ATUAÇÃO DA FISIOTERAPIA NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIO DE CARDIOPATIA CONGÊNITA EM PACIENTES PEDIÁTRICOS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Thainara da Silva Brito, Leilane Ramos Bentes, Danilo Hanna Oliveira, Fabiano José da Silva Boulhosa

Resumo


As cardiopatias congênitas são anomalias que acometem crianças podendo levar ao óbito se não houver uma intervenção precoce. Em um procedimento cirúrgico para melhorar o desempenho do shunt cardíaco, é de extrema importância que haja atuação fisioterapêutica no pré e pós-operatório a fim de que sejam evitadas complicações secundárias principalmente as pulmonares, reduzindo assim o shunt pulmonar. Diante disso, o estudo tem como objetivo analisar a atuação da Fisioterapia no pré e pós-operatório de cardiopatia congênita em pacientes pediátricos.É uma revisão de literatura, com busca na base de dados SciELO, Pubmed, Lilacs, PEDro, Biblioteca Virtual de Saúde e artigos da Assobrafir Ciência. Foram encontrados cem artigos, mas apenas cinco corroboraram com o presente estudo.A fisioterapia tem um papel fundamental no pré e pós-cirurgia de cardiopatia congênita que possuem shunt cardíaco alterado e possíveis complicações secundárias com modificações no shunt pulmonar, sendo assim o fisioterapeuta com suas técnicas, melhora a capacidade cardiorrespiratória e a funcional e consequentemente a qualidade de vida. Mas, ainda se tem uma escassez e limitação de literaturas sobre essa temática, necessitando de mais estudos e profissionais da fisioterapia especializada na área.

Palavras-chave


Fisioterapia, cardiopatia congênita e pediatria.

Referências


Monteiro DADS, Forti FDS, Suassuna VAL. A atuação da fisioterapia pré e pós-operatória nas complicações respiratórias em pacientes com cardiopatias congênitas. Fisioterapia Brasil, São Paulo, 2018, v. 19, n. 3.

Jesus VSD, Nascimento AM, Miranda RA, Lima JS, Tyll MAG, Veríssimo AOL, Fila de Espera para Tratamento de Pacientes com Cardiopatia Congênita: Retrato de um Centro de Referência Amazônico. International Journal of Cardiovascular Sciences, Belém/PA, 2018, v. 31, n. 4, p. 374-382.

Miranda VSG, Souza PC, Etges CL, Barbosa LR. Parâmetros cardiorrespiratórios em bebês cardiopatas: variações durante a alimentação. In: CoDAS, 2019, p. e20180153-e20180153.

Souza PC, Gigoski VS, Etges CL, Barbosa LR. Achados da avaliação clínica da deglutição em lactentes cardiopatas pós-cirúrgicos. In: CoDAS, 2018, p. e20170024-e20170024.

Leal LS, Silva RLM, Aita KMSC, Monteiro RPA, Montalvão TC. Avaliação do desenvolvimento motor de crianças portadoras de cardiopatia congênita. International Journal of Cardiovascular Sciences, 2016, v. 29, n. 2, p. 103-109.

Tasso JDP. Alterações hemodinâmicas provocadas pela fisioterapia em crianças cardiopatas: Uma revisão de literatura. 2017. 19 pág. Universidade de São Paulo- Faculdade de medicina de Ribeirão preto, SP.

Da Costa CH, Rufino R. Hipertensão arterial pulmonar associada às cardiopatias congênitas. Pulmão RJ, 2015, v. 24, n. 2, p. 43-46.

Amaral IGS, Corrêa VAC, Aita KMSC. Perfil de independência no autocuidado da criança com Síndrome de Down e com cardiopatia congênita. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, São Carlos, 2019, v. 27, n. 3, p. 555-563.

Aita KMSC, Souza AM. Cenas sobre a morte, reveladas pela criança cardiopata, por abrir o coração. Revista NUFEN, Belém, 2016, v. 8, n. 1, p. 141-162.

Peña JRA et al. Comparación de oxímetros para detección de cardiopatías congénitas críticas. Archivos de cardiologia de México, 2019, v. 89, n. 2, p. 172-180.

Leal LS, Silva RLM, Aita KMSC, Monteiro RPA, Montalvão TC. Avaliação do desenvolvimento motor de crianças portadoras de cardiopatia congênita. International Journal of Cardiovascular Sciences, 2016, v. 29, n. 2, p. 103-109.

Cavenaghi S, Moura SCG, Silva TH, Venturinelli TD, Marino LHC, Lamari NM. Importância da fisioterapia no pré e pós-operatório de cirurgia cardíaca pediátrica. Rev Bras Cir Cardiovasc 2009; 24(3): 397-400.

Silva MEM et al, Cirurgia cardíaca pediátrica: o que esperar da intervenção fisioterapêutica?. Rev Bras Cir Cardiovasc 2011;26(2):264-72.

Felcar JM, Guitti JCS, Marson AC, Cardoso JR. Fisioterapia pré-operatória na prevenção das complicações pulmonares em cirurgia cardíaca pediátrica. Rev Bras CirCardiovasc, 2008, 23(3):383-8.

Westerdahl E, Tenling A. Preoperative physical therapy reduces risk of postoperative atelectasis and pneumonia in people undergoing elective cardiac surgery. Evidence-based nursing, 2014, 17.1: 13-14.

Beningfield A, Jones A. Peri-operative chest physiotherapy for paediatric cardiac patients: a systematic review and meta-analysis. Physiotherapy, 2018, v. 104, n. 3, p. 251-263.

De Assumpção MS, Gonçalves RM, Krygierowicz LR, Orlando ACT, Schivinski CIS. Vibrocompressão manual e aspiração nasotraqueal no pós-operatório de lactentes cardiopatas. Revista Paulista de Pediatria, 2013, 31.4: 507-515.

Faria DB, Machado FB, Leite PH, Correa PR. Avaliação do nível da pressão positiva expiratória como recurso fisioterapêutico no pós-operatório de transplante cardíaco. Arq. Ciênc. saúde, 2007, v. 14, n. 2, p. 122-124.

Silva CRS, Andrade LB, Maux DASX, Bezerra AL, Duarte MCMB. Effectiveness of prophylactic non-invasive ventilation on respiratory function in the postoperative phase of pediatric cardiac surgery: a randomized controlled trial. Brazilian journal of physical therapy, 2016, v. 20, n. 6, p. 494-501.

Gupta P et al. Efficacy and predictors of success of noninvasive ventilation for prevention of extubation failure in critically ill children with heart disease. Pediatric cardiology, 2013, 34.4: 964-977.

DA SILVA LN et al. Retirada precoce do leito no pós-operatório de cirurgia cardíaca: repercussões cardiorrespiratórias e efeitos na força muscular respiratória e periférica, na capacidade funcional e função pulmonar. ASSOBRAFIR Ciência, 2017, v. 8, n. 2, p. 25-40.

Feliciano VDA et al. A influência da mobilização precoce no tempo de internamento na Unidade de Terapia Intensiva. Assobrafir Ciência, 2012, v. 3, n. 2, p. 31-42.

Piva TC, Ferrari RS; Schaan CW. Protocolos de mobilização precoce no paciente crítico pediátrico: revisão sistemática. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2019, v. 31, n. 2, p. 248-257.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.