A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DA CÂNULA NASAL DE ALTO FLUXO NO PÓS OPERATÓRIO DE CIRURGIA CARDÍACA PEDIÁTRICA: REVISÃO DE LITERATURA NARRATIVA

Lourenço Louzeiro dos Santos Silva, Gheysa Costa Magalhães, Caroline Lobato Rodrigues, Kelly Helorany Alves Costa

Resumo


Introdução: A cânula nasal de alto fluxo (CNAF) é um sistema que fornece oxigênio (O2) aquecido e umidificado em fluxos elevados, desenvolvida como uma alternativa aos sistemas padrão de O2 e ventilação não invasiva (VNI). Crianças em pós-operatório de cirurgia cardíaca (POCC) apresentam fatores predisponentes ao surgimento de complicações respiratórias, portanto, podem se beneficiar com o uso da CNAF. Objetivo: Verificar os benefícios da CNAF no POCC pediátrica em comparação com as terapias convencionais de O2 (TCO) e/ou VNI na modalidade pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP). Métodos: Revisão de literatura narrativa realizada através de artigos científicos, seguindo como critérios de inclusão: artigos originais do tipo estudos randomizados, controlados, observacionais, transversais, longitudinal, descritivos, retrospectivos e prospectivos, que utilizaram a CNAF como terapia no POCC pediátrica, comparando o uso dela com a TCO e/ou VNI no modo CPAP. Resultados: A PaO2 e a PaO2/FiO2 foram significativamente melhoradas com o uso CNAF quando comparado com o grupo da TCO. Além disso, uma parcela significativa dos pacientes da TCO precisou usar VNI para evitar falha de extubação. Já ao comparar a CNAF com a VNI, os estudos identificaram que não houve diferença significativa para o desfecho falha de extubação, no entanto, em um dos estudos os pacientes não foram randomizados para cada terapia proposta, enquanto outro estudo mostrou que houve a necessidade de VNI nos grupos de CNAF para evitar uma falha na extubação. Conclusão: Em pacientes pediátricos em POCC, a CNAF parece ser uma opção melhor quando comparada a TCO. Já em relação à CNAF comparada com a VNI, a VNI ainda parece ser a escolha mais adequada para os pacientes que precisarem de suporte ventilatório não invasivo após a extubação.


Referências


MITCHELL S.C.; KORONES S.B.; BERENDES H.W. Congenital heart disease in 56,109 births. Incidenceand natural history. Circulation. 1971, v.43, p.323-32.

RAMOS. F. B.; MORON A. F.; MURTA C. G. V.; GONÇALVES L. F. A.; ZAMITH M. M.O Papel da TranslucênciaNucal no Rastreamento de Cardiopatias Congênitas. Arquivos Brasileiros de Cardiopatia Congênita. 2006, v.87, n. 3, p. 307-314.

BRITO R. C. C. M.; GUERRA T. C. M.; CÂMARA L. H. L. D.; MATTOS J. D. P. G.; MELLO M. J. G.; CORREIA J. B.; SILVA N. L.; SILVA G. A. P. Características clínicas e desfechos de pneumonia comunitária aguda em crianças hospitalizadas em serviço público de referência de Pernambuco, Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife. 2017 v. 16, n. 3, p. 247-257.

OLIVEIRA D. S.; SILVA R. C. O.; BASSI D.; CALLES A. C. N. Associação entre as complicações pulmonares e fatores predisponentes em cirurgias cardiopediátricas. Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Fisioterapia. 2017, v.16, p. 441-446.

ROCA O.; RIERA J.; TORRES F.; MASCLANS J.R. High-flow oxygen therapy in acute respiratory failure. Respiratory Care. 2010, v.55, p. 408-413.

LEMIALE V.; MOKART D.; MAYAUX J.; LAMBERT J.; RABBAT A.; DEMOULE A. The effects of a 2-h trial of high-flow oxygen by nasal cannula versus Venturi mask in multicenter randomized trial.Crit Care. 2015, v.19, p. 380-389.

