A PARTICIPAÇÃO DE ADOLESCENTES EM ESPORTES RADICAIS E DE CONTATO COM A NATUREZA EM PORTO VELHO

Ageu N. Coelho, Bruno F. Antunez, Onezímo G. Silva, Mila A. M. Rodrigues, Luís F. Silio, José Ricardo L. Oliveira, Heleise F. R. Oliveira, Adriano A. Pereira Pereira, Bráulio N. Lima, Carlos H. P. Fileni, Gustavo C. Martins, Leandro B. Camargo, Alexandre F. Carvalho, Ricardo P. Passos, Guanis B. Vilela Junior, Célio J. Borges

Resumo


Os esportes radicais também são conhecidos como esporte de aventura, pois em alguns casos oferece um grande risco devido às condições extremas nos quais são praticados, onde é preciso treinamento, conhecimento, bom equipamento e boa condição física. Surgiram no fim dos anos 80 para o início dos anos 90, tem como principal característica o aumento de adrenalina. Objetivo: Investigar sobre as práticas de esportes radicais e em contato com a natureza por adolescentes na cidade de Porto Velho no período de 2013 e 2019. Métodos: Trata-se de um estudo de campo de caráter descritivo e comparativo. A coleta de dados foi realiza em duas etapas através de um questionário contendo três perguntas fechadas. A primeira foi realizada no mês de abril de 2013, com 56 participantes de ambos os sexos, onde a coleta de dados deu-se em três lugares de Porto Velho, sendo eles o Parque Circuito, Praça do Skate Parque e Praça Aluísio Ferreira, onde ocorriam práticas de esportes radicais. A segunda etapa foi realizada em maio de 2019 com 60 participantes de ambos os sexos, onde a coleta de dados deu-se em três lugares de Porto Velho, sendo Parque da Cidade, Espaço Alternativo e Parque Natural de Porto Velho. O propósito do estudo foi de atualizar os dados e de forma comparativa verificar quais mudanças acorreu no período de seis anos na pratica do esporte radical com adolescentes em Porto Velho. Resultados: Na primeira pesquisa 50% dos adolescentes tinham como skate o esporte mais praticado, e que 37% praticam esportes radicais três vezes por semana, que 45% praticam com o objetivo de melhor qualidade de vida. Na segunda pesquisa, observou-se que o esporte de aventura mais praticado foi o paintball / airsoft com 53% da preferência, referente ao interesse de praticar o esporte, 70% dos participantes praticam por prazer e satisfação, sobre a frequência semanal a pesquisa mostra que 70% dos respondentes praticam uma vez na semana. Conclusão: Conclui-se que os participantes aumentaram a sua participação em outros esportes de aventura em relação aos dados coletados em 2013, a frequência de pratica diminuiu, porém aumentou o prazer pela prática desses esportes.

Palavras-chave


Esportes de Aventura, Adolescentes, Escola, Frequência

Referências


Auricchio JR. Escalada na Educação Física Escolar. Orientação adequada para a prática segura. Lecturas: educación física y deportes, Buenos Aires. 2009;14(139).

de Cassia Fernandes R. ESPORTES RADICAIS: REFERÊNCIAS PARA UM ESTUDO ACADÊMICO RADICAL SPORTS. Conexões. 1998;1(1):95-.

Bruhns HT, Marinho A. Viagens, lazer e esporte: Editora Manole Ltda; 2006.

SCHWARTZ GM. Emoção, aventura e risco–a dinâmica metafórica dos novos estilos. Lazer e estilo de vida Santa Cruz do Sul: EDUNISC. 2002:139-68.

Uvinha RR. Juventude, lazer e esportes radicais: Editora Manole Ltda; 2001.

Tahara AK, Schwartz GM. Atividades de aventura na natureza: investindo na qualidade de vida. Lecturas. 2003;8:58.

Pereira DW, Armbrust I, Ricardo DP. Esportes radicais, de aventura e ação: conceitos, classificações e características. Corpoconsciência. 2010;12(1):18-34.

Marinho A, Schwartz GM. Atividades de aventura como conteúdo da educação física: reflexões sobre seu valor educativo. Revista Digital, Buenos Aires. 2005;10(88):1-7.

Fontelles MJ, Simões MG, Farias SH, Fontelles RGS. Metodologia da pesquisa científica: diretrizes para a elaboração de um protocolo de pesquisa. Revista paraense de medicina. 2009;23(3):1-8.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman SJ. Métodos de pesquisa em atividade física: Artmed Editora; 2009.

da Silva Triani F, Sampaio BHR, de Castro LM, da Paixão JA. Esportes de aventura praticados na Barra da Tijuca e São Conrado, RJ: um levantamento das modalidades e formação do instrutor. Motrivivência. 2020;32(61):01-15.

da Silva Biazotti P, da Silva FH, Pinheiro AM, de Souza Vespasiano B. Fatores de adesão da prática do Mountain Bike. RBPFEX-Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2016;10(62):806-14.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.