PRIVAÇÃO DO SONO E ESTADO NUTRICIONAL EM ESCOLARES DE DIFERENTES TURNOS

Rafael Braatz Moreira, Juliana Pereira da Silva, Marco Aurélio Valois de Correia Junior, Ricardo de Freitas Dias, Gustavo Levandoski, Rodrigo Dias, Fabrício Cieslak

Resumo


Objetivo: O presente estudo teve como objetivo avaliar os níveis de sonolência diurna excessiva e prevalência de sobrepeso e obesidade em estudantes do ensino médio, verificando o comportamento dessas variáveis entre os turnos escolares. Métodos: Estudo de corte transversal e comparativo com 164 estudantes de 16 a 20 anos de idade com 91 do sexo feminino e 73 do sexo masculino de duas escolas públicas da cidade de Itararé - São Paulo. Estes alunos foram avaliados em dois turnos escolares (manhã e noite).  A sonolência diurna foi avaliada pela Escala de Sonolência Epworth, o estado nutricional foi avaliado a partir do Índice de massa corporal (IMC). Os dados foram analisados através de uma estatística descritiva, além da aplicação do teste T para amostras independentes e o teste U de Mann-Whitney na comparação das variáveis não-paramétricas. Resultados: Não apresentou diferença significativa nas variáveis de IMC 21,57 feminino e 22,50 masculino. Em relação ao estado nutricional houve a prevalência de estado eutrófico em 76,6%, não houve significância nas taxas de sobrepeso e obesidade, entretanto houve prevalência de sobrepeso e obesidade em estudantes do sexo masculino. A prevalência total de sonolência diurna excessiva foi de 68,9%, com prevalência em estudantes do período matutino e sem diferenças significativas entre os sexos. Conclusão: É preocupante a prevalência de alteração no padrão do sono em estudantes do ensino médio, as taxas de sobrepeso e obesidade são inferiores ao de estudos brasileiros. Os resultados não mostraram associação entre a sonolência diurna excessiva e o estado nutricional.

Palavras-chave


Estudantes, Obesidade; Sono.

Referências


Balaban, G.; Silva, G. A. P.; Motta, M. E. F. A. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de diferentes classes socioeconômicas. Pediatria (São Paulo). v. 23, n. 4, p. 285-289, 2001.

Ronque, E. R. V. et al. Prevalência de sobrepeso e obesidade em escolares de alto nível socioeconômico em Londrina, Paraná, Brasil. Revista de Nutrição. v. 18, n. 6, p. 709-717, 2005.

Terres, N. G. et al. Prevalência e fatores associados ao sobrepeso e obesidade em adolescentes. Revista de saúde pública. v. 40, n. 4, p. 627-633, 2006.

Bernardo, M. P. S. L. et al. Duração do sono em adolescentes de diferentes níveis socioeconômicos. Jornal brasileiro de psiquiatria. v. 58, n. 4, p. 231-237, 2009.

Boscolo, R. A. et al. Avaliação do padrão de sono, atividade física e funções cognitivas em adolescentes escolares. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. v. 7, n. 1, p. 18-25, 2007.

Pereira, E. F.; Teixeira, C. S.; Louzada, F. M. Sonolência diurna excessiva em adolescentes: prevalência e fatores associados. Revista Paulista de Pediatria, v. 28, n.1, p. 98-103, 2010.

Stein, C.; Costa, M. Transtornos do sono. In: Duncan, B.; Schmidt, M. I.; Giugliani, E. (Org.). Medicina Ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 932-942.

Schmidt, M. I.; Duncan, B. Obesidade. In: Duncan, B.; Schmidt, M. I.; Giugliani, E. (Org.). Medicina Ambulatorial: Condutas de atenção primária baseadas em evidências. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2004, p. 618-632.

Crispin, A. C. et al. Relação entre sono e obesidade: Uma revisão de literatura. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. v. 51, n. 7, p. 1041-1049, 2007.

Pereira, E. F. et al. Sono, trabalho e estudo: duração do sono em estudantes trabalhadores e não trabalhadores. Caderno de saúde pública. Rio de Janeiro, v. 25, n. 7, p. 975-984, 2011.

Johns, M. W. A new method for measuring daytime sleepiness: the Epworth sleepiness. Scale Sleepiness, V. 14, n. 6, p. 540-545, 1991.

Johns, M. W. Reliability and factor analysis of the Epworth Sleepiness. Scale Sleepiness, V. 15, n. 4, p. 376-381, 1992.

Gordon, C. C.; Chumlea, W. C.; Roche, A. F. Stature, recumbent length and weight. In: Lohman, T. G.; Roche, A. F., Martorell, R. Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics Books, 1988.

Madrigal-Fritsch, H.; Irala-Estevez, J.; Martinez-Gonzalez, M. A.; Kearney, J.; Gibney, M.; Martinez-Hernandez J. A. Percepción de la imagen corporal como aproximación cualitativa al estado de nutrición. Salud Publica Del México. v. 2, p. 105-113, 1999.

Vaz De Almeida, M. D. et al. Physical activity levels and body weight in a nationally representative sample in the European Union. Public Health Nutrition. v. 2, p. 105-113, 1999.

Maranhão Neto, G. A.; Polito, M. D.; Lira, V. A. Fidedignidade entre peso e estatura reportados e medidos e a influência do histórico de atividade física em indivíduos que procuram a prática supervisionada de exercícios. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. v. 11, n. 2, p. 141-145, 2005.

Conde, W. L., Monteiro, C. A. Valores críticos de massa corporal para classificação do estado nutricional de crianças e adolescentes brasileiros. Jornal de Pediatria (Rio de Janeiro). V. 82, n. 4, p. 266-272, 2006.

Malina, R. M.; Bouchard, C. Atividade física do atleta jovem: do crescimento à maturação. São Paulo: Roca, 2002.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.