ATIVIDADE FÍSICA E SEUS DIFERENTES MÉTODOS DE ANÁLISE: UMA REVISÃO NARRATIVA

Anderson dos Santos Carvalho, Pedro Pugliesi Abdalla, Jair Rodrigues Garcia Júnior, Ana Claudia Rossini Venturini, Guanis de Barros Vilela Júnior

Resumo


O objetivo foi realizar uma revisão narrativa de caráter descritivo sobre os diferentes métodos e instrumentos para medir o nível de atividade física. Atividade Física é definida como qualquer movimento corporal produzido por contrações musculares que resulta num acréscimo do gasto energético além dos níveis de repouso. Este é um comportamento complexo que inclui atividades livres (e.g. caminhar de um local para outro, correr, saltar, nadar, andar de bicicleta, subir e descer escadas, realizar afazeres domésticos, atividades de lazer, entre outros), e também atividades esportivas ou programadas. A organização mundial da saúde recomenda que as crianças/adolescentes tenham dispêndio semanal de pelo menos 300 min em atividades físicas com intensidades de moderada a vigorosa, enquanto os adultos de pelo menos 150 min semanais. Entretanto, essa mensuração de forma efetiva para identificar se a prática de atividade física está atingindo o nível recomendado tem se tornado um grande desafio para os profissionais da saúde. Assim, os profissionais de educação física necessitam encontrar os métodos e instrumentos adequados para avaliar o nível de atividade física dos seus alunos, para garantir que tenham um estilo de vida ativo fisicamente. 

Palavras-chave


Exercício Físico. Sedentarismo. Estilo de Vida.

Referências


Schwarzfischer P, Weber M, Gruszfeld D, Socha P, Luque V, Escribano J, et al. BMI and recommended levels of physical activity in school children. BMC Public Health. 2017;17(595):1-9.

Oliveira LC, Ferrari GLdM, Araújo TL, Matsudo V. Overweight, obesity, steps, and moderate to vigorous physical activity in children. Revista de Saúde Pública. 2017;51(1):1-12.

Dumuid D, Olds T, Lewis LK, Martin-Fernández JA, Katzmarzyk PT, Barreira T, et al. Health-related quality of life and lifestyle behavior clusters in school-aged children from 12 countries. The journal of pediatrics. 2017;183(1):178-83.

Organization WH. WHO guidelines on physical activity and sedentary behaviour Geneva2020. Available from: http://www.saude.br/index.php/articles/84-atividade-fisica/229-recomendacoes-da-oms-dos-niveis-de-atividade-fisica-para-todas-as-faixas-etarias.

CAFRUNI CB, VALADÃO RCD, MELLO ED. Como Avaliar a Atividade Física? Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2012;22:61-71.

Carvalho AdS. Habilidades motoras fundamentais e nível de atividade física de crianças: um estudo com escolares do ensino fundamental [Tese de doutorado]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo - USP; 2019.

Andaki ACR, Tinoco ALA, Júnior RA, Santos A, Brito CJ, Mendes EL. Nível de atividade física como preditor de fatores de risco cardiovasculares em crianças. Motriz. 2013;19(3):8-15.

Romanzini M. Determinação e validação de limiares de acelerômetros para a estimativa da intensidade da atividade física em adolescentes. Pós-graduação em Educação Física Universidade Federal de Santa Catarina; 2012.

Legnani E, Legnani RFS, Rech CR, Barros MVGd, Campos Wd, Assis MAAd. Concordância e fidedignidade de um questionário eletrônico para crianças (WEBDAFA) Revista Brasileira Cineantropometria e Desempenho Humano 2012;15(1):38-48.

Wang Q, Lohit S, Toledo MJ, Buman MP, Turaga P. A statistical estimation framework for energy expenditure of physical activities from a wrist-worn accelerometer. Engineering in Medicine and Biology Society (EMBC). 2016;1:2631-5.

SandraMatsudo, TimoteoAraujo, VictorMatsudo, DouglasAndrade, ErinaldoAndrade, LuisCarlosOliveira, et al. Questionário internacional de atividade física (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Atividade Física e Saúde. 2001;6(2):5-18.

Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física em adolescentes. Revista brasileira de medicina do esporte. 2005 11(2):151-8.

Benedetti TB, Mazo GZ, Barros MVG. Aplicação do questionário internacional de atividades físicas para avaliação do nível de atividades física de mulheres idosas: Validade concorrente e reprodutibilidade teste-reteste. . Revista Brasileira de ciência e movimento. 2008;12(1):25-34.

Martins RC, Blumenberg C, Silva I. Crochemore Mohnsam. Reliability and concurrent validity of the Global Physical Activity Questionnaire in adults from a Brazilian rural área. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. 2018;23(1):1-6.

CRAIG CL, MARSHALL AL, STRO MS, BAUMAN AE, BOOTH ML, AINSWORTH BE, et al. International Physical Activity Questionnaire: 12-Country Reliability and Validity. MEDICINE & SCIENCE IN SPORTS & EXERCISE. 2003;35(8):1381–95.

