RELAÇÃO DE DORES MUSCULOESQUELÉTICAS, ESTRESSE E QUALIDADE DE VIDA EM ACADÊMICOS DO ÚLTIMO ANO DE FISIOTERAPIA DE DUAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR

Tereza Cristina dos Reis Ferreira, Fabricio Heitor Ribeiro Gomes, Luane Vanzeler Monteiro, Manuella de Fátima de Sena Reis, Lee Bezerra Falcão

Resumo


Verificar a relação de dores musculoesqueléticas, estresse e qualidade de vida em acadêmicos do último ano do Curso de Fisioterapia em duas Instituições de Ensino Superior. A pesquisa foi do tipo observacional, transversal e prospectiva, com 48 acadêmicos de duas Instituições de Ensino Superior. Foram utilizados o Questionário Nórdico Padronizado, Maslach Burnout Inventory e World Health Organization of Life – WHOQOL.  O estudo evidenciou que o burnout começa a se instalar. Queixas de dores nos últimos 12 meses nas regiões anatômicas do pescoço (64% e 80%), ombro (50% e 60%), parte superior das costas (57% e 70%) e parte inferior das costas (60 e 70%). Dores nos últimos 7 dias nas regiões anatômicas do pescoço (54% e 60%), parte superior das costas (57% e 40%) e parte inferior das costas (36% e 40%). Constatou-se qualidade de vida regular nos acadêmicos.

Palavras-chave


Estresse Ocupacional, qualidade de vida, estudantes, fisioterapia, educação superior

Referências


Monteiro CFS. et al. Estresse no cotidiano acadêmico: O olhar dos alunos de enfermagem da Universidade Federal do Piauí. Esc Anna Nery. Revista de Enfermagem. 11 (1): 66-72, 2007.

Silva CS; Silva MAG. Lombalgias em fisioterapeutas e estudantes de fisioterapia: um estudo sobre a distribuição de frequência. Revista Fisioterapia Brasil, Rio de Janeiro, v. 6, n. 5, p. 376 – 380, 2005.

Camargo AF. Dor, diagnóstico e tratamento. São Paulo: Editora Roca, 2001.

Silva, MC, Fassa, AG; Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p 1-12, 2004.

Arcanjo GN. Saber popular sobre dores nas costas em mulheres nordestinas. Ciência & Saúde coletiva vol. 12 n. 2 Rio de Janeiro Março/Abril 2007.

Nogueira MCF. Humanização das relações assistenciais: A formação profissional de saúde . São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002

Balogun, J. Helgemoe T, Pelegrini S, Hoeberlein, T. Test-retest reability of a psychometic instrument designed to measure physical therapy student’s Burnout. Perceptual and Motor Skill, 81, 667-672, 1995.

Cushway, D. Stress in clinical psychology trainees. British Journal of Clinical Psychology, 37, 337 – 341,1992

Agut, S., Grau, R, Beas M. Burnout en mujeres: Un estudio comparativo entre contextos de trabajo y no trabajo. V Congreso Galaico – Português de Psicopedagogia. IX Congreso de la sociedade española de Psicologia. III Jornada de la Sociedade Portuguesa de Psicologia.2002 http://fsmorene.filos.ucm.es/publicaciones/Iberpsicologia/congreso/programa.htm (Acessado em 12.03.2003)

Mendes, A. Síndrome de Burnout em enfermeiros de psiquiatria: contribuição para o estudo de factores do ambiente e da pessoa no seu desenvolvimento. Tese de Mestrado. Faculdade de Medicina de Coimbra. 1995

Gil-Monte, PR. Influencia del genero sobre el proceso de desarrollo del síndrome de quemarse por el trabajo (burnout) em profesionales de enfermeíra. Psicologia em estudo, 1, 3 – 10. 2002

Rodrigues H., Neto R., Estresse em alunos do 4º ano expostos à realização do trabalho de conclusão de curso (TCC).Coleção Pesquisa em Educação Física – Vol.9, n.2, 2010

Fitzpatrick et al. Quality of life measures in health care. I: Applications and issues in assessment. BMJ, Volume 305, 1992.

Guyatt et al. Users’ guides to the medical literature: II. How to Use an article about therapy or prevention: A. Are the results of the study valid?. Ovid: Guyatt: JAMA, volume 270 (21), Dec 1, 1993.

Souza WC, Silva AM. A influência de Fatores de Personalidade e de Organização do Trabalho de no Burnout em Profissionais de Saúde. Ver Estudos de Psicologia Jan/Abr. 1(19): 37-48, 2002

Ferenhof IA, Ferenhof EA. A síndrome do Burnout em Professores Influenciará a Educação? Educação Brasileira 2001 Dez. 23 (47): 109-30

Papalia DE, Olds SW. Desenvolvimento humano. 7a ed. Porto Alegre: Artes Médicas Sul; 2000.

Franco GP, Barros ALBL, Martins LAN, Zeitoun SS. Burnout em residentes de enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 45 (1): 12-8. 2011

Barboza JIRA, Beresin R. A síndrome de Burnout em graduandos de enfermagem. Einstein 5 (3): 225-30, 2007.

Pereira AMT. Burnout: Quando o Trabalho Ameaça o Bem Estar do Trabalhador. 1ª ed. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2002.

Vasconcelos R, et al. A Ocorrência da Síndrome de Burnout nos Acadêmicos do Último Ano do Curso de Fisioterapia. Rev Fisioter S Fun. Fortaleza, Jan-Jun; 1 (1): 42-46, 2012.

Martins MCFN. Humanização das relações assistenciais: A formação do profissional da saúde. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2002.

Abreu KL, Stoll I, Ramos LS, Baumgardt RA, Hersitensen CH. Estresse Ocupacional e Síndrome de Burnout no Exercício Profissional da Psicologia. Psicol Ciênc Prof Jun. 22(2): 22-9, 2002

Tamoyo MR, Argolo JCT, Borges LO. Burnout em profissionais de saúde: um estudo com trabalhadores do município de Natal. In: Borges LO, organizadora, Os profissionais da saúde e seu trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2005.

Guedes FG, Machado APNB. Fatores que influenciam no aparecimento das dores na coluna vertebral de acadêmicos de fisioterapia. Estação Científica Online. Juiz de Fora. Jan 2008.

Aquino MMA. Algias que acometem os acadêmicos do curso de fisioterapia de uma instituição de ensino superior em Juazeiro do Norte/CE. Monografia, Faculdade Leão Sampaio, 2009.

Leite HR, et al. Estudo dos sintomas osteomusculares em fisioterapeutas. Estudo de Caso. Revista Digital, Buenos Aires, Ano 15, 2010

Nobre EC. Prevalência de dores musculoesqueléticas em acadêmicos da disciplina de prática de fisioterapia supervisionada I da faculdade integrada do Ceará. Fortaleza, 2009.

Saupe R et al. Qualidade de vida dos acadêmicos de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem. vol.12, n.4, pp. 636-642, 2004


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.