FUNCIONALIDADE DE VÍTIMAS DE TRAUMATISMO CRÂNIO ENCEFÁLICO INTERNADOS EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

Izabela Santos Teixeira, Aliciane Cardoso Vasconcelos Marinho, Alana Silva Maranhão, Leonardo Ramos Nicolau da Costa, Lucas Monteiro Carneiro

Resumo


Objetivo: Verificar o impacto do Traumatismo crânio encefálico (TCE) na funcionalidade de pacientes internados em uma UTI. Métodos: Estudo de caráter retrospectivo, descritivo e quantitativo, realizado através de análise de prontuários. Foram coletadas informações sobre idade, sexo, motivo e tempo de internação, pontuação da Escala de Medida de Independência Funcional (MIF) na pré-admissão e na admissão, e a pontuação da Escala de Coma de Glasgow (ECG). Para armazenamento de dados e construção das tabelas, utilizou-se o Software Excel® 2013. Para análise da normalidade das variáveis, utilizou-se o teste de Shapiro-Wilk. O teste de Wilcoxon foi realizado para distribuição não paramétrica nas variáveis Glasgow e MIF. Utilizou-se o software Bioestat 5.3 para análise, admitindo-se p<0.05 como α. Resultados: Dos 41 incluídos, 90,24% eram do sexo masculino, a idade de maior ocorrência foi entre 18 e 30 anos (46,34%), vítimas de acidente de trânsito (60,97%), provenientes da via urbana (41,46%), que permaneceram por tempo < 10 dias (29,26%) internados na UTI. A diferença do nível de consciência avaliada pela ECG no momento da admissão e da alta foi significativo (p<0.0002), assim como também foi significativo o declínio da funcionalidade avaliada pela MIF entre pré-admissão e admissão (p< 0.0001) Conclusão: A população mais acometida pelo TCE foi de homens jovens, vítimas de acidentes automobilísticos, advindos principalmente da via urbana e que permaneceram tempo < 10 dias de internação na UTI. Além disto, o TCE demonstrou ocasionar um declínio significativo na funcionalidade e nos resultados da ECG.

Palavras-chave


Traumatismo cerebral; Unidade de Terapia Intensiva; Fisioterapia; Avaliação da Deficiência; Escala de Coma de Glasgow

Referências


ALVES NS, PAZ FAN. Nível de funcionalidade dos pacientes com traumatismo cranioencefálico em uma Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Terciário. Revista da FAESF 2019 Jan-Mar; 3(1):2-9.

SANTOS MF, SILVA TDCS, CARVALHO FR, BARBOSA RL, SANTOS LH, MATOS JUNIOR EM. TCE em UTI: epidemiologia, tratamento e mortalidade no Maranhão, Brasil. Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria 2019 Jan/Abr; 23(1):46-56.

SOUZA RJ, ZEDAN R. Assistência fisioterapêutica a pacientes com traumatismo crânio encefálico (TCE) em unidade de terapia intensiva (UTI): Relato de caso. Revista Hórus 2013; 8(2):21-28.

XIONG Y, MAHMOOD A, CHOPP M. Animal models of traumatic brain injury. Nature Reviews of Neuroscience 2013; 14(2):128-142.

GAUDÊNCIO TG, LEÃO GM. A Epidemiologia do Traumatismo Crânio- Encefálico: Um Levantamento Bibliográfico no Brasil. Revista Neurociências 2013 Jun; 21(3): 427-434.

Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Informações de saúde: epidemiológicas e morbidade. Brasília: Ministério da Saúde; 2019.

STOCKER RA. Intensive care in traumatic brain injury including multi-modal monitoring and neuroprotection. Med. Sci 2019; 7(37).

JERÔNIMO AS, CREÔNCIO SCE, CAVALCANTI D, MOURA JC, RAMOS RA, PAZ AM. Fatores relacionados ao prognóstico de vítimas de traumatismo cranioencefálico: uma revisão bibliográfica. Arq Bras Neurocir 2014; 33(3):165-169.

SANTOS WC, VANCINI-CAMPANHARO CR, LOPES MCBT, OKUNO MFP, BATISTA REA. Assessment of nurse’s knowledge about Glasgow coma scale at a university hospital. Einstein (São Paulo) 2016; 14(2):213-218.

Colégio Americano de Cirurgiões - Comitê do Trauma. Suporte avançado de vida no trauma para médicos: manual do curso de alunos. 8. ed. Chicago: American College os Surgeons 2008; p. 131-51.

FRANÇA EET, FERRARI F, FERNANDES P, CAVALCANTI R, DUARTE A, MARTINEZ BP, et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do departamento de fisioterapia da Associação Brasileira de Medicina Intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1):6-22.

SAVEGNAGO AK, SILVA RM, JONHSTON C, MARTINS AM, MELO APL, CARVALHO WB. Revisão sistemática das escalas utilizadas para avaliação funcional na doença de Pompe. Rev Paul Pediatr 2012; 30(2): 272-277.

JESUS FS, PAIM DM, BRITO JO, BARROS IA, NOGUEIRA TB, MARTINEZ BP et al. Declínio da mobilidade dos pacientes internados em unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva 2016; 28(2):114-119.

CURZEL J, JUNIOR LAF, RIEDER MM. Avaliação da independência funcional após alta da unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva 2013; 25(2).

RIBERTO M, MIYAZAKI MH, JUCÁ SSH, SAKAMOTO H, PINTO PPN, BATTISTELLA LR. Validação da versão brasileira da Medida de Independência Funcional. Acta Fisiátrica 2004; 11(2):72-6.

FERREIRA LL. Escalas de avaliação funcional em terapia intensiva: Revisão de literatura. Rev Aten Saúde 2018 Abr/Jun; 6(56):108-114.

MORRIS PE, GOAD A, THOMPSON C, TAYLOR K, HARRY B, PASSMORE L et al. Early intensive care unit mobility therapy in the treatment of acute respiratory failure. Critical Care Medicine 2008; 36(8):2238-2243.

PÁDUA CS, SCHERER TAP, PRADO PR, MENEGUETTI DUO, BORTOLINI MJS. Perfil epidemiológico de pacientes com traumatismo crânio-encefálico (TCE) de uma unidade de terapia intensiva na cidade de Rio Branco-AC, Amazônia ocidental. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological 2018; 5(1):125-136.

VASCONCELOS AC, DIAS JC, WIPPEL MPR, VIEIRA WA, MENESES IS, RIBEIRO MAG et al. Epidemiological aspects of cranioencephalic trauma at Cuiabá municipal hospital, Brazil. Int. J.Odontostomat 2018; 12(1):29-34.

SILVA TH, MASSETTI T, SILVA TD, PAIVA LS, PAPA DCR, MONTEIRO CBM et al . Influence of severity of traumatic brain injury at hospital admission on clinical outcomes. Fisioter Pesqui 2018 Mar; 25(1): 3-8.

JOLLEY SE, MOSS M, NEEDHAM DM, CALDWELL E, MORRIS PE, MILLER RR et al. Point prevalence study of mobilization practices for acute respiratory failure patients in the united states. Critical Care Medicine 2017; 45(2):205-215.

MOYER M. Implementation of an early mobility pathway in neurointensive care unit patients with external ventricular devices. Journal of Neuroscience Nursing 2017; 49(2):102-107.

WIETHAN JRV, SOARES JC, SOUZA, JA. Avaliação da funcionalidade e qualidade de vida em pacientes críticos: série de casos. Acta Fisiatr 2017; 24(1):7-12.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.