ANÁLISE DA FREQUÊNCIA CARDÍACA EM PESSOAS COM SÍNDROME DE DOWN PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO: UMA REVISÃO SISTEMÁTICA

Havila Dylan Batista Ferreira, Sabrina Aleksandra Lopes de Araújo, Thayla Rayana Máximo Cardoso, Rosa Costa Figueiredo, Leandro Borelli de Camargo, Carlos Henrique Prevital Fileni, José Ricardo Lourenço Oliveira, Rodrigo da Silva de Jesus, Larissa Nazaré Queiroz de Araújo Almeida, Mariela de Santana Maneschy, Luiz Felipe Sílio, Ricardo Pablo Passos, Bráulio Nascimento Lima, Guanis de Barros Vilela Junior, Klebson da Silva Almeida

Resumo


Pessoas com Síndrome de Down (SD) apresentam um risco até dezesseis vezes maior de mortalidade em decorrência de doenças cardiovasculares. Um dos principais fatores são baixos níveis de aptidão cardiorrespiratória sendo, disfunção autonômica, capacidade ventilatória reduzida e disfunção metabólica. A prática do exercício físico regular e de forma orientada, produz uma série de respostas fisiológicas e importantes modificações autonômicas e hemodinâmicas, que influenciam diretamente no sistema cardiovascular. Contudo, é preciso cautela para incrementar tanto quanto possível a segurança da prática do exercício físico, onde a modulação vagal da frequência cardíaca é influenciada por vários fatores, também sendo um marcador de prognóstico de morte súbita e mortalidade. O objetivo deste artigo consiste em analisar o comportamento da frequência cardíaca em indivíduos com SD. Foram realizadas buscas nos bancos de dados ScienceDirect, PubMed, Scielo, BVS e Cochrane, com o intuito de identificar artigos sobre o tema deste estudo. Como resultado, foram selecionados 8 artigos, de acordo com os critérios de inclusão e exclusão. Sendo assim, podemos considerar que a prática de exercício promove efeitos positivos na eficiência cardíaca. No entanto, a trissomia 21 é um distúrbio genético com diversas consequências fisiológicas que podem interferir nos resultados. Como vimos, dependendo da modalidade, a modulação vagal da frequência cardíaca pode variar comparadas às pessoas sem deficiência.

Palavras-chave


Síndrome de Down (SD); trissomia 21; frequência cardíaca; determinação da frequência cardíaca; exercício físico; atividade física.

Referências


Godoy Amancio PMTd, Carvalho LFP, Barbieri GH. O Desenvolvimento Motor em Crianças com Síndrome de Down e a Influência da Família para seu Aprendizado. Revista Psicologia & Saberes. 2020;9(16):31-7.

Ramos BB, Müller AB. Marcos motores e sociais de crianças com síndrome de down na estimulação precoce. Revista Interdisciplinar Ciências Médicas. 2020;4(1):37-43.

Cruz HAd, Speroto TdC, Rosa ML, Vasconcellos JCBd, Soares ACdA, Freire MM, editors. Cognição e neuroplasticidade de jovens adultos com síndrome de down na associação síndrome de down, Teresópolis–RJ. Anais do II Congresso de Estudantes de Medicina do Unifeso – II CEMED; 2019.

Giroldo JC. Efeitos da atividade física em pessoas com síndrome de down. Revista Carioca de Educação Física. 2020;15(1):40-53.

Duarte E, Costa LT, Gorla JI. Síndrome de Down: crescimento, maturação e atividade física: Phorte Editora LTDA; 2017.

Teixeira AB. Incidência do câncer infanto-juvenil em portadores de Síndrome de Down e avaliação do perfil epidemiológico das crianças internadas no setor de oncologia pediátrica do Hospital Estadual da Criança de Feira de Santana-BA. Anais Seminário de Iniciação Científica. 2019(22).

Mendonca GV, Pereira FD, Fernhall B. Heart rate recovery and variability following combined aerobic and resistance exercise training in adults with and without Down syndrome. Research in developmental disabilities. 2013;34(1):353-61.

Santos Corrêa MVd, Cunha SLSM, Marinho TASd, Quintão MMP. Importância da Prática de Atividade Física para Prevenção do Risco de Cardiotoxicidade: Revisão Sistemática. Revista Brasileira de Cancerologia. 2019;65(3).

Miranda H, Souza SLP, Máximo CA, Rodrigues MN, Dantas EHM. Estudo da freqüência cardíaca, pressão arterial, e duplo-produto em diferentes números de séries durante exercícios resistidos. Arq Movimento. 2007;3(1):123-9.

Nystoriak MA, Bhatnagar A. Cardiovascular effects and benefits of exercise. Frontiers in cardiovascular medicine. 2018;5:135.

Sociedade Brasileira de Pediatria S. Diretrizes de atenção á saúde de pessoas com Síndrome de Down 2020 [Available from: https://www.sbp.com.br/imprensa/detalhe/nid/sbp-divulga-documento-com-atualizacao-das-diretrizes-de-atencao-a-saude-de-pessoas-com-sindrome-.

Liberati A, Altman DG, Tetzlaff J, Mulrow C, Gøtzsche PC, Ioannidis JP, et al. The PRISMA statement for reporting systematic reviews and meta-analyses of studies that evaluate health care interventions: explanation and elaboration. Journal of clinical epidemiology. 2009;62(10):e1-e34.

Millar AL, Fernhall B, Burkett LN. Effects of aerobic training in adolescents with Down syndrome. Medicine & Science in Sports & Exercise. 1993.

Mendonca GV, Pereira FD. Heart rate recovery after exercise in adults with the Down syndrome. The American journal of cardiology. 2010;105(10):1470-3.

Mendonca GV, Pereira FD, Fernhall B. Effects of combined aerobic and resistance exercise training in adults with and without Down syndrome. Archives of physical medicine and rehabilitation. 2011;92(1):37-45.

Mendonca GV, Pereira FD, Fernhall B. Cardiac autonomic function during submaximal treadmill exercise in adults with Down syndrome. Research in developmental disabilities. 2011;32(2):532-9.

Shields N, Hussey J, Murphy J, Gormley J, Hoey H. An exploratory study of the association between physical activity, cardiovascular fitness and body size in children with Down syndrome. Developmental neurorehabilitation. 2017;20(2):92-8.

Seron BB, Modesto EL, Stanganelli LCR, Carvalho EMOd, Greguol M. Effects of aerobic and resistance training on the cardiorespiratory fitness of young people with Down Syndrome. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. 2017;19(4):385-94.

Cunha AS, Silva-Filho AC, Dias CJ, Durans R, Brito-Monzani JdO, Rodrigues B, et al. Impacts of low or vigorous levels of physical activity on body composition, hemodynamics and autonomic modulation in Down syndrome subjects. Motriz: Revista de Educação Física. 2018;24(1).

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.