EFEITOS DE DOIS PROTOCOLOS FISIOTERAPÊUTICOS NA DOR LOMBAR CRÔNICA INESPECÍFICA EM ACADÊMICAS DE FISIOTERAPIA

Rafael Diego Farias Tavares, Bruno Leonardo Simões da Costa, Christian Pacheco de Almeida, Steffany da Silva Trindade, Tereza Cristina dos Reis Ferreira

Resumo


Objetivo: Avaliar os efeitos do alongamento terapêutico e da estabilização segmentar na dor, na flexibilidade da cadeia muscular posterior, na capacidade de contração do músculo transverso do abdome (TrA) e na incapacidade funcional. Métodos: Foram realizadas 10 sessões de um programa de alongamento (n=6) e de um programa de alongamento associado à estabilização segmentar lombar (n=6), divididos em dois grupos de forma randomizada, em acadêmicas do Curso de Fisioterapia da UEPA, que sofriam de dor lombar crônica inespecífica. Como instrumento avaliativo, foram utilizados a Escala Visual Analógica da dor, teste de flexibilidade (distancia mão-pé), força de contração do TrA e questionário de Oswestry. Resultados: Foram analisadas as características antropométricas, apresentando diferença estatística nas variáveis peso, IMC e idade. No Grupo 1, houve diferença estatística nas variáveis dor, flexibilidade e índice de incapacidade. E no Grupo 2 todas apresentaram diferença estatística. Conclusão: Os programas utilizados nesse estudo apresentaram melhoras estatisticamente significantes nas variáveis: dor, incapacidade funcional e no aumento da flexibilidade global; porém na variável capacidade de contração TrA, obteve-se diferença estatisticamente significante somente no Grupo 2.

Palavras-chave


Exercícios de Alongamento Muscular, Dor Lombar, Modalidades de Fisioterapia

Referências


Andrade SC, Araujo AGR, Vilar MJP. Escola de coluna: revisão histórica e sua aplicação na lombalgia crônica. Rev. Bras. Reumatol. 2005; 45:224–228.

Ford J, Story I, O’sullivan P, Mcmeeken J. Classification systems for low back pain: a review of the methodology for development and validation. Phys. Ther. Rev. 2007; 12:33–42.

Middelkoop M, Rubinstein SM, Verhagen AP et al. Exercise therapy for chronic nonspecific low-back pain. Best. Pract. Res. Clin. Rheumatol. 2010; 24(2): 193204.

Gouveia KMC, Gouveia EC. O músculo transverso abdominal e sua função de estabilização da coluna lombar. Fisioter. Mov. 2008; 21: 45-50.

Pires FO, Samulski DM. Visão interdisciplinar na lombalgia crônica, causada por tensão muscular. Rev. Bras. Ciênc. Mov. 2006; 14(1): 13-20.

Stefane T, Santos AM, Marinovic A, Hortense P. Dor lombar crônica: intensidade de dor, incapacidade e qualidade de vida. Acta Paul. Enferm. 2013; 26(1): 14-20.

Guedes FG, Machado APNB. Fatores que influenciam no aparecimento das dores na coluna vertebral de acadêmicos de fisioterapia. Estação Científica Online (Ed. Esp. Saúde). Juiz de Fora 5: 2008.

Siqueira GR, Cahú FGM, Vieira RAG. Ocorrência de lombalgia em fisioterapeutas da cidade de Recife, Pernambuco. Rev. Bras. Fisioter. 2008; 12(3): 222-227.

Morales JC, Facci LM. Prevalência de lombalgia em alunos de fisioterapia e sua relação com a postura sentada. VI EPCC. CESUMAR – Centro Universitário de Maringá. 2009: 1-6.

Silva JL, Silva CF, Macedo AB. Prevalência das alterações posturais e percepção de dor nos discentes e supervisores do 8° período do curso de fisioterapia do centro de ensino superior de catalão – CESUC. Rev Eletr “Saúde CESUC” - Centro de Ensino Superior de Catalão, 2010; 1(1): 1-18.

Lucas RWC. Terapêutica (Método STS – Strength Training Strategies): cinesioalongamento. Curitiba: Ed Digital; 2003.

Richardson C, Hodges P, Hides J. Therapeutic Exercise for lumbopelvic stabilization. A motor Control Approach for the Treatment and Prevention of low Back Pain. 2 ed. Churchill Livingstone; 2004.

