O EFEITO DA MOBILIZAÇÃO PRECOCE EM PACIENTES COM SEPSE EM UMA SÉRIE DE CASOS

Fernanda de Paula Cordeiro, Daniel da Costa Torres

Resumo


Objetivo: avaliar o efeito da mobilização precoce nos pacientes internados na Unidade de Terapia Intensiva. Métodos: Este foi um estudo clínico realizado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Geral de Tailândia – PA, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição. Foram incluídos pacientes acima de 20 anos, com protocolo de sepse aberto em 48 horas, estando ou não em ventilação mecânica. Resultados: Foram incluídos 5 pacientes após a abertura do protocolo de sepse. Desses, dois tiveram alta durante o período de intervenção, um foi transferido para outro Hospital, e dois foram a óbito. Conclusão: Podemos concluir que a realização do protocolo de mobilização precoce sugerido pelo estudo foi capaz de diminuir o tempo de internação dos pacientes, aumentar a força muscular, melhorar o quadro clínico e independência funcional. Apesar do número pequeno de pacientes participantes do estudo, foi capaz de observar que a mobilização precoce é essencial dentro de uma Unidade de Terapia Intensiva.


Palavras-chave


zação precoce, série de casos, sepse

Referências


Duane, J. F.; Joseph, E. P.; Anand, K. Sepse and Septic Shock: A History. Crit Care Clin, v. 25, p. 83–101, 2009.

RHODES, A.; EVANS, L. E.; ALHAZZANI, W.; LEVY, M. M.; ANTONELLI, M.; FERRER, R. Campanha Sobrevivendo à Sepse: Diretrizes internacionais para a gestão de sepse e choque séptico: 2016. Critical Care Medicine, v. 45, n. 3, p. 486-556, 2017.

INSTITUTO LATINO AMERICANO PARA ESTUDOS DA SEPSE. Sepse: um problema de saúde pública. Brasília, DF: Conselho Federal de Medicina; 2015.

ANNANE, D.; AEGERTER, P.; JARS-GUINCESTRE, M. C.; GUIDET, B. Current epidemiology of septic shock: the CUB-Rea Network. American journal of respiratory and critical care medicine, v. 168, n. 2, p. 165-172, 2003.

NEIRA, R. A. Q.; HAMACHER, S.; JAPIASSÚ, A. M. Epidemiology of sepsis in Brazil: Incidence, lethality, costs, and other indicators for Brazilian Unified Health System hospitalizations from 2006 to 2015. PloS one, v. 13, n. 4, p. e0195873, 2018.

ANANNE, D.; BELLISANT, E.; BOLLAERT, P. E.; BRIEGEL, J.; CONFALONIERI, M. GAUDIO, R.; MEDURI, G. U. Corticosteroids in the treatment of severe sepsis and septic shock in adults: a systematic review. JAMA, v. 301, n. 22, p. 2362-2375, 2009.

HARPAZ, R.; DAHL, R. M.; DOOLING, K. L. Prevalence of Immunosuppression Among US Adults, 2013. JAMA, v. 316, n. 23, p. 2547-2548, 2016.

Sogayar, A. M.; Machado, F. R.; Rea-Neto, A.; Dornas, A.; Grion, C. M.; Lobo, S. M.; Michels, V. A multicentre, prospective study to evaluate costs of septic patients in Brazilian intensive care units. Pharmacoeconomics, v. 26, n. 5, p. 425-434, 2008.

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE. Implementação de protocolo gerenciado de sepse protocolo clínico Atendimento ao paciente adulto com sepse / choque séptico, 2017.

BONE, R.C. The pathogenesis of sepsis. Annals of internal medicine, v. 115, n. 6, p. 457-469, 1991

JÚNIOR, G. A. P.; MARSON, F.; ABEID, M.; OSTINI, F. M.; DE SOUZA, S. H.; BASILE-FILHO, A. Fisiopatologia da sepse e suas implicações terapêuticas. Medicina (Ribeirão Preto. Online), v. 31, n. 3, p. 349-362, 1998.

