PERFIL CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO DE PACIENTES DIAGNOSTICADOS COM HANSENÍASE ATENDIDOS NO MUNICÍPIO DE BARCARENA, PARÁ

Sidney de Assis da Serra Braga, Tatiane Bahia do Vale Silva, George Alberto da Silva Dias, Ediléa Monteiro de Oliveira

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil clínico e epidemiológico de pacientes diagnosticados com hanseníase atendidos em Barcarena, estado do Pará. Métodos: estudo transversal e descritivo. Analisaram-se fichas de notificação do SINAN nos períodos de janeiro de 2013 a dezembro de 2014. As informações foram registradas em ficha própria, abordando dados sociodemográficos e clínicos. Resultados: foram 94 registros, média de 36,7 anos de idade, predominância de homens (61,7%), pardos (83%), de área urbana (62,8%), ensino fundamental incompleto (61,7%), caso novo, multibacilar (62,8%), forma clínica dimorfa (47,9%), mais de 5 lesões (36,2%), pelo menos 2 nervos acometidos, mais de 50% dos casos sem baciloscopia e Grau 0 de incapacidade em 73,4% de casos. Houve significância estatística para grau de incapacidade (GIF) x forma clínica (p< 0,0001), quantidade lesões x forma clínica (p<0,0001), quantidade de nervos x forma clínica (p<0,0001), quantidade de lesões x GIF (p<0,0008), quantidade de nervos x GIF (p<0,0001). Conclusão: constatou-se que a maioria dos pacientes eram do sexo masculino, adultos jovens, com a forma multibacilar dimorfa, evidenciando-se um diagnóstico tardio, levando ao risco de desenvolvimento de incapacidades. Sugere-se que as medidas de monitoramento e vigilância sejam fortalecidas e mais estudos epidemiológicos sejam realizados por apresentarem base para estratégias de fortalecimento das ações de controle da hanseníase.


Palavras-chave


Hanseníase; Epidemiologia; Região Amazônica; Mycobacterium leprae.

Referências


World Health Organization. Global Leprosy Strategy 2016–2020: 2016. Geneva: WHO. 2016. [acesso em Jan 2018]. https://apps.who.int/iris/handle/10665/254907.

Brasil. Ministério da Saúde. Situação epidemiológica da hanseníase - dados 2018. [citado 2018 mar 20]. https://www.saude.gov.br/.

Lima HMN, Sauaia N, Costa VRL, Neto GTC, Figueiredo PMS. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clin Med 2010; 8 (4): 323-7. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n4/a007.pdf

Cunha MHCM, Macedo GMM, Batista KNM, Xavier MB, Sa Neto S, Nascimento FSN. Avaliação clínico-epidemiológica em pacientes multibacilares em uma unidade de referência de hansenologia da amazônia. Hansen Int 2008; 33 (2): 9-16. http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/hi/v33n2/v33n2a02.pdf

Nath I, Saini C, Valluri VL. Immunology of leprosy and diagnostic challenges. Clinics in Dermatology 2015; 33 (1): 90-98. https://doi.org/10.1016/j.clindermatol.2014.07.005

Brasil. Ministério da Saúde. DATASUS. Informação em Saúde. Epidemiologia e morbidade. Hanseníase. 2017. [citado 2017 nov 12]. http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=0203&id=31032752.

Batista ES. Perfil sociodemográfico e clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em Campos dos Goytacazes, RJ. Revista Brasileira de Clínica Médica. 2011; 9 (2): 101-6. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n2/a1833.pdf

Hacker MAVB, Sales AM, Albuquerque ECA, Rangel E, Nery JAC, Duppre NC et al. Pacientes em centro de referência para hanseníase: Rio de Janeiro e Duque de Caxias, 1986-2008. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17 (9): 2533-2541. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000900033

Temoteo RCA, Souza MM, Farias MCAD, Abreu LC, Netto EM. Leprosy: evaluation in household contacts. ABCS Health Sciences. 2013; 38 (3): 133-141. https://doi.org/10.7322/abcshs.v38i3.18

Vieira GD, Aragoso I, Carvalho RMB, Sousa CM. Hanseníase em Rondônia: incidência e características dos casos notificados, 2001 a 2012. Epidemiol. Serv. Saúde. 2014; 23 (2): 269-275. http://dx.doi.org/10.5123/S167949742014000200008.

