A ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PÓS-OPERATÓRIO DE TRANSPLANTE DE CORAÇÃO: UMA REVISÃO DA LITERATURA

Shamyle Aramys dos Santos Costa, Lorena Cristine Soares Epaminondas, Júlio César Veiga Pena, Paula Thayna Soares Lima, Larissa Nascimento Negrão, Paulo Vitor de Souza Sassim, Tereza Cristina dos Reis Ferreira

Resumo


Introdução: As doenças cardíacas afetam milhares de pessoas no Brasil e no mundo, apresentando uma alta taxa de morbidade e mortalidade, e os casos de óbitos vem crescendo ano a ano. Quando os recursos para a desobstrução cardíaca esgotam, se faz necessário uma intervenção cirúrgica. Quando um paciente é submetido a um transplante cardíaco ele sofre diversas transformações cardiorrespiratórias e musculoesqueléticas que o debilitam e que se somam ao estado anterior que acometiam esse paciente. Objetivo: Tendo em vista esse problema faz-se necessário a prescrição de uma reabilitação cardíaca com a finalidade de reverter o quadro clínico, onde por meio da atuação de uma equipe multidisciplinar o profissional fisioterapeuta atuará na melhoria do quadro clínico desse paciente assim como na sua qualidade de vida. Método: O presente trabalho é uma retrospectiva dos últimos artigos científicos indexados em bases de dados online (SciELO, Lilacs e PEDro) que abordaram a atuação do fisioterapeuta na prescrição da reabilitação cardíaca utilizando os descritores: “Transplante Cardíaco”, “Reabilitação” e “Pós-operatório”, nas línguas portuguesa e inglesa nos últimos 5 anos (2013 a 2018). Resultado: Foram encontrados num total de 69 artigos, e após aplicar os critérios de inclusão e exclusão restaram no trabalho 8 artigos. Conclusão: Apesar da baixa quantidade de artigos publicados todos constataram uma melhora do quadro clínico dos pacientes submetidos a programas e reabilitação, assim como na qualidade de vida desses pacientes.

Palavras-chave


Transplante Cardíaco; Reabilitação; Pós-operatório.

Referências


RIBEIRO, A. G.; COTTA, R. M. M.; RIBEIRO, S. M. R. A promoção da saúde e a prevenção integrada dos fatores de risco para doenças cardiovasculares. Revista Ciência e Saúde Coletiva, v. 17, n. 1, p. 7-17, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. OMS. Doenças cardiovasculares. Disponível em:. Acesso em: 30 de Maio de 2018.

BRASIL.Ministério da Saúde. Portal da Saúde. Doenças cardiovasculares são principal causa de morte no mundo. Disponível em: . Acesso em: 30 de Maio de 2018.

BERNARDO, A., F., B. et al. Associação entre a atividade física e fatores de risco cardiovasculares em indivíduos de um programa de reabilitação cardíaca. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 19, n. 4, p. 231-32, jul./ago. 2013.

SCACHETTI, F. et al. Incidência e prevalência de hipertensão arterial e diabetes mellitus em profissionais da área da saúde. In: V CONGRESSO MULTI - PROFISSIONAL EM SAÚDE, 5., 2011, Londrina. Anais... Londrina: UniFil, jun. 2011.

TITOTO, L. et al.Reabilitação de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio: atualização da literatura nacional. Revista Arquivos de Ciências da Saúde, v. 12, n. 4, p. 216-219, out./ dez. 2005.

KAVANAGH T. Exercise rehabilitation in cardiac transplantation patients: a comprehensive review. Europa Medicophyscal. 2005;41(1):67-74.

MYERS J. Principles of exercise prescription for patients with chronic heart failure. Heart Failure Review. 2008;13(1):61-8.

BECKERS, F. et al.Differente evolutions in heart rate variability after heart transplantation: 10-year follow-up. Transplantation. 2004;78(10):1523-31.

MINIATI, D., N.; ROBBINS, R., C.; REITZ, B., A. Transplante cardíaco e cardiopulmonar. In: Braunwald E, Zipes DP, Libby P. Tratado de medicina cardiovascular. 6ª ed. São Paulo: Roca; 2003. p. 626-646.

RICARDO, D., R.; ARAÚJO, C., G., S. Reabilitação cardíaca com ênfase no exercício: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Medicinado Esporte, v. 12, n. 5, set./out. 2006.

CORTEZ, A. A. et al. Diretriz de reabilitação cardiopulmonar e metabólica: aspectos práticos e responsabilidades. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 86, n. 1, p. 74-82, jan. 2006.

NUNES, R., A., M. Reabilitação cardíaca. São Paulo: Ícone, 2010.

RENAULT, J., A.; COSTA-VAL, R.; ROSSETTI, M., B. Fisioterapia respiratória na disfunção pulmonar pós-cirurgia cardíaca. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular, v. 2, n. 34, p. 562-569, 2008.

MAIR, V. et al.Perfil da fisioterapia na reabilitação cardiovascular no Brasil. Fisioterapia e Pesquisa, v. 15, n. 4, p. 333-338, out./dez. 2008.

BARDIN, L.; RETO, L., A.; PINHEIRO, A. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979.

NYTRØEN, K., et al. Effect of high-intensity interval training on progression of cardiac allograft vasculopathy.The Journal of Heart and Lung Transplantation, v. 32, n 11, November 2013.

KAWAUCHI, T., S. et al.Randomized and comparative study between two intra-hospital exercise programs for heart transplant patients. Revista Brasileira de Cirurgia Cardiovascular;28(3):338-46c,2013.

BACAL, F. et al. Sociedade Brasileira de Cardiologia. II Brazilian Guidelines for Cardiac Transplantation. Arquivos Brasileirosde Cardiologia. 2010;94(1 Supp):e16-76.

DALL, C. H. et al. Effect of High-Intensity Training Versus Moderate Training on Peak Oxygen Uptake and Chronotropic Response in Heart Transplant Recipients: A Randomized Crossover Trial. American Journal of Transplantation, 2014.

RUSTAD, L., A. et al.One year of high-intensity interval training improves exercise capacity, but not left ventricular function in stable heart transplant recipients: A randomised controlled trial. European Journal of Preventive Cardiology, 21: 181,2014.

MONK-HANSEN, T. et al.Interval training does not modulate diastolic function in heart transplant recipientes.Scandinavian Cardiovascular Journal; 48: 91–98, 2014.

PASCOALINO, L., N. et al. Exercise training improves ambulatory bloodpressure but not arterial stiffness in hearttransplant recipientes. The Journal of Heart and Lung Transplantation, 2015.

DALL, C., H. et al. Effect of moderate- versus high-intensity exercise on vascular function, biomarkers and quality of life in heart transplant recipients: A randomized, crossover trial. The Journal of Heart and Lung Transplantation, v 34, n 8, Agosto 2015.

NYTRØEN, K. et al. Design and Rationale of the HITTS randomized controlled trial: Effect of

High-intensity Interval Training in de novo Heart Transplant Recipients in

Scandi+navia. American Heart Journal, 2015.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.