AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DO SONO, DOR, ESTRESSE E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

Gabriela Brito Marcelino, Bárbara Araújo Roriz, Paulo Adriano Schwingel, Tarcísio Fulgêncio Alves da Silva, Paula Andreatta Maduro, Fabrício Cieslak, Marco Aurélio de Valois Correia junior, Fabrício Olinda de Souza Mesquita

Resumo


O Objetivos: o presente estudo debruça-se sobre a perspectiva de compreender e descrever a qualidade do sono, dor, estresse e nível de atividade física de profissionais enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeutas empregados em um hospital universitário de atenção terciária localizado no Nordeste brasileiro. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico descritivo e analítico do tipo transversal. Foram aplicados os seguintes questionários: Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (Pittsburgh Sleep Quality Index- IQSP), Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares (Nordic Musculoskeletal Questionnaire - QNSO), Depression Anxiety and Stress Scale – Short Form (DASS-21) e Questionário Internacional de Atividade Física (International Physical Activity Questionnaire - IPAQ). Resultados: Os segmentos mais acometidos por sintomas osteomioarticulares foram as costas e a região do pescoço. Diferentemente dos plantonistas diurnos, percebe-se que 100% dos profissionais plantonistas noturnos apresentam um grau normal/mínimo de estresse. Conclusão: profissionais da área da saúde apresentam uma prevalência maior de dor musculoesquelética. As regiões anatômicas mais acometidas são o pescoço, a parte superior das costas e a parte inferior das costas. Os profissionais não apresentaram escores elevados que os caracterizem com algum transtorno do sono ou com uma qualidade de sono ruim, tendo em sua maioria uma qualidade de sono regular.

 

DOI: 10.36692/v13n2-11


Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Pessoal de Saúde; Indicadores de Qualidade de Vida; Qualidade de Vida.

Referências


MENDES SS, MARTINO MMF DE. Trabalho em turnos: estado geral de saúde relacionado ao sono em trabalhadores de enfermagem. Rev da Esc Enferm da USP. 2012;46(6):1471–6.

SOUZA HS DE, MENDES ÁN. Outsourcing and “dismantling” of steady jobs at hospitals. Rev da Esc Enferm da USP. 2016;50(2):286–94.

MARTINEZ MC, FISCHER FM. Fatores psicossociais no trabalho hospitalar: situações vivenciadas para desgaste no trabalho e desequilíbrio entre esforço e recompensa. Rev Bras Saúde Ocup. 2019;44.

MÜLLER MR, GUIMARÃES SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estud Psicol. 2007;24(4):519–28.

OLIVEIRA V, PEREIRA T. Ansiedade, depressão e burnout em enfermeiros - Impacto do trabalho por turnos. Rev Enferm Ref. 2012;III Série(no 7):43–54.

MOREIRA H DE A, SOUZA KN DE, YAMAGUCHI MU. Síndrome de Burnout em médicos: uma revisão sistemática. Rev Bras Saúde Ocup. 2018;12;43.

DE VARGAS D, PAULA A, DIAS V. Artigo Original Endereço para correspondência: Prevalência de depressão em trabalhadores de enfermagem de Unidade de Terapia Intensiva: estudo em hospitais de uma cidade do noroeste do Estado São Paulo. 2011;19(5).

ALVARES MEM, THOMAZ EBAF, LAMY ZC, NINA RV DE AH, PEREIRA MUL, GARCIA JBS. Burnout syndrome among healthcare professionals in intensive care units: a cross-sectional population-based study. Rev Bras Ter Intensiva. 2020;32(2).

VIDOTTI V, RIBEIRO RP, GALDINO MJQ, MARTINS JT. Burnout Syndrome and shift work among the nursing staff. Rev Lat Am Enfermagem. 2018 Aug 9;26.

SILVA GGJ, SOUZA MLP DE, GOULART JÚNIOR E, CANÊO LC, LUNARDELLI MCF. Considerações sobre o transtorno depressivo no trabalho. Rev Bras Saúde Ocup. 2009;34(119):79–87.

ANGELO DL, ZILBERMAN ML. O impacto de um programa de atividade física no tratamento de jogadores patológicos. Universidade de São Paulo; 2011.

