A PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIO FÍSICO NO CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL

Amanda Signorini Godinho, Mariana Pardinho Lacerda, Pedro Pugliesi Abdalla, Luis Benavides Roca, Jair Rodrigues Garcia Júnior, Rafael Gavassa de Araújo, Nandhara Gabriela Ferreira Silva, Nicolli Ruiz Pedro Moretti, Leonardo Santos Lopes da Silva, André Luís Borges da Silva Abreu, Claudia Regina Santa Rosa, Anderson dos Santos Carvalho

Resumo


O objetivo deste estudo foi revisar e analisar os benefícios da prática do exercício físico de forma regular para pessoas com hipertensão arterial. Métodos: O presente estudo foi realizado a partir de uma revisão narrativa envolvendo buscas nas bases de dados SciELO e Google Acadêmico, no idioma português com as palavras chave: prática regular de exercício físico, controle da hipertensão arterial. Resultados: Foram identificados impactos positivos da prática regular de exercício físico na melhora de variáveis relacionadas a hipertensão arterial sistêmica e controle de doenças, além de auxiliar na manutenção do peso corporal, melhorar o sono e a qualidade de vida. O volume de treino em minutos (duração da sessão [min] x frequência semanal x duração do treino em semanas) tem associação moderada com a redução percentual da pressão arterial sistólica (r=0,53; p<0,05) e baixa com a redução percentual da pressão arterial diastólica (r=0,33; p<0,05). Conclusão: O exercício físico, principalmente quando praticado de forma regular, tem papel essencial não somente no tratamento não medicamentoso para controle da hipertensão arterial, mas também na manutenção da qualidade de vida dos indivíduos. O volume de treino é uma variável influente na magnitude das reduções dos indicadores de hipertensão.

DOI: 10.36692/v13n3-05R


Palavras-chave


Atividade Física. Doença Crônica. Obesidade. Sedentarismo. Pressão Arterial.

Referências


Morais SRd, Bezerra IN, Souza AdM, Vergara CMAC, Sichieri R. Alimentação fora de casa e biomarcadores de doenças crônicas em adolescentes brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. 2021;37(1):1-14.

Carvalho AS, Abdalla PP, Júnior JRG, Venturini ACR, Vilela Junior GB. Atividade física e seus diferentes métodos de análise: uma revisão narrativa. Centro de pesquisa avançada em qualidade de vida CPAQV. 2021;13(1):1-11.

Castilho I. Hipertensão é diagnosticada em 24,7% da população, segundo a pesquisa Vigitel: . ; 2019 [cited 2019].

Souza CP, Valentim MCP, Ferreira AD, Abdalla PP, Silva LSL, Carvalho AS, et al. Prevalência de doenças crônicas não transmissíveis, hábitos alimentares e de atividade física numa estratégia de saúde da família de presidente prudente – SP. Conscientiae Saúde. 2020;19(1):1-15.

Krummel D. Terapia Nutricional na Hipertensão In: Mahan LK, Escott-Stump S. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. . Campinas: Papirus; 2005.

Carvalho AS, Abdalla PP, Bueno Júnior CR. Atuação do profissional de educação física no sistema único de saúde: revisão sistemática. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2017;30(3):1-11.

Veloza L, Jiméneza C, Quiñonesa D, Polanía F, Pachón-Valero LC, Rodríguez-Triviño CY. Variabilidad de la frecuencia cardiaca como factor predictor de las enfermedades cardiovascularesHeart rate variability as a predictive factor of cardiovascular diseases. Revista Colombiana de Cardiología. 2019;26(4):205-10.

Carvalho AS, Alves TC, Abdalla PP, Venturini ACR, Leites PDL, Machado DRL. Composição corporal funcional: breve revisão. Caderno de Educação Física e Esporte. 2018;16(1):1-12.

Matavelli IS, Judice ELD, Matavelli R, Hunger MS, Martelli A. Hipertensão Arterial Sistêmica e a Prática Regular de Exercícios Físicos como Forma de Controle: Revisão de Literatura. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2014;18(4):359-66.

Cruz MRA, Lima ENS, Santos NVP, Linhares NP, Lima AGT. O papel das intervenções não farmacológicas para controle da hipertensão arterial: revisão integrativa. Brazilian Journal of Development. 2021;7(3):29330-44.

Matos JS. Perceção de efeitos adversos por doentes hipertensos e sua relação com não adesão voluntária à terapêutica. Coimbra Portugal: Universidade de Coimbra; 2020.

Bündchen DC, Schenkel IdC, Santos RZd, Carvalho Td. Exercício físico controla pressão arterial e melhora qualidade de vida. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2013;19(2):91-5.

Tanaka H, Junior DRB, Howley ET, Thompson DL, Ashraf M, Rawson FL. Swimming training lowers the resting blood pressure in individuals with hypertension. Journal of Hypertension. 1997;15(6):651-7.

Arca EA, Fiorelli A, Rodrigues AC. Efeitos da hidrocinesioterapia na pressão arterial e nas medidas antropométricas em mulheres hipertensas. Revsita Brasileira de Fisioterapia. 2004;8(3):279-83.