Mannion AF, Balagué F, Pellisé F, Cedraschi C. Measurement in patients with low back pain. Nat. Clin. Pract. Rheumatol. 2007; 3(11): 610-618.

Takala EP, Viikari E. Functional tests predict low back pain? Spine. 200; 25(16): 2126-2132.

Vigatto R, Alexandre NMC, Filho HRC. Development of a brazilian portuguese version of the oswestry disability index. Spine. 2007; 32(4): 481-486.

Furtado RNV, Ribeiroa LH, Abdo Ba, Descio FJ, Junior CEM, Serruya DC. Dor lombar inespecífica em adultos jovens: fatores de risco associados. Rev. Bras. Reumatol. 2014; 54(5): 371–377.

Silva FFDF, Marçal MA, Nicácio AS. Avaliação da prevalência de lombalgia em estudantes de fisioterapia durante estágio ambulatorial. Rev. Bras. Fisioter. 2007; 52(11): 171–177.

Ribeiro CAN; Moreira D. O exercício terapêutico no tratamento da lombalgia crônica: uma revisão da literatura. R. bras. Ci. e Mov 2010;18(4):100-108.

Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos: fundamentos e técnicas. 4 ed. São Paulo: Manole; 2005.

Santos RM, Freitas DG, Pinheiro ICO, Vantin KE, Gualberto HD. Estabilização segmentar lombar. Med. Reabil. 2011; 30(1): 14-17.

França FR, Burke TN, Caffaro RR, Ramos LA, Marques AP. Effects of muscular stretching and segmental stabilization on functional disability and pain in patients with chronic low back pain: a randomized, controlled trial. J. Manipulative Physiol. Ther. 2012; 35(4): 279-285.

Puppin MAFL, Marques AP, Silva AG, Neto HAF. Alongamento muscular na dor lombar crônica inespecífica: uma estratégia do método GDS. Fisioter. Pesq. 2011; 18(2): 116-121.

Pereira NT, Ferreira LAB, Pereira WM. Efetividade de exercícios de estabilização segmentar sobre a dor lombar crônica mecânico-postural. Fisioter. Mov. 2010; 23(4): 605-614.

Norris C, Matthews M. The role of an integrated back stability program in patients with chronic low back pain. Complement. Ther. Clin. Pract. 2008; 14(4): 255-263.

Ferreira P, Ferreira M, Maher C, Refshauge K, Herbert R, Hodges P. Changes in recruitment of transversus abdominis correlate with disability in people with chronic low back pain. Br J Sports Med. 2010; 44(16): 1166-1172.

Achour JR. Bases para exercícios de alongamento: relacionado com saúde e no desempenho atlético. 2a ed. São Paulo: Phorte; 1999.

Jesus CS. A mobilização do sistema nervoso e seus efeitos no alongamento da musculatura ísquiotibial. Rev Terapia Manual. 2004; 2(4): 162-165.

Filho JM, Eduardo FMC, Moser ADL. Isokinetic performance, functionality, and pain level before and after lumbar and pelvic estabilization exercise in individuals with chronic low back pain. Fisioter. Mov. 2014; 27(3): 447-455.

Mallmann JC, Moesch J, Tomé F, Vieira L, Ciqueleiro RT, Bertolini GRF. Comparação entre o efeito imediato e agudo de três protocolos de alongamento dos músculos isquiotibiais e paravertebrais. Rev Bras Clin Med. São Paulo, 2011 set-out;9(5):354-359.

O’hora J, Cartwright A, Wade CD, Hough AD, Shum GL. Efficacy of TSAtic stretching and proprioceptive neuromuscular facilitation stretch on hamstrings length after a single session. J Strength Cond Res. 2011; 25(6): 1586-1591.

Polachini LO, Fusazaki L, Tamaso M, Tellini GG, Masiero D. Estudo comparativo entre três métodos de avaliação do encurtamento de musculatura posterior de coxa. Rev Bras Fisioter. 2005; 9(2): 187-193.

Baltaci G, Un N, Tunay V, Besler A, Gerçeker S. Comparison of three different sit and reach tests for measurement of hamstring flexibility in female university students. Br J Sports Med. 2003; 37(1): 59-61.

Sampaio RF, Mancini MC, Gonçalves GGP, Bittencourt NFN, Miranda AD, Fonseca ST. Aplicação da classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e saúde (CIF) na prática clínica do fisioterapeuta. Rev. Bras. Fisioter. 2005; 9(2): 126-129.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.