FERREIRA E DA R, BESSAS JCO, ASSIS ACS DE, FONSECA IM DE CA, MARTINS CD, EZEQUIEL GLM, et al. Relação entre sintomas de depressão, índice de massa corporal e prática de atividade física dos alunos do centro universitário UNA, Belo Horizonte. Brazilian J Dev. 2020;6(9):70033–45.

PASSOS MHP, SILVA HA, PITANGUI ACR, OLIVEIRA VMA, LIMA AS, ARAÚJO RC. Reliability and validity of the Brazilian version of the Pittsburgh Sleep Quality Index in adolescents. J Pediatr (Rio J). 2017;93(2):200–6.

ARAUJO PAB DE, STIES SW, WITTKOPF PG, NETTO AS, GONZÁLES AI, LIMA DP, et al. Índice da Qualidade do Sono de Pittsburgh para uso na reabilitação cardiopulmonar e metabólica. Rev Bras Med do Esporte. 2015 Dec;21(6):472–5.

LIMA JÚNIOR JP DE, SILVA TFA DA. Analysis of musculoskeletal disorders symptoms in professors of the University of Pernambuco – Petrolina Campus. Rev Dor. 2014;15(4).

DICKINSON CE, CAMPION K, FOSTER AF, NEWMAN SJ, O’ROURKE AM, THOMAS PG. Questionnaire development: an examination of the Nordic Musculoskeletal questionnaire. Appl Ergon. 1992;23(3):197–201.

PATIAS ND, MACHADO WDL, BANDEIRA DR, DELL’AGLIO DD. Depression Anxiety and Stress Scale (DASS-21) - Short Form: Adaptação e Validação para Adolescentes Brasileiros. Psico-USF. 2016;21(3):459–69.

BENEDETTI TRB, ANTUNES P DE C, RODRIGUEZ-AÑEZ CR, MAZO GZ, PETROSKI ÉL. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med do Esporte. 2007;13(1):11–6.

COUTINHO A, BEGA A, FARIAS K, DE AZEVEDO M, MATSUDO V, REGINA DE OLIVEIRA B. Nível de atividade física e comportamento sedentário de profissionais de podologia brasileiros. Rev IBERO-AMERICANA Podol. 2020;31;2(1):152.

MACIEL JÚNIOR EG, TROMBINI-SOUZA F, MADURO PA, MESQUITA FOS, SILVA TFA DA. Self-reported musculoskeletal disorders by the nursing team in a university hospital. Brazilian J Pain. 2019;2(2).

BARBOSA REC, ASSUNÇÃO AÁ, ARAÚJO TM DE. Distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do setor saúde de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Publica. 2012;28(8):1569–80.

SANTOS EC DOS, ANDRADE RD, LOPES SGR, VALGAS C. Prevalence of musculoskeletal pain in nursing professionals working in orthopedic setting. Rev Dor. 2017;18(4).

DILÉLIO AS, FACCHINI LA, TOMASI E, SILVA SM, THUMÉ E, PICCINI RX, et al. Prevalência de transtornos psiquiátricos menores em trabalhadores da atenção primária à saúde das regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saude Publica. 2012;28(3):503–14.

GEIB LTC, CATALDO NETO A, WAINBERG R, NUNES ML. Sono e envelhecimento. Rev Psiquiatr do Rio Gd do Sul. 2003;25(3):453–65.

SILVEIRA M, CAMPONOGARA S, BECK CLC, COSTA VZ DA, DALMOLIN GL, ARBOIT ÉL. Trabalho noturno e seus significados para enfermagem de unidade de cuidados intensivos [Night work and its meanings for intensive care unit nursing] [Trabajo nocturno y sus significados para el equipo de enfermería de unidade de cuidados intensivos]. Rev Enferm UERJ. 2016;18;24(6).

SCHMIDT DRC, DANTAS RAS, MARZIALE MHP. Ansiedade e depressão entre profissionais de enfermagem que atuam em blocos cirúrgicos. Rev da Esc Enferm da USP [Internet]. 2011;45(2):487–93.

MARTINS PJF, MELLO MT DE, TUFIK S. Exercício e sono. Rev Bras Med do Esporte. 2001;7(1):28–36.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.