OS IMPACTOS DA COVID-19 NA MANUTENÇÃO DA SAÚDE DOS PACIENTES HIPERDIA: O QUE OS PROFISSIONAIS RELATAM?

Beatriz de Freitas Pinto, Débora Alves da Silva, Kleysla Kawny de Aquino Lima, Laís Ohana Mendes Nunes Carvalho, Lineker Souza do Amaral, Luara Silva navarro Hurtado, Lucielly Brigida Matos de Carvalho, Renata França Ferreira, Thaylah Thayny Moreira Turci, Luís Felipe Silio, Arlindo Gonzaga Branco Junior

Resumo


Devido ao panorama da propagação do novo Coronavírus e tento em vista a importância de diversos serviços de saúde na manutenção do cuidado de pacientes com doenças crônicas não transmissíveis, este artigo tem como objetivo descrever a fala de profissionais de saúde de uma unidade de saúde escola sobre a assistência e manutenção da saúde de usuários com diagnostico de Hipertensão arterial sistêmica e Diabetes mellitus no período pandêmico. Foi realizado uma pesquisa descritiva em uma unidade de saúde escola de Rondônia entrevistando 8 profissionais de saúde o qual destacam que a manutenção do cuidado foi afetada em decorrência ao isolamento social no período da pandemia do Covid 19. Todos destacam que é importante praticas de educação permanente para que possam ser discutido temas para melhor abordar essa população.

DOI: 10.36692/v13n3-3


Palavras-chave


COVID 19. Assistência a saúde. Hipertensão arterial sistêmica. Diabetes Mellitus.

Referências


World Health Organization. Preventing chronic diseases: a vital investment. Geneva: World Health Organization, 2005.

World Health Organization. Noncommunicable Diseases Progress Monitor 2020. Genebra: World Health Organization; 2020.

RONDÔNIA (Estado). Decreto n° 24.871, de 16 de março de 2020. Decreta situação de emergência no âmbito da Saúde Pública do Estado e dispõe sobre medidas temporárias de prevenção ao contágio e enfrentamento da propagação do COVID-19. Diário Oficial do Estado de Rondônia n° 49. Disponível em: https://data.portal.sistemas.ro.gov.br/2020/03/decreton%- C3%BAmero-24.871-covid-19.pdf. Acesso em 21 de Agosto de 2021.

BRASIL. MINISTERIO DA SAUDE. Hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus: protocolo. Brasil. Ministério da Saúde, 2001.

GALVÃO, R.; KOHLMANN J.R.O. Hipertensão arterial no paciente obeso. Rev Bras Hipertens, v. 9, n. 3, p. 262-7, 2002.

MORETTI, A.C. et al. Práticas corporais/atividade física e políticas públicas de promoção da saúde. Saúde e Sociedade, v. 18, p. 346-354, 2009.

AMOEDO C.; PASSARELLI JUNIOR, O.; BORELLI, F.A.O.; SOUZA, M.G. Tratamento não medicamentoso da hipertensão arterial. In: Nobre F, Serrano Junior CV, organizador. Tratado de cardiologia SOCESP. São Paulo (SP): Manole; 2005. p.453-63.

BORGES, K.N.G. et al. O impacto da pandemia de COVID-19 em indivíduos com doenças crônicas e a sua correlação com o acesso a serviços de saúde. REVISTA CIENTÍFICA DA ESCOLA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA DE GOIÁS” CÂNDIDO SANTIAGO”, v. 6, n. 3, p. e6000013-e6000013, 2020.

MALFATTI, C.R.M.; ASSUNÇÃO, A.R. Hipertensão arterial e diabetes na Estratégia de Saúde da Família: uma análise da frequência de acompanhamento pelas equipes de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, p. 1383-1388, 2011.

McNair RP. The case for educating health care students in professionalism as the core content of interprofessional education. Med Educ. 2005 May;39(5):456-64. doi: 10.1111/j.1365-2929.2005.02116.x. PMID: 15842679.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.