MANIFESTAÇÕES NEUROLÓGICAS EM PACIENTES COM PARAPARESIA ESPÁSTICA TROPICAL/MIELOPATIA ASSOCIADA AO HTLV-1 (PET/MAH): REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA

Evelyn Lorena Lima da Silva, Kaio Pantoja Azevedo, Larissa Luz Sulzbach, Elizama Leão Batista, Karem Aline Abreu de Brito, Elizabeth Cristina da Silva, Luciane Lobato Sobral, George Alberto da Silva Dias

Resumo


Objetivo: Realizar uma análise crítica das principais manifestações neurológicas nos indivíduos infectados pelo vírus linfotrópico de células T humana tipo 1 (HTLV-1) que desenvolveram a paraparesia espástica tropical/mielopatia associada ao HTLV (PET/MAH), com base na literatura científica. Método: (descritores) Trata-se de um um estudo de revisão de literatura, em que a amostra foi constituída de artigos científicos encontrados nas seguintes bases de dados: SCIELO (Scientific Electronic Library Online), LILACS (Latin American and Caribbean Health Sciences Literature), PUBMED (Public Medline or Publisher Medline), que haviam sido publicados no período de 2007 a 2017, nas línguas portuguesa e inglesaResultados: Durante a busca, foram encontrados 47 artigos, mas somente 18 foram utilizados neste estudo, onde foi constatado que a PET/MAH é a manifestação neurológica mais clássica da infecção por HTLV1, observando-se, preponde­rantemente manifestações motoras (paraparesia espástica, alterações na marcha e perda do equilíbrio); sensoriais (parestesia e perda da sensibilidade vibratória) e autonômicas (bexiga hiperativa e a disfunção erétil). Conclusão: A escassez de estudos que abordem o tema manifestações neurológicas em pacientes com PET/MAH revela que há necessidade de mais estudos sobre o assunto, visto que os déficits neurológicos causam grandes incapacidades em pacientes acometidos por esta doença.


Palavras-chave


Vírus 1 Linfotrópico T Humano; manifestações neurológicas; paraparesia tropical espástica; pacientes; diagnóstico.

Referências


Luiz C F R, Paulo C, Anna B F C P. O vírus linfotrópico de células T humanos tipo 1 (HTLV-1): quando suspeitar da infecção?:[revisão]. Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(3): 340-7.

Macêdo M C, Mota R S, Patrício N A, Santos A P, Mendes S M, Dias C M, et al. Quality of life and pain multidimensional aspects in individuals with HTLV-1. Braz J Infect. 2016; v. 20, n. 5, p. 494-498.

Luzielma M G, Suzielle A D, Luana R R, Mayara S B S, Rita M, George A S D, et al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes infectados pelo HTLV-1 em Belém/Pará. Cadernos Saúde Coletiva. 2015; v. 23, n. 2.

Tanajura D. Neurological aspects of HTLV-1 infection in Bahia: results from an 8-year cohort. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2015; v. 73, n. 1, p. 73.

Alessandro R M S, Luiz C S T, J R R A L, Marzia P S. Prevalência de depressão maior e sintomas depressivos em pacientes com infecção pelo HTLV-1. Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2009; v. 21, p. 163-165.

Anselmo S, Davi T, Cristina T C, Silvane S, Edgar M C. Immunopathogenesis and neurological manifestations associated to HTLV-1 infection. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2012; v. 45, n. 5, p. 545-552.

Oh U, Jacobsom S. Treatment of HTLV-I-associated myelopathy/tropical spastic paraparesis: toward rational targeted therapy. Neurologic clinics. 2008; v. 26, n. 3, p. 781-797.

De Castro-Costa CM, Araújo AQ, Barreto MM, Takayanagui OM, Sohler MP, da Silva EL. et al., Proposta para critérios diagnósticos de paraparesia espástica tropical / mielopatia associada ao HTLV-I (TSP / HAM) AIDS Res Hum Retroviruses. 2006; 22 (10): 931-935.

Fuzzi HT, Dias GAS, Barros RJS, Falcão LFM, Quaresma JAS. Immunopathogenesis of HTLV-1-assoaciated myelopathy/tropical spastic paraparesis (HAM/TSP). Rev Life Sciences. 2014; 104: 9–14.

Gonçalves DU, Proietti FA, Ribas JGR, Araújo MG, Pinheiro SR, Guedes AC, et al. Epidemiology, Treatment, and Prevention of Human T-Cell Leukemia Virus Type 1-Associated Diseases. Clin. Microbiol. 2010; (23)3: 577-589.

Cabral F, Arruda LB, Araújo ML, Montanheiro P, Smid J, Oliveira ACP, et al., Detection of human T-cell lymphotropic vírus type 1 in plasma samples. Virus Research. 2012; 164: 87-90.

Dias GAS, Yoshikawa GT, Koyama RVL, Fujihara S, Martins LCS, Medeiros R, et al., Manifestações neurológicas em indivíduos com a mielopatia associada ao HTLV-1 / paraparesia espástica tropical na Amazônia. Spinal Cord . 2016; 54: 154­157.

Shublaq M, Orsini M, Sohler MP. Implications of HAM/TSP functional incapacity in the quality of life. Arq Neuropsiquiatr. 2011; 69(2-A): 208-211.

Coutinho IJ, Castro BG, Lima J, Castello C, Eiter D, Grassi MFR. Impacto da mielopatia associada ao HTLV/paraparesia espástica tropical (TSP/HAM) nas atividades de vida diária (AVD) em pacientes infectados pelo HTLV-1. Acta Fisiatr. 2011; 18(1): 6 – 10.

Dias, G A D, Rita C M S, Letícia F G, Cezar A M C, Reza N, Juarez A S Q, et al., Correlation between clinical symptoms and peripheral imune. Microbial Pathogenesis. 2016; v. 92, p. 72-75.

M S. Guia de Manejo Clínico da Infecção pelo HTLV. 2013.

Shoeibi A, Etemadi M, Moghaddam A A, Amini M, Boostani R. “HTLV-I Infection” Twenty-Year Research in Neurology Department of Mashhad University of Medical Sciences. Iranian journal of basic medical sciences. 2013; v. 16, n. 3, p. 202.

Orge G, Travassos M J, Bonfim T. Convivendo com o HTLV-1. Gaz. Méd. 2009; 79:1 :68-72.

Paulo O, Néviton M C, Matheus T, Carolina M, Edgar M C. Disfunção erétil em pacientes infectados pelo HTLV-A. Gaz. Méd. 2009; 79:1:36-40.

Ana P S C, Valéria M A P, Sandhi M B, Luiz S V, João G R R. Mielopatia associada ao HTLV-1: análise clínico-epidemiológica em uma série de casos de 10 anos. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2010; 43(6):668-672.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.