CORRELAÇÃO DOS DADOS ANTROPOMÉTRICOS E DO DESCONFORTO CORPORAL EM FUNCIONÁRIOS DO SETOR ADMINISTRATIVO DE UMA INSTITUIÇÃO PRIVADA DE ENSINO SUPERIOR, BELÉM – PARÁ – BRASIL

Milena Kelly Silva da Silva, Diego Di Lucca Aragão de Abreu, Jessica Luenny de Fátima Resque Tabaraná, Josiana Kely Rodrigues Moreira da Silva, Moises Costa da Silva, Ana Julia Cunha Brito, George Alberto da Silva Dias, Biatriz Araújo Cardoso Dias

Resumo


Objetivo: Correlacionar os dados antropométricos e o desconforto corporal em funcionários do setor administrativo de uma instituição privada de ensino superior, Belém – Pará – Brasil. Métodos: Estudo observacional, descritivo e analítico, do tipo transversal. Aplicou-se questionário sociodemográfico e a escala de avaliação de desconforto em indivíduos do setor administrativo de uma instituição privada de ensino superior no período de maio a junho de 2017. Utilizou-se análise descritiva e o teste de correlação de Spearman com nível de significância de 5% (p≤0,05). Resultados: Participaram 49 funcionários, sendo 53% do gênero feminino, com média de idade de 32,36±8,7 anos, peso médio de 73,69±17,73Kg; altura média de 1,66±0,07m e Índice de Massa Corporal (IMC Kg/m2) de 26,53±5,34; 42,8% tinham ensino médio completo e 46,9% recebiam 1 salário mínimo. Foi observado que não houve correlação entre a escala de avaliação de desconforto em relação ao peso, altura e IMC. Porém, quando estratificado em coluna e membro inferior foi observado relação direta. Observou-se que na região da “costa superior” quanto menor o peso dos indivíduos, maior era o relato de dor (p<0,0001; r=-0,5), quanto mais baixo o indivíduo, maior era o relato de dor no pescoço (p=0,01; r=-0,3) e quanto menor o IMC, maior a dor na “costa superior” (p=0,001; r=-0,4). Conclusão: Observou-se um perfil de jovens, predominantemente feminino e solteiras, com ensino médio completo e com baixo rendimento mensal. Além disso, com sobrepeso e dores em diversas regiões do corpo, e que houve relação das características corporais com a escala de avaliação de desconforto.

Palavras-chave


Saúde do Trabalhador; Dor Musculoesquelética; Categorias de Trabalhadores; Ergonomia; Educação Superior.

Referências


Gonçalves CR, Rocha RC, Endo C, Taube OLS, Silva GP, Ferreira B. Análise ergonômica das condições de trabalho de um setor de secretaria. Revista Digital. 2013;18(182):1.

Brasil. Saúde do Trabalhador. Organização Pan-Americana da Saúde. Organização Mundial de Saúde; 2011.

Faria AP, Souza PPS. Analise postural dos funcionários da Legião da Boa Vontade (LBV): uma atuação preventiva em relação a possíveis quadros álgicos. Revista Digital. 2010;15(148):1.

Hugue TD, Pereira Junior AA. Prevalência de dor osteomuscular entre os funcionários administrativos da UNIFEBE. Rev UNIFEBE. 2011;9:1-9.

Jesus JS, Couto AMR, Santos RR, Silva VS, Teles MHS. Ergonomia: influência e impacto no desempenho de atividades profissionais. II Encontro Cientifico Multidisciplinar. Faculdade Amadeus, Aracaju (SE), 2016.

Oliveira AP, Andrade DR. Influência da pratica de atividade física nos Programas de Promoção da Saúde nas empresas privadas: uma revisão bibliográfica. O mundo da saúde. 2013;37(2):192-200.

Nogueira HC, Navega MT. Influência da escola e Postura na qualidade de vida, capacidade funcional, intensidade de dor e flexibilidade de trabalhadores administrativos. Fisioterapia e Pesquisa. 2011;18(4):353-358.

Fontes KM, Sakamoto LS, Costa I, Gonçalves RF, Abe JM. Análise ergonômica com enfoque na biomecânica apoiada pela ISO 31000: um estudo de caso. XXXIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Salvador (BA), 2013.

Ferreira MC. Ergonomia da Atividade aplicada à Qualidade de Vida no Trabalho: lugar, importância e contribuição da Análise Ergonômica do Trabalho (AET). Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. 2015;40(131):18-29.

Araújo LS. A importância da ergonomia aplicada às unidades de informação para a atuação profissional dos bibliotecários. [Trabalho de Conclusão de Curso] Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro; 2014. 82 p.

De Vitta A, Bertaglia RS, Padovani CR. Efeitos de dois procedimentos educacionais sobre os sintomas musculoesqueléticos em trabalhadores administrativos. Rev Bras Fisioter. 2008 jan/fev;12(1):20-25.

Oliveira LT. A higiene e a segurança do trabalho aplicada em estabelecimento de saúde. Percurso Acadêmico. 2015;5(10):515-525.

Corlett N, Wilson J, Manenica I. The ergonomics of working postures. Taylor & Francis: London, 1986.

Souza KVL, Gomes Neto M. Análise da qualidade de vida e distúrbios osteomusculares dos funcionários administrativos de um órgão público. Rev Pesquisa em Fisioterapia. 2015 dez;5(3):218-229.

Rumaquella MR. Posturas de trabalho relacionadas com as dores na coluna vertebral em trabalhadores de uma indústria de alimentos: estudo de caso [dissertação]. Bauru (SP): Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação; 2009. 136 p.

Furtado RNV, Ribeiro LH, Abdo BA, Descio FJ, Martucci Junior CE, Serruya DC. Dor lombar inespecífica em adultos jovens: fatores de risco associados. Rev Bras Reumatol. 2014;54(5):371-377.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.