SÍNDROME DE BURNOUT E O TRABALHO DOCENTE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Priscila Stasiak, Bruno Pedroso, Miguel Archanjo de Freitas Júnior, Gonçalo Cassins Moreira do Carmo, Cristina Ide Fujinaga

Resumo


O presente estudo objetivou verificar as publicações nacionais que investigaram a Síndrome de Burnout entre professores. Para isso, as perguntas norteadoras do estudo foram: “qual a prevalência da síndrome de Burnout entre os professores brasileiros?”; e “quais são os principais fatores precipitadores da Burnout entre estes docentes?”. A revisão integrativa foi realizada com base em pesquisas nos bancos de dados Scopus e Portal de Periódicos da Capes. Dentro dos bancos de dados, foram consultados artigos publicados no período de 2014 a 2018, mediante o cruzamento das expressões: “Burnout”, “teacher”, “síndrome do esgotamento profissional”, “professor” e “docente”. Dentre os artigos encontrados, 13 deles preencheram devidamente os critérios de inclusão para o estudo. A partir disso, observou-se a presença de Burnout entre professores na maioria dos estudos analisados, indicando que estes profissionais constituem um grupo vulnerável para o desenvolvimento da síndrome. Os resultados apontam fatores relativos às condições e organização do trabalho, assim como conflitos interpessoais como fatores de risco para o processo de Burnout. Diante deste quadro, concluiu-se a necessidade de serem desenvolvidas ações voltadas à humanização da situação de trabalho que auxiliem na minimização da evolução do esgotamento profissional.

Palavras-chave


Burnout; Saúde do trabalhador; Doenças Ocupacionais; Professor; Revisão Integrativa.

Referências


(1) FREIRE, PA. A relação entre assédio moral e esgotamento mental (Síndrome de Burnout) em educadores. Acesso Livre, jan-jun. 2015; (3): 93-106.

(2) PATTO, MHS. Exercícios de indignação: escritos de educação e psicologia. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2010.

(3) DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5 ed. ampliada. São Paulo: Cortez-Oboré. 1992.

(4) CODO, W; SAMPAIO, J; HITOMI, A. Indivíduo, trabalho e sofrimento. 2 ed. Petrópolis: Vozes. 1994.

(5) ALONSO, FG. Síndrome de Burnout: manual de medidas preventivas e identificativas para aplicação pelo engenheiro de segurança do trabalho. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba. 2014.

(6) OPAS. Organização Pan-Americana da Saúde. CID: Burnout é um fenômeno ocupacional. [Internet]. 2019[acesso em 16 jun. 2019]. Disponível em:https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5949:cid-Burnout-e-um-fenomeno-ocupacional&Itemid=875.

(7) MASLACH, C; JACKSON, SE. The measurement of experienced Burnout. Journal of Occupational Behavior, Sussex, England. 1981; 2(2): 99-113.

(8) FROTA, GB; TEODÓSIO, ASS. Profissão docente, profissão decente?: estratégias de professores frente ao sofrimento no trabalho em um ambiente de inovação pedagógica. XXXVI Encontro da ANPAD. Rio de Janeiro, RJ. 22-26 set. 2012.

(9) CARLOTTO, MS; CÂMARA, SG. Riscos psicossociais associados à síndrome de Burnout em professores universitários. Av. Psicol. Latinoam., Bogotá.dez. 2017; 35(3): 447-457.

(10) BENEVIDES-PEREIRA, AMT. O Burnout docente e seu reflexo no ensino. In: CONGRESSO Nacional de Educação, Curitiba. Anais[...] Curitiba: PUCPR. 2011; 16711-16725.

(11) SOUZA, MT; SILVA, MD; CARVALHO, R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1): 102-106.

(12) ELSEVIER. Scopus. [Internet] 2019 [acesso em 29 ago. 2019]. Disponível em: https://www.elsevier.com/solutions/scopus.

(13) CAPES. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Portal de Periódicos CAPES. Acervo. [Internet] Brasília, DF. 2019 [acesso em 29 ago. 2019]. Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br/?option=com_pcollection&mn=70&smn=79&cid=37.

(14) LEIRO, J; SOUZA, HB. Artigos de periódicos científicos das áreas de informação no Brasil: evolução da produção e da autoria múltipla. VIII ENANCIB – Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Salvador, Bahia. 28-31 out. 2007.

(15) CARDOSO, HF; BAPTISTA, MN; SOUSA, DFA; GOULART JUNIOR, E. Síndrome de Burnout: análise da literatura nacional entre 2006 e 2015. Rev. Psicol., Organ. Trab. Brasília. jun. 2017; 17(2):121-128.

(16) MEDEIROS-COSTA, ME et al. A síndrome do esgotamento profissional no contexto da enfermagem: uma revisão integrativa da literatura. Rev. esc. enferm. USP. São Paulo. 2017; 51. e03235.

(17) ROLIM, CSS. Estresse e síndrome de Burnout em profissionais de enfermagem. Rev. Bras. Pesq. Saúde. Vitória. jul-set. 2013; 15(3):103-113.

(18) SOUSA, MVH. Síndrome de Burnout em profissionais da saúde: estudo bibliográfico [monografia]. Picos: Universidade Federal do Piauí; 2012.

(19) SANTOS, MN; MARQUES, AC; NUNES, IJ. Condições de saúde e trabalho de professores no ensino básico no Brasil: uma revisão. EFDesportes.com. Revista Digital. Buenos Aires. mar. 2012; 15(166).

