DIFICULTADORES DO TRABALHO DE UMA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO SETOR DE CUIDADOS PROLONGADOS E PALIATIVOS

Letícia Sousa Jardim, Rebecca Blenda Lemos Marcondes Calil, Gabriel Vinícius Reis de Queiroz, Bruno Gonçalves da Silva, Alessandra Silva Lima Jardim, Bárbara Sgarbi Morgan Fernandes

Resumo


Aprestação de cuidados cotidianos somado à ruptura paradigmática no que tange a meta não curativa do tratamento e ainda as vivencias emocionais e espirituais do processo de terminalidade podem influenciar a saúde do profissional de enfermagem bem como de seu serviço prestado. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi compreender os fatores dificultadores do processo de trabalho em um setor de cuidados prolongados e paliativos. Trata-se de um estudo qualitativo, descritivo e exploratório, realizado com 12 profissionais da equipe de enfermagem de um setor de cuidados prolongados. Para a coleta de informações, utilizou-se entrevistas gravadas e os dados foram analisados por meio da Análise de Conteúdo. Os principais dificultadores para a prestação de cuidados apresentados pela equipe de enfermagem foram relacionadas à dimensão emocional, à gestão do tempo e às condições de trabalho. O enfrentamento eficaz do processo de morte pelos profissionais deve ser trabalhado pelas organizações de saúde, de forma que a educação permanente minimize a ocorrência de doenças ocupacionais. A gestão do tempo relacionada às demandas familiares pode ser aprimorada por meio da comunicação efetiva. Ademais, o uso de escalas de classificação do grau de dependência dos pacientes impacta na sobrecarga da equipe, o que otimiza o processo de gestão da unidade.

DOI: 10.36692/v13n3-04R


Palavras-chave


Cuidados Paliativos; Equipe de enfermagem; Estratégias de Enfrentamento.

Referências


IAHPC. Global Consensus based palliative care definition. (2018).Houston, TX: The International Association for Hospice and Palliative Care. Retrieved from https://hospicecare.com/what-we-do/projects/consensus-based-definition-of-palliative-care/definition/

Rubio AV, Jussara LS. Cuidados paliativos: pediátrico e perinatal. Rio de Janeiro (RJ): Atheneu; 2019.

Fuly PSC, Pires LMV, Souza CQS, Oliveira BGRB, Padilha KG. Carga de trabalho de enfermagem de pacientes oncológicos sob cuidados paliativos. Rev. Esc. Enferm. USP [Internet]. 2016 Oct [cited 2019 June 03];50(5):792-799. Available from:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342016000500792&lng=en

Junior SVS, Silva TN, Freire MEM, Santos LBP. Cuidados paliativos à pessoa idosa hospitalizada: discursos de enfermeiros assistenciais. Revista Enfermagem Atual In Derme, 87(8) abr.,2019.

Verri ER, Bitencourt NAS, Oliveira JAS, Júnior RS, Marques HS, MA Porto, SG Rodrigues. Profissionais de enfermagem: Compreensão sobre cuidados paliativos pediátricos. Rev enferm UFPE on line., Recife, 2019. 13(1):126-36.

Minayo MC. Apresentação. In R. Gomes, Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo (SP): Instituto Sírio Libanes; 2014.

Fontanella BJB, Luchesi BM, Saidel MGB, Ricas J, Turato ER, Melo DG. Amostragem em pesquisas qualitativas: proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2011 Feb [cited 2019 Jul 03];27(2):388-394. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2011000200020&lng=en.

Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo(SP): Edições 70, 2011.

Machado MH, Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm. foco (Brasília). [Internet] 2015 Nov [citado 2019 Jul 03];6(1/4) 9 11-17. Disponível em: http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/Caracter%C3%ADsticas-gerais-da-enfermagem-o-perfil-s%C3%B3cio-demogr%C3%A1fico.pdf

Ferreira CRC, Leitão DS. A inteligência emocional da equipe de enfermagem de um hospital em Salvador. Revista Eletrônica de Iniciação Científica – RIC Cairu [Internet] 2017 Jan [citado 2019 Jul 03];3(1) 109-126. Disponível em: https://www.cairu.br/riccairu/pdf/artigos/3/08_INTELIGENCIA_EMOCIONAL.pdf.

Costa EKC, Silva SB, Silva JB. O impacto do estresse na assistência do enfermeiro ao paciente terminal - revisão literária. Revista de Iniciação Científica e Extensão [Internet] 2019 Nov-Dez [citado 2019 Jul 03];2(1) 51-56 https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacao-cientifica/article/view/142/97

Amorim FTB, Alves JL, Costa BGS, Holanda MA, Silva TM. A inclusão dos cuidados paliativos no processo de formação de enfermeiros: revisão integrativa. Gep News [Internet] 2018 Jan-Mar [citado 2019 Jul 03];1(1) 49-55. Disponível em: http://www.seer.ufal.br/index.php/gepnews/article/view/4683.

Sartori, AV; Battistel, ALHT. A abordagem da morte na formação de profissionais e acadêmicos da enfermagem, medicina e terapia ocupacional. Cad. Bras. Ter. Ocup., São Carlos; 25(3), 497-508, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.4322/2526-8910.ctoAO0770.

Hott, MCM; Reinaldo, AMS. O processo de morte e morrer: educação da enfermagem na escola e em serviço. Rev. HISTEDBR On-line, Campinas, 20: e020055, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8656918. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8656918/23128

Santos NAR, Santos J, Silva VR, Passos JP. Estresse ocupacional na assistência de cuidados paliativos em oncologia. Cogitare enferm. 2017 Dez; 22(4).

Bernardes, JF; Nolasco, FF; Jardim, ASL; Cunha, GR; Takeshita, IM; Barroso, RAA. El acompañante del paciente oncológico en fase terminal: percepción del técnico de enfermería. Avances en Enfermería. 2019; 37(1): 27-. Disponível em: http://ciberindex.com/c/rae/371027ae

Amaral LFP, Calegari T. Humanização da assistência de enfermagem à família na unidade de terapia intensiva pediátrica. Cogitare enferm. [Internet] 2016 Set [citado 2019 Jul 03];21(3) 1-9. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=483653826010

Santos CE, Klug D, Campos L, Losekann MV, Nunes TS, Cruz RP. Análise da escala de perroca em unidade de cuidados paliativos. Rev. Esc. Enferm. USP. [Internet]. 2018 Mai [acesso em 2019 Jun 03]; 52: e03305. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342018000100412&lng=en.

Pereira SS, Teixeira CAB, Reisdorfer E, Vieira MV, Gherardi-Donato ECS, Cardoso L. Relação entre estressores ocupacionais e estratégias de enfrentamento em profissionais de nível técnico de enfermagem. Texto & Contexto enferm. [Internet] 2016 [citado 2019 Jul 03]; 25(4):1-8. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71447791031.

Santana NA, Nascimento IM, Araujo JC, Santos L, Melo IA. Dimensionamento do pessoal de enfermagem: implicações no cuidado seguro. International Nursing Congress: Theme: Good practices of nursing representations In the construction of society. [Internet] 2017 Mai [citado 2019 Jul 03];1(1) 1-3. Disponível em: https://eventos.set.edu.br/index.php/cie/article/view/5566/2365.

Santos NAR, Gomes SV, Rodrigues CMA, Santos J, Passos JP. Estratégias de enfrentamento utilizadas pelos enfermeiros em cuidados paliativos oncológicos: revisão integrativa. Cogitare enferm. [Internet] 2016 Set [acesso em 2019 Jun 03];21(3):01-08. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/45063/pdf

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.