ELABORAÇÃO DE MESA DE BAIXO CUSTO PARA TREINO DA COORDENAÇÃO DO MEMBRO SUPERIOR PARÉTICO PÓS ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

Lorena Jarid Freire de Araújo, Renan Maués dos Santos, Carla Daniela Santiago Oliveira, Laís Socorro Barros da Silva, Enzo Varela Maia, Rodrigo Santiago Barbosa Rocha, Larissa Salgado de Oliveira Rocha

Resumo


Objetivo: Descrever as etapas de construção de uma mesa de atividades para treino de coordenação motora de membro superior parético pós acidente vascular encefálico (AVE). Métodos: O projeto foi executado no eixo temático de Atividade Integrada III pelos acadêmicos do curso de Fisioterapia da UEPA, sendo realizado através do PJBL (Project-Basead-Learning). Realizou-se uma visita ao ambulatório de Fisioterapia Neurofuncional da Unidade de Ensino e Assistência em Fisioterapia e Terapia Ocupacional (UEAFTO). A partir de uma problemática observada no ambulatório, surgiu a ideia de confeccionar uma mesa de baixo custo para solucionar o problema. A confecção desta se iniciou com a elaboração de um desenho, definindo o tamanho, bem como os materiais de baixo custo a serem comprados. Com o auxilio de um marceneiro, foi produzida a mesa em MDF e por fim os objetos que a compõem. Resultados: A confecção do produto teve início com a elaboração do desenho da mesa, para definir as dimensões e geometria do produto; aprimoramento, com a confecção de um protótipo do produto, seguido da montagem e acabamentos da mesa. Conclusão: É possível a confecção de uma mesa de baixo custo para o tratamento de membro superior parético em indivíduos pós AVE, no entanto, este produto será testado ainda para analisar a sua funcionalidade na prática clínica.


Palavras-chave


Acidente vascular encefálico; Baixo custo; Inovação tecnológica; Reabilitação

Referências


Cruz AT, Júnior ARP, Lima FPS, Lima MO. Efeitos da crioterapia associada à cinesioterapia e da estimulação elétrica em pacientes hemiparéticos espásticos. Fisioter. Pesqui. 2019; 26 (2): 185-189.

Ministério da Saúde (BR). Informações de saúde TABNET-Estatísticas vitais. Datasus. 2018 [Cited 2019 jan 19]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br [ Links ]

Aramaki A, Sampaio R, Cavalcanti A, Silva e Dutra F. Uso da realidade virtual centrada no cliente na reabilitação após acidente vascular encefálico: um estudo de viabilidade. Arq. Neuro-Psiquiatr 2019; 77 (9).

Ministério da Saúde (BR). Informações de saúde TABNET-Estatísticas vitais. Datasus. 2018 [Cited 2019 jan 19]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br [ Links ]

Borges FSA et al. Gene TNFA em pacientes brasileiros com acidente vascular encefálico hemorrágico ou aneurisma cerebral.J. Bras. Patol. Med. Lab. 2018; 54 (3).

Silveira JCC et al. Função motora melhora em pacientes pós-acidente vascular cerebral submetidos à terapia espelho. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2017; 3 (28):333-9.

Araujo JP, Darcis JVV, Tomas ACV, Mello WA. Tendência da Mortalidade por Acidente Vascular Cerebral no Município de Maringá, Paraná entre os Anos de 2005 a 2015. International Journal of Cardiovascular Sciences. 2018; 31 (1):56-62.

Gomes ALS, Mello FF et al. As posições do membro superior espástico nos sobreviventes de AVC podem ajudar na escolha muscular para injeções de toxina botulínica?. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2019; 77 (8).

Alfonso CG, Reyes AM et al.Atualização sobre diagnóstico e tratamento de acidente vascular cerebral isquêmico agudo. Univ. Med. 2019; 60 (3).

Arrais SLJ, Lima AM, Silva TG. Atuação dos profissionais fisioterapeutas na reabilitação do paciente vítima de acidente vascular encefálico. R. Interd. 2016; 9 (3):179-184.

Priesnitz MC et al.Prospecção da produção tecnológica da Fisioterapia. Santa Catarina: Programa de pós-graduação em administração. 2014.

Winstein C, Requejo P. Innovative Technologies for Rehabilitationand Health Promotion: WhatIstheEvidence?.PhysicalTherapy. 2015; 95(3,1):294–298.

Hatem SM, Saussez G, Della Faille M, Prist V, Zhang X, Dispa D, et al. Rehabilitation of Motor Function after Stroke: A Multiple Systematic Review Focused on Techniques to Stimulate Upper Extremity Recovery. Front Hum Neurosci. 2016;10:442.

Liu XH, Huai J, Gao J, Zhang Y, Yue SW. Constraint-induced movement therapy in treatment of acute and sub-acute stroke: a meta-analysis of 16 randomized controlled trials. Neural Regen Res. 2017;12(9):1443-50.

WouweJPV. Effectof a four-week virtual reality-based training versus conventional therapyonupperlimb motor functionafterstroke: A multicenterparallelgrouprandomizedtrial. PLoSOne. 2018; 13(10): e0204455.

Fleming MK, NewhamDJ, Rothwell, JC (2016). Explicit motor sequencelearningwiththepareticarmafterstroke. 2016 40 (3), 323–328.

Carneiro MIS, Oliveira DMD, Maciel ABDR,Cardoso ACDA, Teichrieb V, Monte Silva K. Aplicabilidade de um sistema de reabilitação motora em vítimas de acidente vascular cerebral. Fisioter. mov. 2016;29(4).

Rizzo, A; Kim, GJ. Uma análise SWOT do campo da reabilitação e terapia de realidade virtual. Presença. 2005; 14 (2): 119-46.

Bolognini, N; Pascual-Leone, A; Fregni, F. Usando estimulação cerebral não invasiva para aumentar a plasticidade induzida pelo treinamento motor. J NeuroengRehabil. 2009; 6: 8.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.