TREINAMENTO RESISTIDO COMO MEDIDA MITIGADORA DE QUEDAS NA POPULAÇÃO IDOSA

Rude Carlos Berne, Paulo Henrique Barbosa, Anderson Martelli

Resumo


Introdução: Nas últimas décadas foi possível observar um aumento da população de idosos no Brasil e no mundoincitando a prática de treinamentos resistidos junto a essa população visando uma maior qualidade de vida. Objetivo:Realizar uma revisão bibliográfica versando sobre a ação de treinamento resistido na prevenção de quedas e possiveislesões para os idosos, sendo esta, um grande problema de saúde pública. Metodotos: A pesquisa foi realizada apartir de uma revisão da literatura especializada, sendo consultados artigos científicos publicados entre os anos de2000 até o mais atual 2020 utilizando como descritores isolados ou em combinação: Força muscular, treinamentoresistido, quedas, idosos. Resultados: Os resultados mostraram que o idoso necessita manter-se ativo preservando suascapacidades físicas básicas no que diz respeito a força muscular podendo ser obtido através do treinamento resistidofavorecendo locomoção, equilibrio e evitando possiveis quedas. Conclusão: Torna-se necessário que os métodos depromoção em saúde como o treinamento resistido sejam maximizados com a finalidade de obter um envelhecimentosaudável com melhor qualidade de vida sempre respeitando o critério da individualidade biológica e acompanhamentode um profissional habilitado.

Palavras-chave


Força muscular; Treinamento resistido; Quedas; Idosos.

Referências


Araujo MLM. et. al. Efeitos dos exercícios resistidossobre o equilíbrio e a funcionalidade de idosos saudáveis:artigo de atualização. São Paulo. Fisioter. Pesqui. 2010;17(3), jul./set.

Treml CJ. et. al. O uso da plataforma Balance Boardcomo recurso fisioterápico em idosos. Rio de Janeiro:Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2013;16(4):759-768.

Prudenciatto KC, Miranda EJ, Delbim LR, HungerMS, Martelli A. Exercícios resistidos como estratégia paraaumento da reserva funcional em idosos sedentários:Revisão de Literatura. Arch Health Invest. 2015; 4(2):66-73.

Oliveira RJ. et. al. Respostas hormonais agudas ediferentes intensidades de exercícios resistidos emmulheres idosas. Taquatinga. Rev Bras Med Esporte.2008; 14(4):Jul/Ago.

Pícoli TS. et. al. Sarcopenia e envelhecimento. Curitiba.Fisioter. Mov. 2011; 24(3): Curitiba July/Sept.

Musumeci G. Sarcopenia and Exercise “The State ofthe Art” J. Funct. Morphol. Kinesiol. 2017: 2(40).

Silva TO. et. al. Avaliação da capacidade física e quedasem idosos ativos e sedentários da comunidade. RevBras Clin Med. São Paulo, 2010: 8(5):392-8.

Vale RGS. et. al. Efeitos do treinamento resistido naforça máxima, na flexibilidade e na autonomia funcionalde mulheres idosas. Rio de Janeiro. Revista Brasileirade Cineantropometria & DesempenhoHumano.2006; 17(3).jan.

Jacquemin JSA. et al. Comparação da função muscularisocinética dos membros inferiores entre idososcaidores e não caidores. Belo Horizonte: Fisioter Pesq.2012;19(1):39-44.

Martelli A, Zavarize SF, Hunger MS, Delbim LR.Aspectos clínicos e fisiopatológicos da rabdomióliseapós esforço físico intenso. Biológicas & Saúde, 2014;4(13).

Matsudo SM. et al. Atividade física e envelhecimento:aspectos epidemiológicos. São Caetano do Sul. Rev. bras.De Medicina do Esporte. 2001; 7(1):2-13.

Carvalho J. et. al. Força muscular em idosos II –Efeito de um programa complementar de treino na forçamuscular de idosos de ambos os sexos. Porto. RevistaPortuguesa de Ciências do Desporto, 2004; 4(1):58–65.

Wiechmann MT. et. al. O exercício resistido namobilidade, flexibilidade, força muscular e equilíbriode idosos. Marília. Universidade Estadual de São Paulo,2013.

Jovine MS. et al. Efeito do treinamento resistido sobrea osteoporose após a menopausa: estudo de atualização.São Paulo. Rev. bras. Epidemiol. 2006; 9(4):493-505

Raso V. Exercícios com pesos para pessoasidosas: a experiência do CELAFISCS. Brasília. RevistaBrasileira da Ciência do Movimento. 2000; 8(2): 41-49.

Mariano ER. et al. Força muscular e qualidade devida em idosas. Rio de Janeiro. Rev. Bras. Gereatria.2013; 16(4):805-811.

Tribess S. et al. Atividade física como preditor daausência de fragilidade em idosos. Brasília. Revista daAssociação Médica Brasileira. 2012; 58(3):341-347.

Geraldes, A. R. A. Princípios e variáveismetodológicas do treinamento de força. Rio de Janeiro.Sprint Magazine. 2003; 127:14-28.

Santos LC, Souza LR, Martelli A, Bertelli-CostaT, Delbim L. Treinamento resistido para pacientesdiagnosticados com diabetes tipo II Braz. J. of Develop.,Curitiba. 2020; 6(2):7228-7239.

Teixeira LF. Nível de atividade física e quedas emidosos da comunidade: um estudo exploratório. SãoPaulo. Dissertação (Mestrado) - Universidade Cidade deSão Paulo. set/out 2011.

Ide BN, Lopes CR. Fundamentos do treinamentode força, potência e hipertrofia nos esportes. São Paulo,Phorte editora, 2008:24-25.

Gasparotto R. et al. As quedas no cenário da velhice:conceitos básicos e atualidades da pesquisa em saúde.Rio de janeiro. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Rio deJaneiro, 2014; 17(1):201-209.

Santos E Neto. Treinamento resistido para idosos:revisão de literatura. Revista do Departamento deEducação Física e Saúde e do Mestrado em Promoçãoda Saúde da Universidade de Santa Cruz do Sul / Unisc.2017; 18(2):Abril/Junho.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram nãoexistir conflitos de interesse de qualquernatureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.