PREVALÊNCIA DE INCAPACIDADES EM PACIENTES PORTADORES DE HANSENÍASE ATENDIDOS NO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA DO MARCO E UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ

Emerson Frank Moreira de Souza, Carla Caroline Silva Siqueira, Eduardo Augusto Silva Monteiro, Jadson José Guimarães da Poça, João Pedro dos Reis da Costa, Tereza Cristina dos Reis Ferreira

Resumo


OBJETIVO: Verificar a prevalência de incapacidades em MMSS e MMII de pacientes com hanseníase atendidos no Centro Saúde Escola do Marco (CSEM) e na Universidade do Estado do Pará. MÉTODOS: Trata-se de um estudo transversal, descritiva, quantitativa, onde foram avaliados 24 pacientes em tratamento medicamentoso nas referidas unidades, submetidos à palpação dos nervos periféricos, avaliação da força muscular por meio do teste manual e da sensibilidade com monofilamentos de Semmes-Weinstein. RESULTADOS: Observou-se que 14 pacientes eram do sexo masculino, a média de idade foi de 41±20 anos e que a forma clínica predominante foi a multibacilar (79,2%). A palpação dos nervos periféricos não evidenciou número elevado de nervos acometidos, entretanto destacou-se em MMSS o nervo ulnar (p=0.0142) e em MMII igual comprometimento para o fibular e o tibial posterior (p=0.0075). Em relação ao teste de força muscular manual a maioria apresentou grau 5. Na avaliação da sensibilidade pelos monofilamentos os pacientes apresentaram respostas maiores ao monofilamento verde para todos os pontos da mão, e no pé nos pontos H, M e N (29,2%), porém ambos os segmentos sem significância estatística. CONCLUSÃO: Os dados apresentaram baixa prevalência de incapacidades mesmo sendo a forma clínica mais frequente a MB, sugerindo adesão ao tratamento medicamentoso e que as medidas de monitoramento deverão ser continuadas para que as incapacidades não ocorram.


Palavras-chave


Hanseníase; Doenças do Sistema Nervoso; Pessoas com Deficiência; Prevalência; Epidemiologia.

Referências


Leão RNQD, Bichara, CNC, Neto HF, Vasconcelos PFDC. Medicina Tropical e Infectologia na Amazônia. Belém: Samauma, 2013.

Trierveiler J, Rosa MC, Bastiani J, Bellagaurda MLR. Trajetória Histórica do Controle e do Cuidado da Hanseníase no Brasil. [Monografia na internet] [citado 2014 fev 04] 2010. Disponível em: http://www.here.abennacional.org.br/here/n3vol2artigo4.pdf

Fernandes EB, Ribeiro SM. Hanseniase Segundo Suas Formas e Classificação. [Monografia na internet] [citado 2014 fev 02] 2008. Disponível em: www.revista.ulbrajp.edu.br/seer/inicia/ojs/include/getdoc.php?id.

Pedro HSP, Nardi SMT, Ferreira MIP, Goloni MRA, Ferreira EAR, Rossit ARB, et al. Hanseníase : Comparação Entre a Classificação Operacional No Sistema de Informação de Agravos de Notificação e o Resultado da Baciloscopia. Hansen Int. 2009, 34 (2),13-19. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-51612009000200002&lng=pt&nrm=iss

Lockwood DNJ. Leprosy. In: __Textbook of Dermatology.7ª ed. Massachusetts:Blackwell, 2004, 749 – 765.

Arantes CK, Garcia MLR, Felipe MS, Nardi SMT, Paschoal VDA. Avaliação dos Serviços de Saúde em Relação ao Diagnóstico Precoce da Hanseníase. Rev. Epidemiol. Serv. Saúde, 2010, Brasília, abr-jun,19 (2),155-164. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?pid=S167949742010000200008&script=sci_arttext&tlng=en

Boechat N, Pinheiro LCS. A Hanseníase e a sua Quimioterapia. Rev. Virtual Quim. v.4, n. 3, p. 247-256, 2012. Disponível em: http://rvq-sub.sbq.org.br/index.php/rvq/article/view/236

SESPA. Sespa informa que a taxa de cura da hanseníase é de 79% no Pará. [Reportagem na internet] 2014 [Citado 2014 fev 02]. Disponível em: http://gov-pa.jusbrasil.com.br/politica/112354410/sespa-informa-que-a-taxa-de-cura-da-hanseniase-e-de-79-no-para.