Ciolac EG, Guimarães GV. Exercício físico e síndrome metabólica. Revista Brasileira Medicina do Esporte. 2004;10(4):319-24.

Cox KL, Burke V, Beilin JL, Grove RJ, Blanksby BA, Puddey IB. Blood pressure rise with swimming versus walking in older women: the Sedentary Women Exercise Adherence Trial 2 (SWEAT 2). Journal of Hypertension. 2006;24(2):307-14.

Simões RA, Horii L, Carraro R, Simões R, Cesar MdC, Montebello MIdL. Efeitos do treinamento de hidroginástica na aptidão cardiorrespiratória e nas variáveis hemodinâmicas de mulheres hipertensas. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2007;12(1):1-7.

Piazza L, Menta MR, Castoldi C, Reolão JBC, Schmidt R, Calegari L. Efeitos de exercícios aquáticos sobre a aptidão cardiorrespiratória e a pressão arterial em hipertensas. Fisioterapia e Pesquisa. 2008;15(3):285-91.

Gimenes RO, Carvalho NTPd, Farelli BC, Mello TWPd. Impacto da Fisioterapia Aquática na Pressão arterial de Idosos. O Mundo da Saúde São Paulo. 2008;32(2):170-5.

Chen H-h, Chen Y-L, Huang C-Y, Lee S, Chen S, Kuo C-H. Effects of one-year swimming training on blood pressure and insulin sensitivity in mild hypertensive young patients. The Chinese journal of physiology. 2010;53(3):185-9.

Guedes NG, Lopes MVdO. Exercício físico em portadores de hipertensão arterial: uma análise conceitual. Revista Gaucha de Enfermagem. 2010;31(2):367-74.

Farahani AV, Mansournia M-A, Asheri H, Fotouhi A, Yunesian M, Jamali M, et al. The effects of a 10-week water aerobic exercise on the resting blood pressure in patients with essential hypertension. Asian Journal of Sports Medicine 2010;1(3):159-67.

Nualnim N, Parkhurst K, Dhindsa M, TakashiTarumi, Vavrek J, Tanaka H. Effects of swimming training on blood pressure and vascular function in adults >50 years of age. The American Journal of Cardiology. 2012;109(7):1005-10.

Santos NS, Costa RFd, Kruel LFM. Efeitos de exercícios aeróbicos aquáticos sobre a pressão arterial em adultos hipertensos: revisão sistemática. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2014;19(5):548-58.

Zaar A, Reis VM, Sbardelotto ML. Efeitos de um programa de exercícios físicos sobre a pressão arterial e medidas antropométricas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2014;20(1):13-6.

Guimaraes GV, Cruz LGdB, Fernandes-Silva MM, Dorea EL, Bocchi EA. Heated water-based exercise training reduces 24-hour ambulatory blood pressure levels in resistent hypertensive patients: A randomized controlled trial (HEx trial). International Journal of Cardiology. 2014;172(2):434-41.

Felício IM, Diniz AFA, Junior EBA, Dantas DS, Barros DdS, Batista PdN, et al. Atividade física no equilíbrio metabólico da hipertensão arterialBiofarm. 2017;13(2):39-43.

Miranda ÉÁ, Ferreira AM, Montserrat PM, Oliveira GHMd. Efeitos de um programa de exercício físico ao ar livre em diabéticos e hipertensos atendidos em um núcleo de apoio à saúde da família de lagoa da prata-MG. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2017;11(65):164-72.

Hortencio MNdS, Silva JKS, Zonta MA, Melo CPAd, França CN. Efeitos de exercícios físicos sobre fatores de risco cardiovascular em idosos hipertensos. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. 2018;31(2):1-9.

Damázio LCM, Filho GRdS, Pereira ACdL, Leão TLdO, Ferreira LC, Mourão FN. Os efeitos de um programa de atividade física na pressão arterial e frequência cardíaca de pacientes hipertensos e deficientes físicos. Revista de Atenção à Saúde. 2019;17(59):81-7.

Lima MF. Análise dos efeitos do exercício físico aplicado aos pacientes com hipertensão arterial sistêmica e diabetes de mellitus assistidos pela equipe de estratégia saúde e família da cidade de Paracatu-MG. Humanidades & tecnologia. 2019;16(1):474-93.

Cassiano AdN, Silva TSd, Nascimento CQd, Wanderley EM, Prado ES, Santos TMdM, et al. Efeitos do exercício físico sobre o risco cardiovascular e qualidade de vida em idosos hipertensos. Ciência & Saúde Coletiva. 2020;25(6):2203-12.

Vargas EVM, - FCC, Pinto VS, Gomes DV. Efeito agudo dos exercícios resistidos e exercícios aeróbicos sobre a pressão arterial de homens hipertensos leves. Ponteditora. 2020;2(1):57-70.

Deus LA, Simões HG, Neves RVP, Souza MK, Moraes MR, Navarro F, et al. Associação entre a variabilidade da frequência cardíaca e o estresse oxidativo: o papel do exercício. Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício. 2017;11(66):366-76.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.