BENEFÍCIOS DAS HABILIDADES MOTORAS FUNDAMENTAIS NA SAÚDE DAS CRIANÇAS: UMA REVISÃO NARRATIVA

Anderson dos Santos Carvalho, Nandhara Gabriela Ferreira da Silva, Pedro Pugliesi Abdalla, Leandro Alves da Cunha, Aline Madia Mantovani

Resumo


Objetivo deste estudo é apresentar os benefícios das Habilidades Motoras Fundamentais (HMFs) na infância e seus reflexos para vida adulta. Este é um estudo de revisão narrativa e de caráter explicativo. As HMFs são consideradas competências motoras de base, cujo desenvolvimento surge prioritariamente na infância. Elas direcionam para sequências especializadas de movimentos básicos, necessários para a participação dos indivíduos em diferentes atividades motoras (cotidianas, recreativas ou esportivas), em busca da promoção de um estilo de vida saudável. É na infância que se pode determinar se um indivíduo se tornará um adulto fisicamente ativo ou não. Nessa fase o estágio proficiente das HMFs deve ser alcançado. A ausência de movimento e do estágio proficiente está associada a hábitos sedentários (inatividade física) e, consequentemente, podem aumentar o risco para diversas doenças crônicas degenerativas que se manifestam na vida adulta. Todavia, é de extrema importância que os profissionais de educação física estimulem as crianças e as orientem para desenvolverem suas HMFs, necessárias para terem movimentos mecanicamente eficientes, coordenados e controlados e adquirirem um estilo de vida ativo fisicamente. 

Palavras-chave


Atividade Física. Desenvolvimento motor. Educação Física. Escola.

Referências


Barnett LM, Minto C, Lander NLHL. Interrater reliability assessment using the Test of Gross Motor Development-2. Journal of Science and Medicine in Sport. 2013; 1 (1):1-4.

Gallahue DL, Ozmun JC, Goodway JD. Compreendendo o desenvolvimento motor: bebês, crianças, adolescentes e adultos. 7 ed. Phorte, editor. São Paulo 2013.

Burns RD, Fu Y, Hannon JC, Brusseau TA. School Physical Activity Programming and Gross Motor Skills in Children. American Journal of Health Behavior: Philosophy of the Journal. 2017;41(5):591-8.

Bardid F, Lenoir M, Huyben F, Martelaer K, Seghers J, Goodway JD, et al. The effectiveness of a community-based fundamental motor skill intervention in children aged 3–8 years: Results of the “Multimove for Kids” project. Journal of Science and Medicine in Sport. 2017;20:184-9.

Morgan PJ, Barnett LM, Cliff DP, Okelly AD, Scott HA, Cohen KE, et al. Fundamental Movement Skill Interventions in Youth: A Systematic Review and Meta-analysis. American Academy of Pediatrics. 2013;1(1):1361–83.

Silva DAS, Lima JO, Silva RJS, Prado RL. Nível de atividade física e comportamento sedentário em escolares. Revista brasileira cineantropometria desempenho humano. 2011;11(3):299–306.

Willians HG, Pfeiffer KA, Neill JR, Dowda M, Mciver KL, Brown WH. Motor skill performance and physical activity preschool children. Obesity. 2008;16(6).

Carvalho AdS. Habilidades motoras fundamentais e nível de atividade física de crianças: um estudo com escolares do ensino fundamental [tese]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo; 2019.

Souza MS, Spessato BC, Valentini NC. Percepção de competência motora e índice de massa corporal influenciam os níveis de atividade física? . Revista Brasileira Ciência e Movimento. 2014;22(2):78-86.

Brauner LM, Valentini NC. Análise do desempenho motor de crianças participantes de um programa de atividades física. Revista de Educação Física da UEM. 2009;20(2):205-16.

Spessato BC, Gabbard C, Valentini NC. The role of motor competence and body mass index in children’s activity levels in physical education classes. Journal of Teaching in Physical Education. 2013;32(1):118-30.

Lopes LO, Lopes VP, Santos R, Pereira OP. Associações entre actividade física, habilidades e coordenação motora em crianças portuguesas. Revista Brasileira Cineantropometria e Desempenho Humano. 2011;13(1):15-21.

Guedes DP, Almeida FN, Neto JTM, Maia M, F. M;, Tolentino T, M. Baixo peso corporal/magreza, sobrepeso e obesidade de crianças e adolescentes de uma região brasileira de baixo desenvolvimento econômico. Revista Paulista de Pediatria. 2013;31(4):437-43.

Rivera IR, Silva MAM, Silva RDATA, Oliveira BAV, Carvalho ACC. Atividade física, horas de assistência à TV e composição corporal em crianças e adolescentes. Arquivo Brasileiro de Cardiologia 2010;95(2):159-65.

Rosa CSC, Messias KP, Fernandes RA, Silva CB, Monteiro HL, Freitas Júnior IM. Atividade física habitual de crianças e adolescentes mensurada por pedômetro e sua relação com índices nutricionais. Revista brasileira cineantropometria desempenho humano. 2011;13(1):22-8.

Bellows LL, Davies PL, Courtney JB, Gavin WJ, Johnson SL, Boles RE. Motor skill development in low-income, at-risk preschoolers: A community-based longitudinal intervention study. Journal of Science and Medicine in Sport. 2017;1:1-6.

Brusseau TA, Burns RD. Physical Activity, Health-Related Fitness, and Classroom Behavior in Children: A Discriminant Function Analysis. Research Quarterly for Exercise and Sport. 2018;89(4):411-7.

Barbanti VJ. Dicionário de educação física e do esporte.1994.

Cafruni CB, Valadão RCD, Mello ED. Como avaliar a atividade física? . Revista brasileira de ciências da saúde. 2012;33:61-70.

Brian A, Goodway JD, Logan JA, Sutherland S. SKIPing With Head Start Teachers: Influence of TSKIP on Object-Control Skills. Research Quarterly for Exercise and Sport. 2017;88(4):13.

Lopes LO, Lopes VP, Santos R, Pereira OP. Associações entre actividade física, habilidades e coordenação motora em crianças portuguesas. DOI: 105007/1980-0037. 2011;13(1):15-21.

Arundell L, Hinkley T, Veitch J, Salmon J. Contribution of the After-School Period to Children’s Daily Participation in Physical Activity and Sedentary Behaviours. Plos One. 2015;30(10):1-11.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.