Lobato J. Antígenos naturais, recombinantes e sintéticos de Mycobacterium leprae e implicações diagnósticas na hanseníase [Tese]. São Paulo: Universidade Federal de Uberlândia; 2011.

Souza EA, Ferreira AF, Boigny RN, Alencar CH, Heukelbach J, Martins-Melo FR et al. Hanseníase e gênero no Brasil: tendências em área endêmica da região Nordeste, 2001–2014. Rev. Saúde Pública. 2018; 52: 20. https://doi.org/10.11606/S1518-8787.2018052000335

Matias SA. Análise epidemiológica e socioeconômica da incidência de hanseníase na população de Maceió – 2007 a 2012 [Dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2014.

Oliveira FFL, Macedo LC. Perfil epidemiológico dos portadores de hanseníase em um município da região Centro-Oeste do Paraná. Revista Saúde e Biol. 2012; 7 (1): 45-51. http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/sabios2/article/view/966/409

Campos SSL. Epidemiologia da hanseníase no Município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no Período de 1997 a 2003. Hansen Int. 2005; 30 (2): 167-173. http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/hi/v30n2/v30n2a03.pdf

Gomes CCD. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. Anais Brasileiros de Dermatologia. 2005; 80 (3): 73-85.

https://doi.org/10.1590/S0365-05962005001000004

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Notas técnicas, histórico da investigação sobre cor ou raça nas pesquisas domiciliares do IBGE (1872-2010) [Base de dados]. 2011. [acesso em Dez de 2017] http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/caracteristicas_raciais/notas_tecnicas.pdf

Bandeira RA. Prevalência de Hanseníase na Macro Região de Palmas, Estado do Tocantins, em 2009 [Dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2010.

Júnior AFR, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Revista Brasileira de Clínica Médica. 2012; 10 (4): 272-7. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2012/v10n4/a3046.pdf

Pinto RA, Maia HF, Silva MAF, Marback M. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes notificados com hanseníase em um hospital especializado em Salvador, Bahia. Rev. Bras. Saúde Pública. 2011; 34 (4): 906-18. http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2010/v34n4/a2162.pdf

Ramos ACV, Yamamura M, Arroyo LH, Popolin MP, Neto FC, Palha PF et al. Spatial clustering of leprosy in Brazil. PLOS Neglected Tropical Diseases. 2017; 11 (2): 1-15. http://dx.doi.org/10.1371/journal.pntd.0005381

Aben-Athar CYUP, Lima SS, Ishak R, Vallinoto, ACR. Assessment of the sensory and physical limitations imposed by leprosy in a Brazilian Amazon Population. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. 2017; 50 (2): 223-228. http://dx.doi.org/10.1590/0037-8682-0493-2016.

Tomaselli PJ. Hanseníase forma neural pura: aspectos clínicos e eletroneuromiográficos dos pacientes avaliados no serviço de doenças neuromusculares do HCRP da USP no período de março de 2001 a março de 2013 [Dissertação]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2014.

Souza CDF, Rocha WJSAF, Lima RC. Distribuição espacial da endemia hansênica em menores de 15 anos em Juazeiro-Bahia, entre 2003 e 2012. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde. 2014; 10 (19): 35-49. http://www.seer.ufu.br/index.php/hygeia/article/view/27120/15776

Brito KKG. Análise epidemiológica e temporal da hanseníase na Paraíba [Dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2014.

Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CMF. Fatores preditivos de incapacidades em pacientes com hanseníase. Rev. Saúde Pública. 2009; 43 (2): 267-74. https://www.scielosp.org/pdf/rsp/2009.v43n2/267-274

Lima LS, Jadão FRS, Fonseca RNM, Junior GFS, Neto RCB. Caracterização clínica-epidemiológica dos pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Caxias, MA. Revista Brasileira de Clínica Médica. 2009; 7 (1): 74-83. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2009/v7n2/a001.pdf


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.