A INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO DE CORRIDA NO CONTROLE DA DEPRESSÃO DE INDIVÍDUOS DEPENDENTES DO TABACO

Max Lima Campos, Ramón Núñez Cárdenas, Ivete de Aquino Freire, Yesica Nunez Pumariega, Catalina Pumariega Torres, Daniel Menéndez Llerena, Lilia Jarina Almeida Martins dos Santos, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Junior, Luís Felipe Silio

Resumo


A prática sistemática de exercício físico produz efeitos importantes no organismo do fumante. Reduz o desejo de nicotina, os distúrbios do sono, a tensão e os estressores psicológicos. Neste sentido, esta pesquisa tem como objetivo geral avaliar a eficiência do exercício físico de corrida no controle da depressão de indivíduos dependentes do tabaco. A fim de alcançar os objetivos propostos na pesquisa, foi realizado um estudo de caso com 10 sujeitos. Para desenvolvimento da pesquisa, foram aplicados diferentes instrumentos: a) Teste de resistência de Cooper para avaliar a condição aeróbica dos participantes; b) Inventário de Depressão de Beck/DBI, Inventário de Ansiedade Beck/BAI, para avaliar o nível de ansiedade e depressão dos participantes; c) Monoxímetro, para avaliar a quantidade de monóxido de carbono nos pulmões dos participantes. Estes instrumentos foram aplicados em forma de “Avaliação 1” (pré-teste) e “Avaliação 2” (pós-teste). Como forma de intervenção foi aplicado um programa de exercício físico específico com corridas para identificar a influência desta prática física, no controle da depressão de indivíduos dependentes do tabaco. Obtiveram-se resultados acima da média. Foi possível verificar a influência positiva do exercício físico, na melhora da ansiedade e da depressão e no aumento da resistência física.

Palavras-chave


Tabaco, depressão, exercício físico.

Referências


(1) Nunes, Sov; Castro, MRP (Org.). Tabagismo: abordagem, prevenção e tratamento. Londrina: Eduel, 2010. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. de 2016.

(2) Hollmann W, Hettinger TH. Medicina de esporte: fumo e capacidade de desempenho físico. São Paulo: Manole; 1989.

(3) Marlatt, Alan; Donavan, Dennis M. Prevenção de Recaída: estratégias de manutenção no tratamento de comportamentos aditivos: Porto Alegre: Artmed, 2. ed. 2009.

(4) World Health Organization. mhGAP Intervention Guide for mental, neurological and substance use disorders in non-specialized health settings; 2010. [cited 2014 Sept 24]. Available from: http://whqlibdoc.who.int/publications/2010/9789241548069_eng.pdf.

(5) Araujo, R Sônia; Mello, T Marco , Leite, José Roberto; Transtornos de ansiedade e exercício físico. Rev Bras Psiquiatr. 2007;29(2):164-71. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/rbp/v29n2/a15v29n2.pdf >. Acesso em 22 junh 2019.

(6) Oliveira, Viviane Ivanski Martins de. Depressão e atividade física. (pag.3) Ver:

http://www.listasconfef.org.br/comunicacao/banco_de_ideias/VivianeOliveira.pdf.

Acesso em 22 junho 2019.

(7) Zuntini, S Carolina. Atividades e Exercícios físicos nos Transtornos Psicológicos. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 03, Ed. 01, Vol. 03, pp. 97-115, Janeiro 2018. ISSN: 2448-0959.

(8) Jose A. Tabagismo: O tabaco, exercícios aeróbicos, corridas e o coração. Site. SBP publicação julho de 2018. https://sbpt.org.br/portal/publico-geral/doencas/tabagismo-o-tabaco-exercicios-aerobicos-corridas-e-o-coracao/. Acesso em 08 mar 2021.

(9) Castro, M. Pizzo. A dependência da nicotina associada ao uso de álcool e outras substâncias psicoativas. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 29, n. 2, p. 131-140, jul./dez. 2008 Disponível em < http://www.uel.br/proppg/portal/pages/arquivos/pesquisa/semina/pdf/semina_29_2_20_29.pdf>. Acesso em 22 Junh 2019.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.