PERFIL DE PARTICIPANTES COM DISFUNÇÕES TRAUMATO-ORTOPÉDICAS EM UM GRUPO DO MÉTODO LIAN GONG

Marta Caroline Araújo da Paixão, Caroline Prudente Dias, Alexsander Lucas Gomes Soares, Hélade Beatriz Farias Figueiredo, Angélica Homobono Nobre

Resumo


Objetivo: Analisar o perfil de participantes com disfunções traumato-ortopédicas submetidos ao protocolo de Lian Gong. Métodos: Estudo de corte transversal, com abordagem descritiva e quantitativa. A amostra foi composta por 60 indivíduos, entre 24 e 77 anos de idade, de ambos os sexos, com disfunções ortopédicas. A avaliação ocorreu por meio de um roteiro de entrevista previamente elaborado pelos autores composto por dados do perfil sociodemográfico e dados referentes às condições de saúde e prática de atividade física. Adotou-se o software Excel® 2010 para entrada dos dados e confecção das tabelas, bem como o BioEstat 5.0 para análise estatística. Resultados: O estudo caracterizou-se pela predominância de indivíduos do sexo feminino, com a média de idade de 60,9 anos, casados, etnia parda e do lar. Em relação às doenças autorreferidas, no grupo geral a maioria foi artrose (35%), assim como para o sexo feminino (28,3%), e para o sexo masculino a hérnia discal (16,6%). Com isso, 61,66% dois participantes apresentavam apenas um diagnóstico e 63,3% praticam atividade física. Conclusão: A caracterização do perfil do grupo de participantes do método é um passo inicial para a avaliação da intervenção como um todo. Ressalta-se que o bem estar é adquirido através do equilíbrio entre as diversas dimensões que compõem a capacidade funcional do indivíduo, daí a importância de investigá-la.


Palavras-chave


Medicina Tradicional Chinesa; Perfil de Saúde; Atividade Motora

Referências


Gurgel F, Câmara G, Segundo V, Knackfuss M, Seabra E, Lima I. Reflexões sobre o emprego da osteopatia nas políticas públicas de saúde no Brasil. Rev. Fisioterapia Brasil. 2017;18(3).

Pancotte J. Osteoarticular diseases: prevalence and physical therapy. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde e Ciências Biológicas) - Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2016.

Clark S, Horton R. Low back pain: a major global challenge. Lancet. 2018;6736(18):30725.

Ribeiro F. Fibromialgia: o corpo, a mente e o estigma. Mestrado integrado em medicina. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, 2016.

Mari F, Alves G, Aerts D, Camara S. O processo de envelhecimento e a saúde: o que pensam as pessoas de meia-idade sobre o tema. Rev bras geriatr gerontol. 2016;19(1).

Ribeiro E, Garcia L, Salvado E, Costa E, Andrade D, Latorre M et al. Assessment of the effectiveness of physical activity interventions in the Brazilian Unified Health System. Rev Saude Publica. 2017;51:56.

Nogueira A, Munari D, Fortuna C, Santos L. Leads for potentializing groups in Primary Health Care. Rev Bras Enferm. 2016;69(5):907-14.

Soares S, Coronago V. Grupos de Convivência: Influência na Qualidade de Vida da Pessoa Idosa. Rev. Psic. 2016;10(33).

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 145, de 11 de janeiro de 2017. Alteração na Tabela de Procedimentos, Medicamentos, Órteses, Próteses e Materiais Especiais do SUS para atendimento na Atenção Básica. Diário Oficial da União, 2017.

Bobbo V, Trevisan D, Amaral M, Silva E. Saúde, dor e atividades de vida diária entre idosos praticantes de Lian Gong e sedentários. Ciência & Saúde Coletiva. 2018;23(4):1151-1158.

Vey A, Virtuoso J, Braz M, Pivetta H, Mazo G. Perfil das idosas participantes de um grupo de convivência Profile of the elderly participants of a coexistence group Fisioter Bras. 2019;20(1):27.

Santana C, Bernardes M, Molina A. Projetos de vida na velhice. Estud. interdiscipl. envelhec. 2016;21(1):171-186.

Karloh K, Silvestre M, Santos G. Prevalência de Distúrbios Traumato-Ortopédicos e Reumatológicos Atendidos na Fisioterapia pelo Sistema Único de Saúde em um Município do Meio Oeste de Santa Catarina. R. Saúde públ. Santa Cat. 2015;8(1).

Azevedo Filho E, Chariglione I, Silva J, Vale A, Araújo E, Santos M. Percepção dos idosos quanto aos benefícios da prática da atividade física: um estudo nos Pontos de Encontro Comunitário do Distrito Federal. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2019;41(2):142-149.

Domingos P, Souto B. Risco Osteomuscular Relacionado ao Trabalho Doméstico. Rev Med Minas Gerais. 2018;28:1928.

Espinosa R, Soto M, Gómez F. Frecuencia de patología musculoesquelética y su tratamiento en pacientes adultos mayores en un Hospital Privado de la Ciudad de México. Acta ortop. mex. 2015; 29(1):21-27.

Armenta A, Martínez E, Gonzalez R, Garfias A, Prado M. Epidemiological panorama of orthopedic spine pathology in Mexico. Coluna/Columna. 2018;17(2):120-123.

Silva G, Rocha F, Madeira M, Ribeiro I. Perfil de pacientes com hérnia de disco em um ambulatório público. Revista Eletrônica Acervo Saúde. 2019;(29):1071-1071.

Nunes B, Batista S, Andrade F, Souza Junior P, Costa M, Facchini L. Multimorbidade em indivíduos com 50 anos ou mais de idade: ELSI-Brasil. Rev. Saúde Pública. 2018;52(2).

Squarcini C, Rocha S, Munaro H, Benedetti T, Almeida. Programas de atividade física para idosos: avaliação da produção científica brasileira utilizando o modelo RE-AIM. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2015;18(4):909-920.

Sousa C, Sousa A, Gurgel L, Brito E, Sousa F, Santana W et al. Contribuição da atividade física para a qualidade de vida dos idosos: Uma Revisão Integrativa da Literatura. Rev. Mult. Psic. 2019;13(46):425-433.

Almeida M, Rall L, Braga R, Celino R. A relação entre gênero e adesão à atividade física no lazer. Conexões: revista da Faculdade de Educação Física da UNICAMP, Campinas. 2012;9(3):94-102.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.