MOTA, I. S.; DE MOURA, F. C..DE DEUS MACEDO, J. R. tempo de permanência no setor de emergência, no aguardo de leito de uti, impacta na morbi-mortalidade de pacientes críticos com sepse?. Programa de Iniciação Científica-PIC/UniCEUB-Relatórios de Pesquisa, v. 2, n.1, 2018.

EUROPEAN SOCIETY OF INTENSIVE CARE MEDICINE. The problem of sepsis. Intensive Care Med, v.20, p. 300-304, 1994

PARRILO J. E. Pathogenetic mechanisms of septic shock. New England Journal of Medicine, v. 328, n. 20, p. 1471-1477, 1993.

LATRONICO, N.; HERRIDGE, M.; RAMONA, O.; ANGUS, D.; HOPHINS, R.O.; ANGUS, D.; HERMANS, N. H. G.; IWASYNA, T.; ARABI, Y.; CITERIO, G.; ELY, E. W.; HALL, E. J.; MEHTA, S.; PUNTILLO, K.; HOEVEN, J. V. D.; WUNSCH, H.; COOK, D.; SANTOS, D. C.; RUBENFELD, G.; VICENT, J. L.; BERGHE, G. V. D.; AZOULAY, E.; NEEDHAM, D. M. The ICM Research Agenda on Intensive Care Unit-Acquired Weakness. Intensive Care Med, Brescia, v. 43, p. 1270-1281, 2017.

FISIOPATOLOGIA, RÉA NETO A. manifestações clínicas da sepse. Clín Bras Med Intensiva, v. 1, p. 1-9, 1996 .

SANTUZZI, C. H.; SCARDUA, M. J.; REETZ, J. B.; FIRME, K. S.; LIRA, N. O.; GONÇALVES, W. L. S. Aspectos éticos e Humanizados da Fisioterapia na UTI: uma revisão sistemática. Fisioter. Mov. Curitiba, v. 26, n. 2, p. 415-422, 2013.

LAGO, A. F.; OLIVEIRA, A. S.; SOUZA, H. C. D.; SILVA, J. S.; BASILE-FILHO, A.; GASTALDI, A. C. The effects of physical therapy with neuromuscular electrical stimulation in patients with septic shock: Study protocol for a randomized cross-over design. Medicine, v. 97, n. 6, 2018.

SCHWEICKERT, W. D.; POHLMAN, M. C.; POHLMAN, A. S.; NIGOS, C.; PAWLIK, A. J.; ESBROOK, C. G.; SPEARS, L.; MILLER, M.; FRANCZYK, M.; DEPRIZIO, D.; SCHMIDD, G. A.; BOWMAN, A.; BARR, R.; CALLISTER, K. E.; HALL, J. B.; KRESS, J. P. The early physical and occupational treatment in mechanically ventilated patients critically ill patients: a Randomized Controlled Trial. Crit Care Med, Philadelphia, v. 373, p. 1874-1882, 2009.

CAMERON, S.; BALL, I.; CEPINSKAS, G.; CHOONG, K.; DOHERTY, T. J.; ELLIS, C. G.; FRASER, D. D. Early mobilization in the critical care unit: A review of adult and pediatric literature. Journal of critical care, v. 30, n. 4, p. 664-672, 2015.

SANTOS, L. J. Efeitos da Mobilização Precoce na Morfologia Muscular de Pacientes Críticos em Ventilação Mecânica Invasiva na Unidade de Terapia Intensiva. 126 f. Tese (Doutorado em Ciências da Saúde), Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2015

GARZON-SERRANO, J.; RYAN, C.; WAAK, K.; HIRSCHBERG, R.; TULLY, S.; BITTNER, E. A.; ZAFONTE, R. Early mobilization in critically ill patients: patients' mobilization level depends on health care provider's profession. Pm&r, v. 3, n. 4, p. 307-313, 2011.

CHIANG, L.L.; WANG, L.Y.; WU, C.P.; WU, H. D.; WU, Y. T. Effects of physical training on functional status in patients with prolonged mechanical ventilation. Physical therapy, v. 86, n. 9, p. 1271-1281, 2006

PARATZ, J. D.; KAYAMBU, G. Early exercise and attenuation of myopathy in the patient with sepsis in ICU. Physical therapy reviews, v. 16, n. 1, p. 58-65, 2011.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.