INFLUÊNCIA DOS FATORES FÍSICOS E AMBIENTAIS DA CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DE FUNCIONALIDADE SOBRE A CAPACIDADE FÍSICA AERÓBIA DE ATLETAS DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS

Amanda de Queiroz Afonso, Raphael do Nascimento Pereira, Valéria Marques Ferreira Normando

Resumo


Objetivo: Analisar a influência de fatores físicos e ambientais da Classificação Internacional de Funcionalidade sobre a capacidade física aeróbia de atletas de basquetebol em cadeiras de rodas, relacionando-os com o desempenho no teste de esforço. Métodos: 31 atletas voluntários de um clube de deficientes físicos, foram entrevistados sobre aspectos pessoais e sociais, e submetidos ao teste de esforço para avaliação da capacidade física aeróbia. Como resultante eles foram classificados quanto a influência dos fatores físicos e ambientais sobre a aptidão de acordo com a Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF). Optou-se pela análise estatística descritiva dos dados, com o cálculo das médias e desvios padrões.Resultados: Nenhum dos atletas apresentou capacidade física aeróbia abaixo da média, no entanto, o grupo de lesão em membros inferiores apresentou discreta vantagem em relação aos outros grupos. Não houve diferença expressiva na capacidade física aeróbia quando relacionada a mobilidade desses atletas. Conclusão: No grupo estudado não houve influência de fatores físicos e ambientais da CIF sobre a capacidade física aeróbia dos atletas.


Palavras-chave


Classificação Internacional de Funcionalidade; aptidão física; atletas; pessoas com deficiência.

Referências


REFERÊNCIAS

Nam JS, Lee KE, Jun AY, Parke CS, Kim HY, Chae YH. Dilemmas of korean athletes with a spinal cord injury to participate in sports: a survey based on the ICF core set for spinal cord injury. Ann Rehabil Med. 2016; 40(5): 893-901.

Cardoso VD. A Reabilitação de pessoas com deficiência através do desporto adaptado. Rev Bras Ciênc Esporte. 2011; 33(2): 529-39.

Menegaldo FR, Marco A, Soares DB. Análise de ansiedade pré-competitiva e do desempenho de atletas de ginástica rítmica. Conexões: Revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. 2013; 11(4): 45-57.

Organização Mundial da Saúde. CIF: Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Trad. do Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde para a Família de Classificações Internacionais. São Paulo: EDUSP; 2008.

Riberto M. Core sets da Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Rev Bras Enferm. 2011; 64(5): 938-46.

Majewski-Schrage T, Evans TA, Snyder KR. Identifying meaningful patient outcomes to the Internationa Classification of Functioning, Disabilty and Health. J Athl Train. 2019; 54(8): 869-80.

Ferreira LTD, Castro SS, Buchalla CM. The Internacional Classification of Functioning, Disability and Health: progress and opportunities. Ciênc e Saúde Coletiva. 2014; 19(2): 469-74.

Lima A, Viegas CS, Paula MEM, Silva FCM, Sampaio RF. A qualitative approach of interactions between domains of the Internacional Classification of Funcionality, Disability, and Health. Acta Fisiát. 2010; 17(3): 94-102.

Franklin BA, Swantek KI, Grais SL, Johnstone KS, Gordon S, Timmis GC. Field test estimation of maximal oxygen consumption in wheelchair users. Arch Phys Med Rehabil, 1990; 71(8): 574-8.

Gorla JI, Oliveira LZ. Teste e avaliação do esporte adaptado. São Paulo: Phorte, 2009, p. 222.

Barfield JP, Malone LA. Perceived exercise benefits and barriers among power wheelchair soccer players. J Rehabil Res Dev. 2013; 50(2): 231-38.

Van Koppenhagen CF, Post M, Groot S, van Leeuwen C, van Asbeck F, Stolwijk-Swüste J, et al. Longitudinal relationship between wheelchair exercise capacity and life satisfaction in patients with spinal cord injury: A cohort study in the Netherlands. J Spinal Cord Med. 2014; 37(3): 328-37.

Lastuka A, Cottingham M. The effect of adaptive sports on employment among people with disabilities. Disabil Rehabil. 2015; 38 (8): 1-7.

Gil-Agudo A, Ama-Espinosa A, Crespo-Ruiz B. Wheelchair Bascketball quantification. Phys Med Rehabil Clin N Am. 2010; 21(1):141-56.

Stephens C, Neil R, Smith P. The perceived benefits and barriers of sport in spinal cord injured individuals: a qualitative study. Disabil Rehabil. 2012; 34(24): 2061-70.

Pretorius J, Pieterse J, Toriola AL, Kubayi NA. Aerobic Fitness of South African Wheelchair Basketball and Rugby Players. Biomedical Research, 2015; 26(2): 249-53.

Flores LJF, Antunes M, Silva AAC, Gorla JI. Respostas cardiovasculares e avaliação de potência aeróbia em pessoas com lesão da medula espinhal. Rev Bras Ativ Fis Saúde, 2013; 18(2): 145-55.

Molik B, Kosmol A, Laskin JJ, Morgulec-Adamowicz N, Skucas K, Dabrowska A, et al. Wheelchair Bascketball skill tests: diferences between athlete’s functional classification level and disability type. Fizyoterapi Rehabilitasyon, 2010; 21(1): 11-9.

Marszalek J, Molik B. Reliability of measurement of active trunk movement in wheelchair basketball players. PLoS ONE, 2019; 14(11): 1-12.

Tachibana K, Mutsuzaki H, Shimizu Y, Doi T, Hotta K, Wadano Y. Influence of functional classificartion on skill tests in elite female wheelchair bascketball athletes. Medicina. 2019; 55(11): 1-10.

Fréz AR, Souza AT, Quartiero CRB, Ruaro JA. Perfil Funcional de Atletas de Basquetebol com Traumatismo na Medula Espinhal de acordo com a CIF. Rev Bras Med Esporte. 2014; 20(1): 78-81

Fréz AR, Abdallah AA, Riedi C, Galindo J, Ruaro JÁ, Ribeiro SC. Proposed use of the internacional classification of functioning, disability and health to evaluate quality of life after an amputation. Fisioter Mov. 2014; 27(1): 49-56.

Gil SM, Yanci J, Otero M, Olasagasti J, Badiola A, Bidaurrazaga-Letona I, et al. The Funcional Classification and Field Test Performance in Wheelchair Bascketball Players. J Hum Kinet, 2015; 46: 219-30.

Jaarsma EA, Geertzen JH, Jong R, Dijkstra PU, Dekker R. Barriers and facilitators of sports in Dutch Paralympic athletes: An explorative study. Scand J Med Sci Sports, 2014; 24: 830-36.

Escorpizo R, Kostanjsek N, Kennedy C, Nicol MM, Stucki G, Ustün TB. Harmonazing WHO’s International Classification of Funcioning, Disability and Health (ICF): importance and methods to link desease and functioning. BMC public health, 2013; 13:742.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.