CHISTIET M.J.; SALAM M.A.; SMITH J.H.; AHMED T; PIETRONI M.A.; SHAHUNJA K.M. Bubble continuous positive airway pressure for children with severe pneumonia and hypoxaemia in Bangladesh: an open, randomised controlled trial. Lancet. 2015, v.65, p.386-394.

EGYPTO I. A. S. Relação entre poluição atmosférica e doenças respiratórias em crianças de 0 a 5 anos na Paraíba: contribuição na tomada de decisões de políticas públicas voltadas ao controle da poluição do ar. Universidade Católica de Santos, Santos, v.75 2016.

TESTA G.; IODICE F.; RICCI Z.; VITALE V.; RAZZA F.; HAIBERGER R.; LACOELLA C.; CONTI G.; COGO P. Comparativeevaluationof high-flow nasal cannulaandconventionaloxygentherapy in paediatriccardiacsurgicalpatients: a randomizedcontrolledtrial. InteractiveCardioVascularandThoracicSurgery. v.19, n.4, ano 2014.

SCODELLARO T.; MCKENZIE, J. M.; UDEKEM Y.; BUTT W.; SIVA P. N. ExtubationFailureIs Associated WithIncreasedMortalityFollowingFirstStage Single VentricleReconstructionOperation. PediatricCriticalCare Medicine. v.30, p.89–96, ano 2017.

SHIOJI N.; KANAZAWA T.; IWASAKI T.; SHIMIZU K.; SUEMORI T.; KUROE Y.; MORIMATSU H. High-flow Nasal Cannula Versus Noninvasiveventilation for PostextubationAcuteRespiratoryFailureafterPediatricCardiacSurgery. Acta MedicaOkayama.v.73, n.1, p.15-20, ano 2019.

RICHTER R. P.; ALTEN J. A.; KING R. W.; GANS A. D.; RAHMAN F.; KALRA Y.; BORASINO S. Positive AirwayPressure Versus High-Flow Nasal Cannula for PreventionofExtubationFailure in InfantsAfter Congenital Heart Surgery. PediatricCriticalCare Medicine. v.98, n.31, p.657–664, ano 2018

STÉPHAN F, BARRUCAND B, PETIT P, RÉZAIGUIA-DELCLAUX S, MÉDARD A, DELANNOY B, COSSERANT B, FLICOTEAUX G, IMBERT A, PILORGE C, BÉRARD L. High-Flow Nasal Oxygen vs Noninvasive Positive Airway Pressure in Hypoxemic Patients After Cardiothoracic Surgery A Randomized Clinical Trial. JAMA. v.23, p.2331–2339, 2015.

BORGES V. M.; OLIVEIRA L. R. C.; PEIXOTO E.; CARVALHO N. A. A. Fisioterapia motora em pacientes adultos em terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. 2009; 21(4):446-452.

FRAT J.P.; COUDROY R.; MARJANOVIC N. High-flow nasal oxygen therapy and noninvasive ventilation in the management of acute hypoxemic respiratory failure. Ann Transl Medicine. v.14, p.297-395, 2017.

MAYFIELD S.; JAUNCEY-COOKE J.; HOUGH J.L.; SCHIBLER A.; GIBBONS K.; BOGOSSIAN F. High-flow nasal cannula therapy for respiratory support in children. Cochrane Database System Revist. Ano 2014.

HERNÁNDEZ G.; VAQUERO C.; GONZÁLEZ P.; SUBIRA C.; FRUTOS-VIVAR F.; RIALP G.; LABORDA C.; COLINAS L.; CUENA R.; FERNÁNDEZ R. Effect of Postextubation High-Flow Nasal Cannula vs Conventional Oxygen Therapy on Reintubation in Low-Risk PatientsA Randomized Clinical Trial.JAMA. v.13, p.1354–1361, ano 2016.

