FISIOTERAPIA NO TRATAMENTO DE INCONTINÊNCIA URINÁRIA EM HOMENS PÓS- PROSTATECTOMIA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

Tereza Cristina dos Reis Ferreira, Ana Eveni Rodrigues Aguiar, Antônio Gabriel Pantoja Silva Santos, Paula Thayna Soares Lima, Pedro Victor Barriga Leopoldino, Camila Alcântara Fernandes, Anne Beatriz Duarte da Conceição, Bárbara Cristina Sousa da Silva, Fernando Lucas Costa de Lima, Tainah Lacerda Santos

Resumo



Objetivo: Identificar o papel da fisioterapia e as técnicas utilizadas para o tratamento de incontinência urinária (IU) em homens pós- prostatectomia. Métodos: Trata-se de um estudo de revisão integrativa da literatura. Esta revisão considerou estudos sobre o papel da fisioterapia no tratamento da IU em pacientes prostatectomizados, publicados entre janeiro de 2015 até outubro de 2020, em português e inglês. Os descritores em ciências da saúde (DeCS) utilizados para o idioma português são “Fisioterapia”, “Incontinência urinária”, “Prostatectomia”, em inglês “Physical therapy specialty”, “Urinary Incontinence”, “Prostatectomy”. As buscas foram realizadas nas bases eletrônicas PUBMED, SCIELO, LILACS E BIREME.  Resultados: Foram encontrados 207 artigos, no entanto, para responder ao objetivo deste estudo foi selecionado 5 artigos. Os estudos analisados demonstram que a fisioterapia é  benéfica para prevenir e tratar complicações decorrentes da prostatectomia, Além disso, a fisioterapia realiza fortalecimento da musculatura pélvica e reeducação muscular que reduz a IU. A fisioterapia utiliza eletroestimulação e cinesioterapia, para aumento da força muscular e redução das interferências geradas na vida dos paciente.  Conclusão: Conclui-se a relevância da fisioterapia e seus recursos nos sintomas urinários, como: redução da perda urinária e do grau de incontinência, promovendo maior qualidade de vida aos pacientes.


Palavras-chave


Fisioterapia, Incontinência urinária, Prostatectomia

Referências


- TORTORA, G.J.; DERRICKSON, B. Princípios de anatomia e fisiologia. 12ª ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 2010.

- INCA, Instituto Nacional de Câncer. Câncer de próstata. 2020. Disponível em: https://www.inca.gov.br/tipos-de-cancer/cancer-de-prostata. Acesso em: 09 out. 2020.

- BERNARDES, Mariana Ferreira Vaz Gontijo et al . Impacto da incontinência urinária na qualidade de vida de indivíduos submetidos à prostatectomia radical. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 27, e3131, 2019

-.SODRÉ, Danielle Santana Macêdo. RADIOFREQUÊNCIA NO TRATAMENTO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA PÓSPROSTATECTOMIA RADICAL: ESTUDO PILOTO. 2017. 82 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-Graduação em Medicina e Saúde Humana, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública, Salvador, 2017.

- STRACZYNSKA A, et al. The Impact Of Pelvic Floor Muscle Training On Urinary Incontinence In Men After Radical Prostatectomy (RP) - A Systematic Review. Clin Interv Aging, 2019; 14: 1997-2005

- DE LIRA GHS et al. Effects of perioperative pelvic floor muscle training on early recovery of urinary continence and erectile function in men undergoing radical prostatectomy: a randomized clinical trial. Int Braz J Urol, 2019; 45(6): 1196-1203.

- ZOPF EM et al. Effects of a 15-Month Supervised Exercise Program on Physical and Psychological Outcomes in Prostate Cancer Patients Following Prostatectomy: The ProRehab Study. Integr Cancer Ther, 2015; 14(5): 409-18.

- FERNÁNDEZ, R.A. et al. Improvement of continence rate with pelvic floor muscle training post-prostatectomy: a meta-analysis of randomized controlled trials. Urol Int. 2015; 94(2):125-32.

– DUBBELMAN, Y. et al. Quantification of changes in detrusor function and pressure-flow parameters after radical prostatectomy: relation to postoperative continence status and the impact of intensity of pelvic floor muscle exercises. Neurourol Urodyn. 2012; 31(5): 637-41.

– GLAZENER, C. et al. Urinary incontinence in men after formal one-to-one pelvic-floor muscle training following radical prostatectomy or transurethral resection of the prostate (MAPS): two parallel randomised controlled trials. Lancet. 2011; 378(9788): 328-37.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.