PERFIL DOS PACIENTES DIAGNOSTICADOS COM HANSENÍASE ATENDIDOS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE REFERÊNCIA EM BELÉM-PA

Sidney de Assis da Serra Braga, Jailson Oliveira da Cruz, Izabel Cristina Ataíde da Silva de Moura, Alex Maciel Brasil, Lorena Luiza Braga Carvalló, Wiviane Maria Torres de Matos Freitas

Resumo


Objetivo: Descrever o perfil clínico e epidemiológico de portadores de hanseníase submetidos ao atendimento na Unidade Municipal de Saúde da Marambaia no município de Belém – PA. Método: Estudo observacional, descritivo e retrospectivo, com variáveis quantitativas. Foram analisados prontuários de pessoas atendidas nos períodos de janeiro de 2007 a dezembro de 2011. As informações foram registradas em ficha própria, abordando dados demográficos e clínicos. Os dados foram analisados por meio do Teste z e teste de Correlação de Pearson. Resultados: A amostra foi de 127 prontuários, obtendo variáveis demográficas como a média de 39,48 anos de idade, predominância do sexo masculino (51,00%), maioria eram pessoas da raça parda (15,75%), e pertencentes à área urbana (97%), com grau de escolaridade de ensino médio completo ou incompleto. As variáveis clínicas encontradas foi o tipo Multibacilar incidente em 54% casos, não demonstrando significância estatística entre os tipos clínicos (p=1.0). Foi identificada a presença de manchas na maioria dos indivíduos (70%), correspondentes a maior parte de 2 a 5 lesões corporais. Não foi observada relação estatisticamente significante quanto ao grau de incapacidade x forma clínica (p= 0.5). Houve o registro de 77 casos com grau 0 de comprometimento. Conclusão: Identificou-se um perfil de indivíduos do sexo masculino, com média de idade de 39,48 anos, pardos, provenientes de área urbana. A maioria apresentou-se como caso novo e com a forma multibacilar dimorfa, apresentando a mancha como o principal tipo de lesão.



Palavras-chave


Hanseníase, Epidemiologia, Incapacidade, Pará

Referências


Opromolla, DVA. Noções de hansenologia. Bauru: Instituto Lauro de Souza Lima, 2000.

World Health Organization. Global Leprosy Strategy 2016–2020: 2016. Geneva: WHO. 2016. [acesso em Jan 2018]. https://apps.who.int/iris/handle/10665/254907.

BRASIL. Ministério da Saúde. Situação epidemiológica - dados 2018. Disponível em: http://portalsaude. saude.gov.br. Acesso no dia 20 de abril de 2018.

Lastória JC, Abreu MAMM. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento. 2012; 17 (4): 173-9. http://files.bvs.br/upload/S/14139979/2012/v17n4/a3329.pdf

Sampaio SAP, Rivitti EA. Dermatologia. São Paulo: Artes Médicas, 1998.

Aquino DMC, Caldas AJM, Silva AAM, Costa, JML. Perfil dos pacientes com hanseníase em área hiperendêmica da Amazônia no Maranhão, Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2003; 36 (1): 57-64. https://doi.org/10.1590/S0037-86822003000100009.

Hacker MAVB, Sales AM, Albuquerque ECA, Rangel E, Nery JAC, Duppre NC et al. Pacientes em centro de referência para hanseníase: Rio de Janeiro e Duque de Caxias, 1986-2008. Revista Ciência & Saúde Coletiva. 2012; 17 (9): 2533-2541. https://doi.org/10.1590/S1413-81232012000900033.

