EFEITO DA GINÁSTICA LABORAL NOS SINTOMAS OSTEOMUSCULARES E NA PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE TRABALHADORES DOS SERVIÇOS GERAIS DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR NA REGIÃO NORTE DO PAÍS

Álvaro Antonio De Abranches Campos, Moacir Fernandes Silva Junior, Thaizi Campos Barbosa, Matheus Morbeck Zica

Resumo


OBJETIVO: avaliar os efeitos da GL no nível de atividade física, sintomas osteomusculares e percepção da qualidade de vida de trabalhadores do serviço geral. As atividades foram aplicadas aos participantes, por livre e espontânea vontade, durante um mês e meio com 30 sessões totais.  MÉTODOS: Trata-se de um estudo longitudinal, quantitativo que foi composto por 20 participantes. Foi utilizado o IPAQ versão longa para avaliar o nível de atividade física, para avaliação da percepção da qualidade de vida foi utilizado o WHOQOL-BREF, e os sintomas osteomusculares por meio do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares. Foi realizada a aplicação da Ginástica Laboral, que teve duração de dois meses, com frequência de cinco vezes por semana, totalizando 33 sessões. A prática teve duração de 15 a 20 minutos, composta por dinâmicas em grupo e alongamentos RESULTADOS: Os resultados demonstram que os relatos de sintomas osteomusculares diminuíram, principalmente na região dorsal e a percepção da qualidade de vida melhorou, com destaque no domínio físico. CONCLUSÃO: É possível afirmar, baseado neste estudo, que a ginástica laboral tem efeitos positivos na qualidade de vida e nos sintomas osteomusculares de trabalhadores do serviço geral.

Palavras-chave


Exercício; Dor musculoesquelética; Qualidade de vida.

Referências


Brasil, Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DNCT) no Brasil 2011 - 2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

International Labour Office [base de dados online]. The prevention of occupational diseases: World Day for safety and health at work, Geneva – ILO. 2013 [Acesso em em 15 maio 2019]. Disponível em: .

Santa-Marinha MS et al. Assessment of treatment leaves following implantation of the Integrated System for Workers’ Health Care at FIOCRUZ: 2012-2015. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho 2018;16(1):67–70.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional de saúde: 2013: indicadores de saúde e mercado de trabalho – volume 4: Brasil e grandes regiões. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

Silva CFT, Rodrigues GRS. Estratégias de controle do absenteísmo no Brasil. Revista Cientefico 2014;14(9):63-74.

Santos CHK, Silva LE, Neumann HR. Efeito da ergonomia na produtividade: estudo de caso nas empresas Kaiser Peças & Serviços e Viero Nutrição Animal Eireli. Anais do 3º Encontro Internacional de Gestão, Desenvolvimento e Inovação 2019;3(1):1-11.

Iackstet L, Gonçalves ACBF, Soares SFC. Análise dos benefícios da cinesioterapia laboral a curto, médio e longo prazo: uma revisão de literatura. Archives of Health Investigation 2018;7(5):168-73.

International Labour Office [base de dados online]. Safety and health at the heart of the future of work: Building on 100 years of experience. Geneva - ILO. 2019 [Acesso em 15 maio] 2019. Disponível em: .

Matsudo S, Araujo T, Matsudo V, Andrade D, Andrade E, Oliveira L, et al. Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ): Estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde 2001;6(2):5–18.

Pinheiro FA, Tróccoli BT, Carvalho CV de. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade. Revista de Saúde Pública 2002;36(3):307–12.

Fleck MP, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, Santos L, et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública 2000;34(2):178–83.

Freitas-swerts fct, Robazzi MLCC. Efeitos da ginástica laboral compensatória na redução do estresse ocupacional e dor osteomuscular. Revista Latino Americana de Enfermagem 2014;22(4):36-629.

Haeffner R et al. Absenteísmo por distúrbios musculoesqueléticos em trabalhadores do Brasil: milhares de dias de trabalho perdidos. Revista Brasileira de Epidemiologia 2018;21.

Delani D, Evangelista RA, Pinho ST, Silva AC. Ginástica laboral: melhoria na qualidade de vida do trabalhador. Revista Científica da Faculdade de Educação e Meio Ambiente 2013;1(4):41-61.

Lazarotto A, Pasqualin NS, Marques CT, Bajotto AP. Efeito da cinesioterapia na dor lombar crônica de trabalhadores da construção civil de santa maria, rs. Disciplinarum Scientia 2019;20(2):281-293.

Fernandes CHA, Santos PVS. Ergonomia: uma revisão da literatura acerca da ginástica laboral. Nucleus 2019;16(2):211-220.

Guirado GMP, Oliveira E, Silva MMP, Moreira AFB, Ferreira FV. Composição da ginástica laboral e ergonomia: uma combinação saudável para as empresas. International Journal of Health Management Review 2020;6(1):1-7.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.