FUNCIONALIDADE E QUALIDADE DE VIDA EM PACIENTES VÍTIMAS DE TRAUMA ORTOPÉDICO ATENDIDOS PELA FISIOTERAPIA EM UM HOSPITAL REFERÊNCIA NA AMAZÔNIA

Letícia Pinheiro de Souza, Bernadete Gomes de Souza Pimenta, Letícia Ramos Pereira, Anderson Antunes da Costa Moraes, Teresa Christina da Cruz Bezerra de Sena, Leonardo Ramos Nicolau da Costa

Resumo


Introdução: O trauma consiste em um abalo físico de grande impacto resultante de uma ação abrupta ou violenta. Os acidentes automobilísticos e a violência compreendem-se como os principais mecanismos de trauma atuais. Objetivo: O presente estudo teve como objetivo analisar a funcionalidade e a qualidade de vida em pacientes vítimas de trauma ortopédico que foram submetidos a tratamento fisioterapêutico no período intra-hospitalar até o momento de sua alta hospitalar. Métodos: Trata-se de um estudo transversal, quantitativo e descritivo, desenvolvido no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência (HMUE). Resultados: Foram analisados 92 pacientes, após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, obteve-se 14 pacientes, sendo 2 mulheres (14,35%) e 12 homens (85,7%) homens, a idade média encontrada foi de 34,7 anos. Quanto mecanismo de trauma, o principal encontrado foi acidente de motocicleta (78,57%) e todos foram submetidos ao tratamento fisioterapêutico hospitalar. Quanto à variável Qualidade de Vida analisada pelo questionário Whoqool, realizado no momento da admissão, com média 90±12,3, quando realizado no momento da alta, média 105,5±8,7. Quanto á análise da funcionalidade, através da MIF, quando analisada a MIF de pré-admissão foi encontrada uma média de 124,6±4,5, na MIF admissão 77,07±23,3, e na MIF alta a média foi 100±11,08, estes resultados quando comparados através do teste de correlação de Friedman, houve alta significância estatística. Conclusão: O perfil encontrado mostrou a predominância de homens adultos, vítimas de acidentes de trânsito com envolvimento de motocicleta. Além disso, foi possível verificar a importância da fisioterapia no paciente vitima de trauma ortopédico ainda no ambiente hospitalar.

Palavras-chave


Funcionalidade. Qualidade de vida. Trauma ortopédico. Fisioterapia. Amazônia.

Referências


da Silva LA, Ferreira A, Paulino RE, Guedes G, da Cunha ME, Peixoto V, Faria T. Análise retrospectiva da prevalência e do perfil epidemiológico dos pacientes vítimas de trauma em um hospital secundário. Rev. Med. 2017;96(4):245-53.

Santos LFS, Da Fonseca JMA, Cavalcante BLS, Lima CM. Estudo epidemiológico do trauma ortopédico em um serviço público de emergência. Cadernos Saúde Coletiva. 2016;24(4):397-403.

Gouveia GPM. Avaliação funcional dos acidentados de trânsito atendidos em um serviço de fisioterapia. Fisioterapia Brasil. 2018;14(1):38-43.

Paiva L, Rossi L, Costa M, Dantas R. Experiência do paciente politraumatizado e suas consequências. Rev. lat.-am. enferm. 2010;18(6):1221-8.

Andrade SSCA, Jorge Maria HPM. Internações hospitalares por lesões decorrentes de acidente de transporte terrestre no Brasil, 2013: permanência e gastos. Epidemiol. Serv. Saúde. 2017;26(1):31-38.

De Castro RRM, Ribeiro NF, De Andrade AM, Jaques BD. Perfil dos pacientes da enfermaria de ortopedia de um hospital público de Salvador-Bahia. Acta ortop. bras. 2013; 21(4):191-194.

Donaldson LH, Brooke K, Faux SG. Orthopaedic trauma from road crashes: is enough being done? Aust Health Rev. 2009;33(1):72–83.

SOUSA KM. Avaliação do acesso aos serviços de reabilitação física para vítimas de acidentes de trânsito: caminhos para melhoria da qualidade do sistema de saúde. Natal: Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2015. Dissertação de mestrado.

ROMBALDI BM. Prevalência e fatores associados ao encaminhamento para o serviço de fisioterapia após a alta hospitalar de fraturados por trauma de trânsito. Porto Alegre: Universidade Federal de Ciências Da Saúde de Porto Alegre – UFCSPA, 2016. Dissertação de Mestrado

Fernandes Nogueira A, da Costa BH, de Arruda EF, Leite MB, de Sousa CS. PRINCIPAIS DISTÚRBIOS TRAUMATO-ORTOPÉDICOS ATENDIDOS EM CLÍNICAS-ESCOLA DE FISIOTERAPIA. Rev Cient Fac Educ e Meio Ambient. 2016;7(2):33-4.

Silva FL, Lehner GH, Oliveira CRL. Perfil epidemiológico de pacientes de uma Clínica de Fisioterapia Universitária. Anais do 4º Simpósio de Pós-Graduação em Análise Clínicas –SIMPAC. v.4, n.1, p.247-250, 2012

12.BRASIL, C. C. et al. Qualidade de vida e características associadas: aplicação do WHOQOL-BREF no contexto da Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva. Belo Horizonte. v. 22, p. 1705-1716, Mar. 2017.

Mesquita Filho M. Acidentes de trânsito: as consequências visíveis e invisíveis à saúde da população. Revista Espaço Acadêmico. 2012;11(128):148-157.

BRAZ, D. L. et al. Qualidade de vida relacionada à saúde de adultos após cirurgia de fêmur ou quadril. Journal of Nursing and Health. Pelotas. v. 7, n. 2, p. 104-16, jun./set. 2017.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.