Lobato DC, Neves DCO, Xavier MB. Avaliação das ações da vigilância de contatos domiciliares de pacientes com hanseníase. Rev Pan-Amaz Saude. 2016; 7(1): 45-53. http://scielo.iec.gov.br/pdf/rpas/v7n1/v7n1a06.pdf

Gomes CCD, Pontes MAA, Gonçalves HS, Penna GO. Perfil clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em um centro de referência na região nordeste do Brasil. An Bras Dermatol. 2005; 80 (3): S283-8. https://doi.org/10.1590/S0365-05962005001000004

Oliveira FFL, Macedo LC. Perfil epidemiológico dos portadores de hanseníase em um município da região Centro-Oeste do Paraná. SaBios: Rev. Saúde e Biol. 2012; 7 (1): 45-51. http://revista2.grupointegrado.br/revista/index.php/sabios2/article/view/966/409

Campos SSL, Ramos Jr AN, Kerr-Pontes LRS, Heukelbach J. Epidemiologia da hanseníase no Município de Sobral, Estado do Ceará-Brasil, no Período de 1997 a 2003. Hansen. Int. 2005; 30 (2): 167-173. http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/hi/v30n2/v30n2a03.pdf

Batista ES, Campos RX, Queiroz RCG, Siqueira SL, Pereira SM, Pacheco TJ, et al. Perfil sociodemográfico e clínico-epidemiológico dos pacientes diagnosticados com hanseníase em Campos dos Goytacazes, RJ. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2011; 9(2):101-6. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n2/a1833.pdf

Ribeiro Júnior AF, Vieira MA, Caldeira AP. Perfil epidemiológico da hanseníase em uma cidade endêmica no Norte de Minas Gerais. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2012 jul-ago;10(4):272-7. http://files.bvs.br/upload/S/16791010/2012/v10n4/a3046.pdf

BRASIL. Ministério da Saúde. Distribuição da Hanseníase no Brasil [Base de dados]. Brasília: Secretaria de Vigilância em Saúde. 2013. [acesso em Dez 2017]. http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2014/junho/11/BE-2013-44--11----Hanseniase.pdf.

Lima LS, Jadão FRS, Fonseca RNM, Junior GFS, Neto RCB. Caracterização clínica-epidemiológica dos pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Caxias, MA. Rev Bras Clin Med, 2009;7:74-83. http://files.bvs.br/upload/S/16791010/2009/v7n2/a001.pdf

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Notas técnicas, histórico da investigação sobre cor ou raça nas pesquisas domiciliares do IBGE (1872-2010) [Base de dados]. 2011. [acesso em Dez de 2017] http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/caracteristicas_raciais/notas_tecnicas.pdf

Palácios VRCM, Dias RS, Neves DCO. Estudo da situação da hanseníase no estado do Pará. Revista Paraense de Medicina. 2010; 24 (2): 49-56. http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2010/v24n2/a2122.pdf

Bandeira RA. Prevalência de Hanseníase na Macrorregião de Palmas, Estado do Tocantins, em 2009 [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília; 2010.

Pinto RA, Maia HF, Silva MAF, Marback M. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes notificados com hanseníase em um hospital especializado em Salvador, Bahia. Rev B.S.Publica. 2011; 34 (4): 906-18, 2011. http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2010/v34n4/a2162.pdf

Mello RS, Popoaski MCP, Nunes DH. Perfil dos pacientes portadores de Hanseníase na Região Sul do Estado de Santa Catarina no período de 01 de janeiro de 1999 a 31 de dezembro de 2003. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2006; 35 (1). http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/352.pdf

Mendonça VA, Costa RD, Brito-Melo GE, Antunes CM, Teixeira AL. Imunologia da hanseníase. An Bras Dermatol. 2008; 83 (4): 343-50. http://dx.doi.org/10.1590/S0365-05962008000400010

Lima HMN, Sauaia N, Costa VRL, Neto GTC, Figueiredo PMS. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clin Med 2010; 8 (4): 323-7. http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n4/a007.pdf

CUNHA MHCM, MACEDO GMM, BATISTA KNM, XAVIER MB, SA NETO S, NASCIMENTO, FSN. Avaliação clínico-epidemiológica em pacientes multibacilares em uma unidade de referência de hansenologia da Amazônia. Hansen Int. 2008; 33 (2): 9-16. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/lil-789333


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.