(20) ASSUNÇÃO, AA; ABREU, MNS. Pressão laboral, saúde e condições de trabalho dos professores da Educação Básica no Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2019. [acesso em 10 maio 2021]; 35(Suppl 1): e00169517. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000505006&lng=en

(21) BONFIM, CR; SOUSA, MNA; ALMEIDA, EPO; SOUSA, JCM; MAZZARO, VDM; BRINHOL, LBV; et al. Síndrome da Estafa Profissional: explanação literária. In: SOUSA, MNA; BEZERRA, ALD; TEMOTEO, RCA; SOUSA, SG (Org.). Saúde e Bioética em Foco: Coletânea de Artigos Multitemáticos.Curitiba: Appris. 2018.

(22) GIL-MONTE, PR, CARLOTTO, MS; CÂMARA, SG. Validation of the brazilian version of the “Spanish Burnout Inventory” in teachers. Rev. Saúde Pública. 2010; 44(1): 140-147.

(23) DALCIN, L; CARLOTTO, MS. Avaliação de efeito de uma intervenção para a Síndrome de Burnout em professores. Psicol. Esc. Educ. Maringá. abr. 2018; 22(1): 141-150.

(24) SILVA, NR; BOLSONI-SILVA, AT; LOUREIRO, SR. Burnout e depressão em professores do ensino fundamental: um estudo correlacional. Rev. Bras. Educ. [Internet] Rio de Janeiro. 2018 [acesso em 10 mai. 2021]; 23. e230048. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782018000100240&lng=en&nrm=iso. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782018230048.

(25) BARBOSA, MLL; OLIVEIRA-MENEGOTTO, LM; QUARESMA DA SILVA, DR; LOPES, RS.Síndrome de Burnout em professores da rede pública de ensino no sul do Brasil. Espacios [Internet]. 2016 [acesso em 10 maio 2021]; 37(24):E-3. Disponível em: https://www.revistaespacios.com/a16v37n24/163724e3.html.

(26) CARVALHO GL; SANTOS, WL. Síndrome de Burnout em professores da facesa-faculdade de ciências educação Sena Aires. Rev. Cient. Sena Aires.jul-dez. 2016; 5(2):150-157.

(27) DUTRA, LB; AERTS, D; ALVES, GG; CÂMARA, SG. A Síndrome de Burnout em docentes do ensino superior de instituições privadas de Santarém, PA. Tempus, actas de saúde colet. Brasília. set. 2016; 10(3):115-136.

(28) SOUZA, S; SOUZA, FMT; BARBOSA, SC; LOPES, IRS; FERNANDES, DG.Síndrome de Burnout e valores humanos em professores da rede pública estadual da cidade de João Pessoa: Um estudo correlacional. Aná. Psicológica. Lisboa. jun. 2016; 34(2):119-131.

(29) DIEHL, L; CARLOTTO, MS. Síndrome de Burnout: indicadores para a construção de um diagnóstico. Psicol. clin. Rio de Janeiro. 2015; 27(2): 161-179.

(30) GIL-MONTE, PR. El síndrome de quemarse por el trabajo (Burnout): una enfermedad laboral em la sociedad del bienestar. Madrid: Pirámide; 2005.

(31) SILVA, NR; BOLSONI-SILVA, AT; RODRIGUES, OMPR; CAPELLINI, VLMF. O Trabalho do Professor, Indicadores de Burnout, Práticas Educativas e Comportamento dos Alunos: Correlação e Predição. Rev. bras. educ. espec. Marília. set. 2015; 21(3):363-376.

(32) BRAUN, AC; CARLOTTO, MS. Síndrome de Burnout: estudo comparativo entre professores do ensino especial e do ensino regular. Psicol. Esc. Educ.Maringá. jun. 2014; 18(1):125-132.

(33) DALAGASPERINA, P; MONTEIRO, JK. Preditores da síndrome de Burnout em docentes do ensino privado. Psico-USF. Itatiba. ago. 2014; 19(2):263-275.

(34) ESTEVES-FERREIRA, AA; SANTOS, DE; RIGOLON, RG. Avaliação comparativa dos sintomas da síndrome de Burnout em professores de escolas públicas e privadas. Rev. Bras. Educ. Rio de Janeiro. dez. 2014; 19(59):987-1002.

(35) SINOTT, EC; AFONSO, MR; RIBEIRO, JAB; FARIAS, GO. Síndrome de Burnout: um estudo com professores de Educação Física. Movimento. Porto Alegre. abr./jun. 2014; 20(2):519-539.

(36) SZIGETHY, E. Burnout: strategies to prevent and overcome a common-and dangerous-problem. Psychiatric Times. Gale Academic One File [Internet]. mai. 2014 [acesso em 8 mar. 2020]; 31(5):28. Disponível em: https://link-gale.ez82.periodicos.capes.gov.br/apps/doc/A366729913/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=53ea8531.

(37) DIEHL, L; CARLOTTO, MS. Conhecimento de professores sobre a síndrome de Burnout: processo, fatores de risco e consequências. Psicol. estud. Maringá. dez. 2014; 19(4):741-752.

(38) BAUER, A; CASSETTARI, N; OLIVEIRA, RP. Políticas docentes e qualidade da educação: uma revisão da literatura e indicações de política. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação. [Internet] Rio de Janeiro. out./dez. 2017 [acesso em 11 maio 2021]; 25(97):943-970. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/s0104-40362017002501010.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.