PERFIL DERMATOGLÍFICO E POTÊNCIA AERÓBIA EM PRATICANTES DE HANDEBOL

Hugo Politano, Anna Paula Silvério Silva, Fabiana Neves Politano, Marcos Roberto Domingos, Idico Luiz Pellegrinotti, Matheus Valério Almeida Oliveira, Alexandre Freitas de Carvalho, Uebister Igor dos Santos Guedes, Juliana Cristina Viola, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Júnior, Adriano de Almeida Pereira

Resumo


O Handebol é um esporte coletivo, podendo ser praticado na areia e em quadras cobertas. É a junção de diversos esportes, como o Basquetebol e o Futebol de Campo, mas com características e regras diferentes. Trata-se de uma modalidade de base que permite desenvolver nos seus praticantes as mais variadas qualidades físicas, psíquicas, sociais e morais. Além disso, por ser um jogo rápido e dinâmico, exige de seus praticantes um excelente desempenho físico. Entre as principais características dos jogadores destacam-se a rapidez de raciocínio, poder de liderança e iniciativa das jogadas. O presente estudo teve como objetivo verificar o perfil dermatoglífico e a potência aeróbia em praticantes de Handebol, a pesquisa foi realizda por meio de uma revisão bibliográfica, que teve como fonte de busca as bases do Google Acadêmico, Scielo, Dialnet e LILACS. Conclui-se que a modalidade exige muita força, velocidade e explosão respectivamente, assim como, as características do perfil dermatoglífico predominantemente encontrados de arco e presilha e o potencial aeróbio é apresentado de acordo com a posição que o atleta exerce no jogo, tornando-se relevante na realização do treinamento físico desportivo individualizado, respeitando o princípio da especificidade, priorizando sua aptidão física e orientando adequadamente para o desenvolvimento físico em relação a sua capacidade genotípica e fenotípica.

Palavras-chave


Dermatoglifia; Potência Aeróbia; Handebol.

Referências


TENROLER, C. Handebol teoria e prática. Rio de Janeiro: Sprint Ltda., 2004.

TRICHÊS PBM, TRICHÊS JR. Handebol: importância do esporte na escola. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 148, Septiembre de 2010.

PEÑAS, C. L., GRAÑA, P. L., el entrenamiento de la velocidade em el balonmano, Revista Andebol, Buenos Aires, n. 28, 2000.

DEL VILLAR, C. A. La preparación física del fútbol basada en el atletismo. Madrid – España, Editorial: S.L. GYMNOS, 1992.

FERNADES FILHO, J. Impressões dermatoglíficas - marcas genéticas na seleção dos tipos de esporte e lutas (a exemplo de desportista do Brasil). 1997. 172f. Tese de Doutorado. Moscou. - URSS, 1997.

METTRAU, M. B. et al., Avaliação do perfil pessoal de adolescentes talentosos utilizando suas características dermatoglíficas. Revista Meta-Avaliação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p.220-236, maio/ago. 2009.

POLITANO; H.; POLITANO, F. N. Dermatoglifia em portadores de síndrome de Down. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 16 - Nº 158 - Julio de 2011.

ANJOS, M. A. B.; FERNANDES FILHO, J.; NOVAES, J. S. Características somatotípicas, dermatoglíficas e fisiológicas do atleta de triatlo. Fitness & Performance Journal. v.2, n.1, p. 49- 57, 2003.

FONSECA. C. L. T., DANTAS.P. M. S., FERNANDES P. R, FILHO J. F. Perfil dermatoglífico, somatotípico e da força explosiva de atletas da seleção brasileira de voleibol feminino. Colégio Brasileiro De Atividades Físicas Saúde e Esporte. Fitness & Performance Journal, vol.7, n°1, p.36. janeiro/fevereiro 2008.

NOGUEIRA, T. N. et al., Perfil somatotípico, dermatoglífico e das qualidades físicas da seleção brasileira de handebol feminino adulto por posição de jogo. Fitness & Performance Journal, v.4, n. 4, p. 236-242, 2005.

NUNES. G.N, NEVES, D. A., POLITANO. H. Perfil dermatoglífico e somatotípico em atletas de jiu-jitsu. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires - Año 17 - Nº 168 - Mayo de 2012.

ABRAMOVA, T.F., et al. Impressões Dermatoglíficas - Marcas genéticas na seleção nos tipos de esporte // Atualidades na preparação de atletas nos esportes cíclicos: Coletânea de artigos científicos. - Volvograd, 1995. - Cap. 2, - pág. 86-91.

POLITANO, H; FERNANDES FILHO, J. Antropometria, composição corporal, somatotipo e qualidades físicas entre os estágios maturacionais determinados pela menarca. Lecturas: educación física y deportes. Buenos aires. 2011 abr;16(155).

DENADAI, B. S. Consumo Máximo de Oxigênio: Fatores determinantes e limitantes. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, v.1, n.1, p. 85-94, 1995.

TUBINO, M. G. Metodologia Científica do Treinamento Desportivo. Ed. Ibrasa, 9ª ed. São Paulo, 1993.

BERGAMASCO. J. G. P, BENCHIMOL. L. F., FILHO L. F. M. A., VARGAS. P, CARVALHO T, MORAES A. M. Análise da Freqüência Cardíaca e do VO2 máximo em Atletas Universitários de Handebol Através do Teste do Vai-e-Vem 20 metros. Movimento & Percepção, Espírito Santo de Pinhal, SP, v.5, n.7, jul./dez. 2005.

FERREIRA, R. D. Demandas fisiológicas e treinamento aeróbio no handebol. efdeportes.com. Revista Digital. Buenos Aires - Año 14 - Nº 141 - Fevereiro de 2010.

ELENO, T. G, BARELA, J. A., KOKUBUN, E., Tipos de esforço e qualidades físicas do handebol, Revista Brasileira Ciência e Esporte, Campinas, v. 24, n.1, p. 83-98, 2002.

GLANER, M. F., Perfil morfológico dos melhores atletas pan-americanos de handebol por posição de jogo, Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, v. 1, n. 1, p.69-81, 1999.

JUNIOR. A. T. C; CUNHA. A. C. P. T; SCHNEIDER A. T; DANTAS P. M. S. Características dermatoglíficas, somatotípicas, psicológicas e fisiológicas da seleção brasileira feminina adulta de handebol. Fitness & performace Journal. Rio de Janeiro. v.5 n°2, p.81-86. março/abril 2006.

OLIVEIRA. V. C; MACHADO D. A.; NUNES J. R. A.; NAVARRO A. C. análise do vo2máx de atletas convocadas para a seleção brasileira de handebol de areia. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.3, n.17, p.500-504. Set/Out 2009. ISSN 1981-9900.

SOUZA, J. et al. Evolução da potência aeróbia máxima em atletas de handebol adulto durante o período de preparação. Revista Treinamento Desportivo. V, 5, n. 23, 2000.

FIORI, A. et al. Análise do consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio por posição de jogo em atletas de handebol. Caderno de Resumos, Santo André, v. 2, n. 1, p. 99, 2003.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.