JOHNSTONC.; PIVAJ. P.; CARVALHO W. B.; GARCIAP. C.; FONSECAM. C.; HOMMERDINGP. X. Preditores de falha da extubação em crianças no pós-operatório de cirurgia cardíaca submetidas à ventilação pulmonar mecânica Rev. bras. ter. intensiva v.20, n.1, ano 2008.

MIKALSEN I.B.; DAVIS P.; OYMAR K. High flow nasal cannula in children: a literature review.Scand J Trauma ResuscEmerg Med. v.24, p.93-123, ano 2016.

SCHWABBAUER N.; BERG B.; BLUMENSTOCK G.; HAAP M.; HETZEL J.; RIESSEN R. Nasal high-flow oxygen therapy in patients with hypoxic respiratory failure: effect on functional and subjective respiratory parameters compared to conventional oxygen therapy and non-invasive ventilation (NIV). BMC Anesthesiol. v.14, p.55-66, ano 2014.

CORLEY A.; BULL T.; SPOONER A. J.; BARNETT A. G.; FRASER J. F. Direct extubation onto high-flow nasal cannulae post-cardiac surgery versus standard treatment in patients with a BMI ≥30: a randomised controlled trial. IntensiveCare Med. v.41, p.887-894, ano 2015.

ROSINIESKI D.A.K.; VENTO D.A. Utilização da Cânula Nasal de Alto Fluxo em Recém-Nascidos: Revisão Bibliográfica. Revista Educação em Saúde. v.6, n.2, p.115-124, ano 2018.

NAGATA K.; MORIMOTO T.; FUJIMOTO D. Efficacyof high-flow nasal cannulatherapy in acutehypoxemicrespiratoryfailure: decreased use ofmechanicalventilation.RespiratoryCare. v.60, n.10, p.1390-1396, ano 2015.

KUBICKA Z.J.; LIMAURO J.; DARNELL R. A. Heated humidified high-flow nasal cannula therapy: yet another way to deliver continuous positive airway pressure?Pediatrics. v.8, p.121:132, ano 2008.

LUCATO J. J. J.; CUNHA T. M. N.; REIS A. M.; PICANÇO P. S. A.; BARBOSA R. C. C.; LIBERALI J.; RIGHETTI R. R. F. Alterações ventilatórias durante o uso de trocadores de calor e umidade em pacientes submetidos à ventilação mecânica com pressão de suporte e ajustes nos parâmetros ventilatórios para compensar estas possíveis alterações: estudo de intervenção autocontrolado em humanos. Revista Brasileira de Terapia Intensiva.v.29, n.2, p.163-170, ano 2017.

NISHIMURA, M. High-Flow Nasal Cannula Oxygen Therapy in Adults.Journal of Intensive Care. v.3, n.1, p.15, ano 2015.

ZHAO H, WANG H, SUN F, LYU S, AN Y. High-flow nasal cannulaoxygentherapyis superior toconventionaloxygentherapybutnottononinvasivemechanicalventilationonintubation rate: a systematic review and meta-analysis.CriticalCare. v.21, n.8, p.130-137, ano 2017.

INATA Y.; TAKEUCHI M.Complex effects of high-flow nasal cannula therapy on hemodynamics in patients pediatric patients after cardiac surgery. Journal of Intensive care. 2017, v.5, n.30.

BAUDIN F.; GAGNON S.; CRULLI B.; PROULX F.; JOUVET P.; EMERIAUD G. Modalities and Complications Associated With the Use of High-Flow Nasal Cannula: Experience in a Pediatric ICU. RESPIRATORY CARE. 2016, v.61, n.10.

FRIZZOLA M.; MILLER T. L.; RODRIGUEZ M. E.; ZHU Y.; ROJAS J.; HESEK A. High-flow nasal cannula: impact on oxygenation and ventilation in an acute lung injury model.PediatrPulmonol2011;46(1):67.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.