ESTÁGIOS MATURACIONAIS E SUAS RELAÇÕES COM A ANTROPOMETRIA E COMPOSIÇÃO CORPORAL

Hugo Politano, Anna Paula Silvério Silva, Alexandre Freitas de Carvalho, Uebister Igor dos Santos Guedes, Matheus Valério Almeida Oliveira, Adriano de Almeida Pereira, Clareana Serena Chiminte, Marcelo Monteiro de Moraes, Marcelo de Castro Cesar, Ricardo Pablo Passos, Guanis de Barros Vilela Junior, Idico Luiz Pellegrinotti

Resumo


O objetivo do estudo foi avaliar as características antropométricas e a composição corporal entre os estágios maturacionais, determinados pela menarca. Participaram 19 meninas de 10 a 14 anos do ensino fundamental da cidade Itajubá – MG, praticantes de atividades físicas escolares, sendo seis do estágio M0, sete do estágio M e seis do estágio M1. As seguintes variáveis foram determinadas: estatura corporal, massa corporal, índice de massa corporal (IMC) e percentual de gordura corporal. O estudo emprega uma tipologia quase experimental e delineamento comparativo. Utilizou-se Anova One Way para comparar as variáveis entre os estágios de maturação, seguida de post hoc de Tukey. O nível de significância foi p<0,05. Foram encontradas diferenças significativas na estatura corporal de p=0,006, peso corporal de p=0,002, IMC de p=0,026 e percentual de gordura de p=0,032, não havendo diferenças significativas entre a idade da menarca, sendo p=0,256.

Referências


Vitalle MS, Tomioka CY, Juliano Y, Amancio OMS. Índice de massa corporal, desenvolvimento puberal e sua relação com a menarca. Rev da Assoc Med Bras. 2003;49(4):429-33.

Castilho SD, Saito MI, Barros Filho AA. Crescimento pós-menarca em uma coorte de meninas brasileiras. Arq Bras de Endocrinol Metab. 2005;49(4):429-33.

Politano H, Fernandes Filho J. Antropometria, composição corporal, somatotipo e qualidades físicas entre os estágios maturacionais determinados pela menarca. EFDeportes.com Rev Dig. Buenos Aires. 2011 abr;16(155).

Barbosa KBF, Franceschini SCC, Priore SE. Influência dos estágios de maturação sexual no estado nutricional, antropometria e composição corporal de adolescentes. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2006 out/dez;6(4):375-82.

Silva ML, Politano H. Antropometria e dinamometria entre os estágios maturacionais determinados pela menarca. EFDeportes, Rev. Digital. Buenos Aires. 2013 fev;17(177).

Tanner JM. Normal growth and techniques of growth assessment. Clinics in Endocrinoligy and Metabolism. 1986 ago;15:411-51.

Silva CC, Teixeira AS, Goldberg TBL. O esporte e suas implicações na saúde óssea de atletas adolescentes. Rev Bras Med Esporte. 2003 nov/dec;9(6).

Malina RM, Bouchard C, Oded Bar-Or. Growth, maturation, and physical activity. Champaign Human Kinetics; 2004.

Klug DP, Fonseca PH. Análise da maturação feminina: um enfoque na idade de ocorrência da menarca. Rev Educação Física. 2006;17(2):139-47.

Thomas JR, Nelson JK, Silverman, SJ. Métodos de pesquisa em atividade física. 5. ed. Porto Alegre: Artmed; 2007.

Quetelet LAJ, apud Rolland-Cacheira MF, Cole TJ, Sempé M, Tichet J, Rossignol C, Charraud A. Body mass index variations: from birth to 87years. Eur J Clin Nutr. 1991;45:13-21

Fernandes Filho J. A Prática da Avaliação Física. 2. ed. Rio de Janeiro: Shape; 2003.

Duarte MFS. Maturação física: uma revisão da literatura, com especial atenção à criança brasileira. Cad Saúde Pública. 1993;9 Supl 1:71-84.

Marshall WA, Falkner F, Tanner JM (Orgs.). Human growth: postnatal growth. New York: Plenum Press. 1978; p.141-81.

Picanço M. A idade da menarca da menina brasileira: os fatores sócio-econômicos e as diferenças regionais [dissertação]. Rio de Janeiro, Fundação Oswaldo Cruz. Instituto Fernandes Figueira; 1995.

Petroski EL, Velho NM, De Bem MFL. Idade da Menarca e satisfação com o peso corporal. Rev Bras Cineantropometria Desempenho Humano. 1999:30-36.

Borges GA, Schwarztbach C. Idade da menarca em adolescentes de Marechal Cândido Rondon. Rev Bras Cineantropometria Desempenho Humano. 2003;5(2):15-20.

Zerwes EP. Crescimento e Desenvolvimento - Estudo em meninas de 6 a 14 anos da cidade de Pelotas. Rio de Janeiro (RJ): Instituto de Ginecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1992.

Pozzobon ME, Trevisan S. Crescimento, Composição Corporal e Aptidão Física em meninas maturadas e não maturadas sexualmente. EFDeports.com Rev Dig. Buenos Aires. 2003 set;9(64).

Hall JE, Guyton AC. Tratado de Fisiologia médica. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2017.

Bergmann GG, Bergmann MLA, Moreira RB, Gaya A. Desenvolvimento do índice de massa corporal: estudo longitudinal em escolares de 10 a 14 anos de idade. Ciência e Conhecimento – Rev Eletrôn Ulbra São Jerônimo. 2007;2.

Biassio LG, Matsudo SMM, Matsudo VKR. Impacto da menarca nas variáveis antropométricas e neuromotoras da aptidão física, analisado longitudinalmente. Rev Bras Ciênc e Mov. 2004;12(2):97-101.

Adami F, Vasconcelos FAG. Obesidade e maturação sexual precoce em escolares de Florianópolis – SC. Rev Bras Epidemiologia. 2008;11(4):549-60.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.