação Física. 2011;39.

CASTAÑON JAB, PAIVA CdR, FONSECA KM, CARNEIRO RS. Academias ao Ar Livre: uma análise dos espaços públicos. 1º Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada 2016;3(3):126-37.

NETTO AV, GENNARI CS, GOBBI S. Fragmentos históricos da regulamentação da profissão de Educação Física e da criação e desenvolvimento do CREF4/SP. Malorgio Studio. 2019:83.

ALLEN SM. Espaços e Equipamentos Públicos de Esporte e Lazer em Praia Grande/SP: Um Olhar sobre a Democratização. . LICERE - Revista do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Estudos do Lazer. 2012;15(1):2.

BLÜHER M. Obesity: global epidemiology and pathogenesis. Nature Reviews Endocrinology. 2019;15(5):288-98.

LUQUE GT, GARCÍA-MARTOS M, GUTIÉRREZ CV, VALLEJO NG. Papel del ejercicio físico en la prevención y tratamiento de la obesidad en adultos. Retos: nuevas tendencias en educación física, deporte y recreación. 2010;1(18):47-51.

KOPILER DA. Atividade física na terceira idade. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 1997;3(4):108-12.

CEDI. Legislação informatizada- LEI Nº 9.696, DE 1º DE SETEMBRO DE 1998. Regulamentação da profissão de educação física e cria os respectivos Conselho Federal e Conselhos Regionais de Educação Física 2020. Available from: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1998/lei-9696-1-setembro-1998-374623-publicacaooriginal-1-pl.html.

BARBANTI VJ. Teoria e prática do treinamento esportivo. São Paulo: Blucher; 2017.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.