AVALIAÇÃO DA FRAGILIDADE E QUALIDADE DE VIDA DE IDOSAS E ANCIÃS PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO

Camila Regina Lobato Andrade, Claudio Bruno Viana Silva, Dayanne da Mota Ferreira, Ana Cristina Isackson Segtowick, Ana Júlia Cunha Brito, Moises Costa da Silva, Josiana Kely Rodrigues Moreira da Silva, George Alberto da Silva Dias, Biatriz Araújo Cardoso Dias

Resumo


Introdução: O envelhecimento no Brasil tem aumentado nos últimos anos. As mudanças que constituem e influenciam o envelhecimento são complexas, podendo tornar o idoso propenso a desenvolver a condição de fragilidade, com consequente alteração na qualidade de vida. Objetivo: Avaliar a fragilidade e qualidade de vida de idosas e anciãs ativas praticantes de exercício físico. Método. Trata-se de um estudo observacional analítico do tipo transversal, que utilizou uma amostra de 29 participantes, apresentando função cognitiva preservada. Foram avaliados a força muscular, velocidade da marcha, fadiga/exaustão, nível de atividade física e perda de peso não intencional e da qualidade de vida por meio do questionário WHOQOL-OLD. Resultado. Observou-se que 79% (23/29) das participantes da pesquisa eram idosas (60 a 74 anos) com média de idade de 65,09±4,06 anos e que 21% (06/29) eram anciãs (75 a 90 anos) com média de 79,00±1,41 anos. Nas facetas autonomia, atividade, participação social, morte, intimidade e consecutivamente na pontuação geral, as anciãs apresentaram uma tendência para melhor qualidade de vida do que as idosas, porém sem significância estatística. Houve correlação entre a qualidade de vida e a energia auto referida das idosas (p=0,02) demostrando que o nível de energia influencia na qualidade de vida, diferentemente do que observado para as anciãs. Conclusão: As idosas e anciãs não apresentaram síndrome da fragilidade e alteração na qualidade de vida.

Palavras-chave


Síndrome da fragilidade. Qualidade de vida. Idosos. Exercício.

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Envejecimiento y salud. 55ª Asamblea Mundial de la Salud. Organização Mundial de Saúde, 2002.

BRASIL. Ministério da saúde. Relatório de envelhecimento. Organização Mundial de Saúde, 2015.

TAVARES, DMS; MATIAS, TGC; FERREIRA, PCS et al. Qualidade de vida e autoestima de idosos na comunidade. Ciências & Saúde Coletiva, v.21, n.11, p.3557-3564, 2016.

MACIEL, MG. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz, Rio Claro, v.10, n.4, p.1024-1032, 2010.

MACEDO, C; GAZOLLA, JM; NAJAS, M. Síndrome da fragilidade no idoso: importância da fisioterapia. Arquivos Brasileiros de Ciências da Saúde, São Paulo, v.33, n.3, p.177-184, 2008.

MOREIRA, RM; SANTOS, CES; COUTO, ES et al. Qualidade de vida, saúde e política pública de idoso no Brasil: uma reflexão teórica. Kairós Gerontologia, v.16, n.1, p.27-38, 2013.

HERNANDEZ, SSS; COELHO, FGM; GOBBI S et al. Efeitos de um programa de atividade física nas funções cognitivas, equilíbrio e riscos de quedas em idosos com demência de Alzheimer. Rev. Bras. Fisioter., São Carlos, v.14, n.2, p.68-74, 2010.

GERALDES, AAR A força de preensão manual é boa preditora do desempenho funcional de idosos frágeis: um estudo correlacional múltiplo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v.14, n.1, p.12-16, 2008.

FRIED, LP; TANGEN CM; WALSTON J et al. Frailty in older adults: evidence for a phenotype. J Gerontol A Biol Sci Med Sci, Oxford, v.56, n.3, p.M146- 156, 2001.

ALMEIDA, OP; ALMEIDA, SA. Confiabilidade da versão brasileira da escala de depressão em geriatria (GDS) versão reduzida. Arquivos de Neuropsiquiatria, São Paulo, v.57, n.2B, p.421-426, 1999.

RETORNAZ, F; MONETTE, J; BATIST G et al. Usefulness of frailty markers in the assessment of the health and functional status of older cancer patients referred for chemotherapy: A pilot study. The Journals of Gerontology: Series A, Oxford, v.63, n.5, p.518-22, 2008.

RAUCHBACH, R; WENDLING, NMS. Evolução da construção de um instrumento de avaliação do nível de atividade física para idosos Curitibativa. FIEP Bulletin On-line., v.79, p.543-547, 2009.

FLECK, M; CHACHAMOVICH, E; TRENTINI, C. Projeto WHOQOL-OLD: método e resultados de grupos focais no Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.37, n.6, p.793-799, 2003.

MAUÉS, CR; PASCHOAL, SMP; JALUUL, O et al. Avaliação da qualidade de vida: comparação entre idosos jovens e muito idosos. Rev. Bras. Clin. Med., São Paulo, v.8, n.5, p.405-410, 2010.

NERI, AL; COSTA, TB. Medidas de atividade física e fragilidade em idosos: dados do FIBRA Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v.27, n.8, p.1537-1550, 2011.

LENARDT, MH; SOUSA, JR; CARNEIRO, NHK et al. Atividade física de idosos e fatores associados a pré-fragilidade. Acta Paul Enferm., Curitiba, v.26, n.3, p.269-75, 2013.

ALENCAR, NA; ARAGÃO, JCB; FERREIRA, MA et al. Avaliação da qualidade de vida em idosas residentes em ambientes urbano e rural. Revista Brasileira de geriatria e Gerontologia, Rio de Janeiro, v.13, n.1, p.103-109, 2010.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.