O TEMPO DE POSSE DE BOLA DURANTE A UTILIZAÇÃO DE UM JOGADOR NA FUNÇÃO DE GOLEIRO LINHA-GL E/OU LINHA GOLEIRO-LG NA LIGA NACIONAL DE FUTSAL TEMPORADA 2018

Alexandre Freitas de Carvalho, Adriano de Almeida Pereira, Uebister Igor dos Santos Guedes, Hugo Politano, Matheus Valério Almeida Oliveira, Idico Luiz Pellegrinotti, Juliana Cristina Viola, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Júnior

Resumo


As estratégias táticas das equipes de futsal veem evoluindo ao longo dos anos, migrando da tática de Goleiro Linha-GL para a de Linha Goleiro-LG. Diante disso, este estudo busca elucidar estas relações. Os dados foram coletados dos vídeos das partidas da Liga Nacional de Futsal na temporada 2018. Foram feitas observações diretas extensivas de 16 equipes, mediante anotação em planilha. Das 16 equipes analisadas, 15 utilizaram o GL ou o LG em algum momento da partida. Nove equipes utilizaram o GL, destas, cinco ultrapassaram os 5 minutos do tempo de posse de bola. Dez equipes utilizaram o LG, destas, seis equipes ultrapassaram os 5 minutos do tempo de posse de bola. Em contrapartida, a equipe ES utilizou o LG durante 24,68s, ou seja, mais do dobro da soma do tempo de posse de bola de todas as equipes analisadas. As estratégias táticas do GL e do LG foram utilizadas pela maioria das equipes, principalmente quando a equipe estava em desvantagem no placar da partida. Em contrapartida, apesar de não obter êxito, a equipe ES com uma proposta tática inovadora utilizou o LG do início ao fim do 1º e 2º tempo em todas as partidas analisadas, o que justifica a necessidade de incrementar um estudo visando analisar mais este sistema tático. Portanto, conclui-se que o sistema tático do LG está sendo o mais adotado pelas equipes, porém, carece de novos estudos sobre a sua efetividade, já que a equipe que utilizou esta estratégia por mais tempo, não teve resultados satisfatórios.


Palavras-chave


Goleiro Linha; Linha Goleiro; Tática.

Referências


RIBEIRO, Newton. A Influência do goleiro linha no resultado do jogo de futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo, v.3, n.9, p.187-198. Set/ Out/Nov/Dez. 2011. ISSN 1984-4956 2011. Disponível em: < http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/96 >. Acesso em: 25 MAI. 2020.

GANEF, E. et. al. A influência do goleiro-linha no resultado do jogo de futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo, v1, n3, p.186-192. Set/Out/Nov/Dez 2000, ISSN 1984-4956. Disponível em: . Acesso em: 25 MAI. 2020.

FREITAS, D.C.; HENRIQUE, J.; NOLASCO, R.C. Aspectos técnicos, táticos e regulamentares do futsal sob a ótica de treinadores experts. Revista Digital Lecturas en el Educación Física y Deportes. Buenos Aires, año 13, n. 125, out. 2008. Disponível em: < https://www.researchgate.net/publication/304054014_Aspectos_tecnicos_taticos_e_regulamentares_do_futsal_sob_a_otica_de_treinadores_experts>. Acesso em: 25 MAI. 2020.

TAVEIRA, L. M. et al. Alteração da Regra de Utilização do Goleiro-Linha Ocorrida em Janeiro de 2011: Implicações Técnico-Táticas. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 12, n. 4, ISSN: 1981-431, 2013.

CBFS. Confederação Brasileira de Futebol. O esporte da bola pesada que virou paixão. Primórdios do futsal. Disponível em: < http://www.cbfs.com.br >. Acesso em: 01 fev.2018.

MUTTI, D. Futsal, futebol de salão, futsal-base: artes e segredos. 2ª ed. São Paulo: Hemus, 1994.

TENROLLER, Carlos Alberto. Futsal: ensino e prática. Editora da ULBRA, 2004.

SANTANA, W.C. Futsal: apontamentos pedagógicos na iniciação e na especialização. Campinas: Autores Associados, 2004.

VOSER, R. C. Futsal: princípios técnicos e táticos. Rio de Janeiro: Sprint, 2001.

COSTA, C.F; SAAD, M. A. Futsal: movimentações ofensivas e defensivas. Florianópolis: Bookstore, 2001.

MUTTI, Daniel. Futsal: da iniciação ao alto nível. São Paulo: Phorte, 2003.

SILVA, R.A.M.; CALADO FILHO, C.M. Formación de entrenadores de futsal de máximo nivel: técnica y táctica. Espanha: FIFA, 2005.

FUKUDA, J. P. S.; SANTANA, W. C. DE. Análise dos gols na Liga de Futsal 2011. Revista Brasileira de Futebol, São Paulo, v.4, n.11, p.62-66, 2012.

DIAS, R. R.; SANTANA, W. C. Tempo de incidência dos gols em equipes de diferentes níveis competitivos na Copa do Mundo de futsal. Lecturas en el Educación Física y Deportes. Revista Digital, Buenos Aires, n.101, oct. 2006. Disponível em:. Acesso em: 25 MAI. 2020.

MOCELIN, R. Análise dos gols sofridos pela equipe da Associação Carlos Barbosa de futsal-RS, e a incidência de gols sofridos na defesa do goleiro linha, durante a Liga Nacional de Futsal 2015. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo. v.8. n.30. p.294-298. Set./Out./Nov./Dez. 2016. ISSN 1984-4956. Disponível em: < http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/428/367 >. Acesso em: 25 MAI. 2020.

VOSER, R. C. et al. A origem dos gols da liga de futsal 2014. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo. v.8. n.29. p.155-160. Maio/Jun./Jul./Ago. 2016. ISSN 1984-4956. Disponível em:< http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/404/348>. Acesso em: 25 MAI. 2020.

OLIVEIRA, W. Análise da utilização do goleiro linha do futsal na fase regional dos 53º jogos abertos do Paraná. 2010. Trabalho de conclusão de curso – Universidade Estadual de Londrina – Paraná, 2010.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.