PERFIL DO USUÁRIO E FATOR MOTIVACIONAL PARA PRÁTICA DA LUTA EM ACADEMIAS DA CIDADE DE PORTO VELHO – RO

Franclin Serra Godim, Ricardo Pablo Passos, Luís Felipe Silio, Naiara Triverio Camacho, Manoel Lourenço Neto, Érika de Araújo Almeida, José Ricardo Lourenço de Oliveira, Heleise Faria dos Reis de Oliveira, Adriano de almeida Pereira, Guanis de Barros Vilela Junior, Elizângela de Souza Bernaldino

Resumo


A presente pesquisa tem como objetivo analisar o perfil do usuário e fator motivacional para prática da luta em academias da cidade de porto velho. Para tanto foi realizada uma pesquisa do tipo descritiva com abordagem qualitativa, junto aos praticantes de lutas maiores de 18 anos oriundos de 03 (três) academias localizadas em locais distintos da cidade de Porto Velho – RO. Como instrumentos de coleta de dados serão utilizado um questionário estruturado pelo pesquisador com 10 questões mistas. A pesquisa foi submetida ao Comitê de Ética em Pesquisa e após sua aprovação, estima-se a realização da pesquisa com quantitativo de 15 praticantes por academia selecionada para pesquisa, perfazendo assim um quantitativo geral de 45 praticantes de lutas regularmente matriculados e ativos nos programas de treino da academia. Para análise dos dados foi utilizada a estatística inferencial ou indutiva, (inferencial onde se utiliza as informações de uma amostra para chegar a conclusões sobre um grupo). Em síntese, espera-se que a identificação dos fatores motivacionais para adesão e permanência da luta contribua para melhoria do atendimento e oferta dos diferentes tipos de lutas nas academias participantes da pesquisa na cidade de Porto Velho, bem como que os resultados possibilitem fazer apontamentos referentes à necessidade da buscar de qualificação dentro a área em questão para que assim seja possível atender as especificidades desta clientela.


Palavras-chave


Fator motivacional. Praticantes de lutas em academias

Referências


Cavalheiro MdS. A motivação dos clientes de academia: um estudo em Santa Cruz do Sul-RS. 2016.

Aroni AL, Zanetti MC, Machado AA. Motivos e dificuldades para a prática de atividade física em academias de ginástica. Coleção Pesquisa em Educação Física. 2012;11(4):1.

da Rocha DD, Zagonel A, Bonorino SL. Fatores de aderência e permanência de mulheres nas lutas em Chapecó-SC. Caderno de Educação Física e Esporte. 2018;16(2):29-37.

DEL VECCHIO FB, FRANCHINI E. Lutas, artes marciais e esportes de combate: possibilidades, experiências e abordagens no currículo da educação física. Formação profissional em educação física: estudos e pesquisas Rio Claro: Biblioética. 2006;1:99-108.

Winkle JM, Ozmun JC. Martial arts: An exciting addition to the physical education curriculum. Journal of physical education, recreation & dance. 2003;74(4):29-35.

Alessi A, BOEIRA WNdS, editors. Os benefícios das lutas e como trabalhar esse conteúdo na educação física escolar. 8º Congresso Norte Paranaense de Educação Física Escolar Estadual de londrina, Londrina; 2017.

Ferreira HS. As lutas na educação física escolar. Revista de Educação Física/Journal of Physical Education. 2006;75(135).

da Silva Mocarzel RC, de Sá Ferreira A, Murad M. Comparação dos motivos de ingresso e de permanência de jovens praticantes nas aulas de Kung-Fu. Corpus et Scientia. 2014;10(2):63-72.

Ferrari HG, Guglielmo LGA. Domínios de intensidade e sobrecarga metabólica em aulas de body pump e body combat. Fitness & performance journal. 2006;5(6):370-5.

Perovano DG. Manual de metodologia científica para a segurança pública e defesa social. Curitiba: Juruá. 2014:155-69.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.