Armstrong T, Bull F. Development of the World Health Organization Global Physical Activity Questionnaire (GPAQ). Journal of Public Health. 2006;14(1):66-70.

Junior JCF, Lopes AS, Mota J, Santos MP, Ribeiro JC, Hallal PC. Validade e reprodutibilidade de um questionário para medida de atividade física em adolescentes: uma adaptação do self-administered physical activity checklist. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2012;1.

Bouchard C, Tremblay A, C Leblanc, G Lortie, R Savard, Thériault G. A method to assess energy expenditure in children and adults. The American Journal of Clinical Nutrition. 1983;37(3):461–7.

FARINATTI PdTV. Apresentação de uma versão em português do compêndio de atividades físicas: uma contribuição aos pesquisadores e profissionais em fisiologia do exercício. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. 2003;2(2):177-208.

Krug MM. Gasto energético, consumo de oxigênio, equivalentes metabólicos e frequência cardíaca durante a prática de exergames. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2016.

WICKEL EE, WELK GJ, EISENMANN JC. Concurrent validation of the Bouchard Diary with an accelerometry-based monitor. Medicine and Science in Sports and Exercise. 2006;38(2):373-9.

Plasqui G, Westerterp KR. Physical activity assessment with accelerometers: an Evaluation against doubly labeled water. Obesity. 2007;15(10):2371-9.

Fassini PG. Gasto energético de paciente com síndrome do intestino curto: avaliação pelo método da água duplamente marcada. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2016.

Schutz Y, Weinsier, R. L., & Hunter, G. R. . Assessment of Free Living Physical Activity in Humans: An Overview of Currently Available and Proposed New Measures. Obesity Research. 2001;9(6):368-79.

Ferriolli E, Pfrimer K, Moriguti JC, Lima NKC, Moriguti EKU, Formighieri PF, et al. Under reporting of food intake is frequent among Brazilian free living older persons: a doubly labelled water study. Rapid Communications in Mass Spectrometry. 2010;24(5):506-10.

Sanches ACS, Góes CRd, Bufarah MNB, Balbi AL, Ponce4 D. Resting energy expenditure in critically ill patients: evaluation methods and clinical applications. Revista da associação médica brasileira. 2016;62(7):672-9.

Kenny GP, Notley SR, Gagnon D. Direct calorimetry: a brief historical review of its use in the study of human metabolism and thermoregulation. European journal of applied physiology. 2017;117(9):1765-85.

Fullmer S, Benson-Davies S, Earthman CP, Frankenfield DC, Gradwell E, Lee PSP, et al. Evidence analysis library review of best practices for performing indirect calorimetry in healthy and none critically ill individuals. Journal of the academy of nutrition and dietetics 2015;1(1):1-32.

Fassini PG, Silvah JH, Lima CMM, Cunha CFC, Brandão M, Wichert-Ana L, et al. Indirect calorimetry: from expired CO2 production, inspired O2 consumption to energy equivalent. Journal of obesity & weight loss therapy. 2015;S5(001):1-3.

Vanderlei LCM, Pastre CM, Hoshi RA, Carvalho TDd, Godoy MFd. Noções básicas de variabilidade da frequência cardíaca e sua aplicabilidade clínica. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. 2009;24(2):205-17.

Crouter SE, Flynn JI, Jr DRB. Estimating physical activity in youth using a wrist accelerometer. Medicine & Science in Sports & Exercise. 2016;47:944-51.

Silva JG, Reichert FF, Ohara D, Dourado AC, Petroski EL, Romanzini M. Validação dos limiares do acelerômetro actical para a determinação do comportamento sedentário e da intensidade da atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. 2014;19(2):246-55.

Romanzini M, Petroski EL, Ohara D, Dourado AC, Reichert FF. Calibration of ActiGraph GT3X, Actical and RT3 accelerometers in adolescents. European Journal of Sport Science. 2014;14(1):91-9.

Gomersall SR, Ng N, Burton NW, Pavey TG, Gilson ND, Brown WJ. Estimating physical activity and sedentary behavior in a free-living context: a pragmatic comparison of consumer-based activity trackers and ActiGraph accelerometry. Journal of Medical Internet Research. 2016;18(9):1-12.

Adami F. Equivalência de mensuração e operacional da versão brasileira do Physical Activity Cheklist interview em crianças. Saúde Pública: Universidade de São Paulo; 2011.

Feter N, Santos TSd, Caputo EL, Silva MCd. What is the role of smartphones on physical activity promotion? A systematic review and meta-analysis. International Journal of Public Health. 2019;64(1):679–90.

Demirbilek M, Minaz M. The Relationship between Physical Activity and Smart Phone Use in University Students. Journal of Education in Science, Environment and Health. 2020;6(4):282-96.

Wibowo RA, Kelly P, Baker G. The effect of smartphone application interventions on physical activity level among university/college students: a systematic review protocol. Physical Therapy Reviews. 2020;25(2).

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.