Bernardes CA, Santos AFD, Padovani CTJ, Santos LFD. Incapacidade Física em Hansenianos de Campo Grande – Mato Grosso do Sul. Hansen Int. 2009. 34, (1), 17-25. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-51612009000100003&lng=p&nrm=iso&tlng=p

Gonçalves SD, Sampaio RF, Antunes CMF. Ocorrência de Neurite em Pacientes com Hanseníase: Análise de Sobrevida e Fatores Preditivos. Rev. Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2008, set-out,41 (5), 464-469. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037-86822008000500006&script=sci_arttext

Morais CA, Sousa PS, Cunha FMAM. Perfil Epidemiológico De Hanseníase Na Cidade De Sobral [Artigo na internet] 2010 [Citado 2014 fev 04]. Disponível em: www.inta.edu.br/SouINTA/artigos/perfil-epidemiologico-de-hanseniase-na-cidade-de-sobral. Acesso em: 04 fev. 2014.

BRASIL. Manual de Prevenção de Incapacidades. Normas e Manuais Técnicos - Cadernos de Prevenção e Reabilitação em Hanseníase. 2008 Brasília, Série A. n. 1.

Kendall FP. Músculos: Provas e Funções. 5. ed. São Paulo: Manole, 2007. 528 p.

Ayres M, Ayres JM, Ayres DL, Santos AAS. BioEstat 5: Aplicações Estatísticas nas Áreas das Ciências Biológicas e Médicas. 5. ed. Belém-PA: Publicações Avulsas do Mamirauá, 2007. 361 p.

BRASIL. Linha de Cuidado da Hanseníase. Subsecretaria de Atenção Primária, Vigilância e Promoção da Saúde. Rio de Janeiro, 2010.

Silva AS, Cunha PB, Lobo KS, Sousa SSS, Pinheiro VCS, Bezerra JMT. Incidência da Hanseniase, Segundo Sexo, Faixa Etária, Tipos de Lesões e Formas Clínicas no Município de Caxias – Maranhão. [ Artigo na Internet][Citado 2014 nov 29] Disponível em: http://www.sbpcnet.org.br/livro/63ra/resumos/resumos/2311.htm

Sousa AA, Oliveira FJF, Costa ACPJ, Neto MS, Cavalcante EFO, FERREIRA AGN. Adesão ao Tratamento da Hanseníase por Pacientes Acompanhados em Unidades Básicas de Saúde de Imperatriz-Ma. Rev SANARE, Sobral. 2013, jan./jun. 12 (1), 06-12. Disponível em: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/322

Sobrinho SK, Mattos ED. Perfil Epidemiológico dos Pacientes com Hanseníase no Município de Londrina/PR. UNOPAR Cient., Ciênc. Biol. Saúde. 2009;11(4):9-14. Disponível em: https://revista.pgsskroton.com/index.php/JHealthSci/article/view/1424

Rodini FCB, Gonçalves M, Barros ARSB, Mazzer N, Elui VMC, FONSECA MCR. Prevenção de incapacidade na hanseníase com apoio em um manual de autocuidado para pacientes. Fisioterapia e Pesquisa, 2010 abr/jun. São Paulo, 17 (2), 157-66. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=%22S1809-29502010000200012%22&script=sci_arttext

Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Medicina Tropical. 2010, jan-fev. 43(1):62-67. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0037-86822010000100014&script=sci_arttext

Duerksen F. Tratamento cirúrgico da neurite hansênica. In: Duerksen F, Virmond M (Org.). Cirurgia reparadora e reabilitação em hanseníase. Centro de Estudos Dr.Reynaldo Quagliato. 1997,Bauru, 107-17. Disponível em: https://bityli.com/O7kdA

SORRI-BAURU. Manual de estesiometria, 1990. Disponível em: https://sorribauru.com.br/custom/678/uploads/manual_kit_portugues.pdf

Moreira D, Escarabel CM. A Importância do Uso dos Monofilamentos de Semmes-Weinstein no Exame de Sensibilidade do Paciente Portador de Hanseníase. Rev Saúde em Mov. 1(1). Disponível em: http://www.saudeemmovimento.com.br/revista/artigos/ciencia_e_fisioterapia/v1n1a1.pdf

Leite VMC; Lima JWO; Gonçalves HS. Neuropatia Silenciosa em Portadores de Hanseníase na Cidade de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2011, abr, Rio de Janeiro, 27 (4), 659-665. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2011000400005&script=sci_arttext

Gomes FC, Oliveira TC, Araújo JER, Félix LG, Araújo KMFA. Conhecimento do Usuário da Atenção Primária à Saúde acerca da Hanseníase. Rev enferm UFPE on line. 2014, out, Recife, 8(supl. 2):3669-76. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/10108/10580


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.