CAPACIDADES FÍSICAS E PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRATICANTES REGULARES DE ATIVIDADES RECREATIVAS

Francisco Isaquiel Gomes da Silva, Robson Salviano de Matos, José Messias Vieira Marques Filho, Júlio César Chaves Nunes Filho, Felipe Rocha Alves, Evanice Avelino de Souza, Marília Porto Oliveira Nunes

Resumo


Compreender a importância do lúdico para a vida de crianças e adolescentes se faz muito necessário. O brincar pode ser usado como uma ferramenta para o desenvolvimento humano. Além disso, os jogos recreativos podem ser utilizados como uma estratégia fundamental para o controle da massa corporal e manutenção da saúde. Este estudo tem o objetivo de analisar as capacidades físicas e o perfil antropométrico de crianças e adolescentes praticantes de atividades recreativas. Trata-se de um estudo descritivo, de corte transversal e abordagem quantitativa. A amostra foi de 50 indivíduos, com idades entre 08 e 16 anos, atendidos por um projeto social na cidade de Cascavel, CE.  Usou-se como instrumento de medida testes para avaliar capacidades físicas (velocidade de 20m e agilidade do quadrado), cálculo do índice de massa corporal (IMC) e relação cintura-estatura (RCE). Os resultados revelaram quando comparado os dados antropométricos e idade entre os sexos não foi verificado diferença estatisticamente significativa, assim como para os valores médios dos testes velocidade e agilidade. Houve associação do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, a partir do RCE, com os sexos (p =0,03). Por fim, a associação entre o gênero e as classificações dos testes de agilidade e velocidade não se apresentaram significativas. Concluiu-se que entre as crianças e adolescentes participantes do projeto “iniciação” não houve diferenças significativas quando comparado as capacidades físicas (velocidade e agilidade) e o perfil antropométrico. Entretanto, constatou-se um alto risco para o desenvolvimento de doenças cardiácas, tendo como parametro o RCE, para o sexo feminino.

Palavras-chave


Recreação. Aptidão física. Criança. Adolescente. Saúde.

Referências


Simão JHMN, Poletto L. A importância do lúdico no desenvolvimento do ensino-aprendizagem e motor da criança nos anos iniciais do ensino fundamental. Revista Acadêmica Educação e Cultura em Debate. V 5. N. 1. jan-dez. 2019. Disponível em: http://revistas.unifan.edu.br/index.php/RevistaISE/article/view/375/301. Acesso em: 03 fev. 2020.

Fernandes LA, Miranda DM, Ribeiro-Silva PC, Pereira DA, Salvador MG, Lage GM. Uma análise do desenvolvimento motor de crianças com transtorno de atenção e hiperatividade (TDAH) . Revista Educação Especial . 2017, 30 (57), 115127. ISSN:1808270X. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=313150464009. Acesso em: 14 fev. 2020.

Scarabel FAG, MORAES JCP. Psicomotricidad, lo lúdico y sus relaciones con la enseñanza en la Educación Inicial: la comprensión de los docentes. Lecturas: Educación Física Y Deportes, 23(245),49-62. Disponível em: https://efdeportes.com/index.php/EFDeportes/article/view/157. Acesso em: 14 fev. 2020

RAMOS RSS. Jogos e brincadeiras como ferramenta de aprendizagem no ensino fundamental. Eventos pedagógicos, v.9, n1, p. 369-384, 2018.

Pedretti Augusto, Seabra A, Pedretti Alessandro. O futebol recreativo como uma nova abordagem terapêutica para a obesidade em crianças e adolescentes: uma revisão sistemática. Rev Bras Ativ Fís Saúde, v. 21, n. 2, p. 123 32, 2016.

Downing KL, Hinkley T , Salmon J , Hnatiuk JA, Hesketh KD . Do the correlates of screen time and sedentary time differ in preschool children? BMC Public Health, 2017, 17:285.

Guthold R, Gretchen US, Leanne MR, Fiona CT. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Health, 2020; 4: 23–35.

Nilsen AKO; Anderssen, SA; Johannessen, K; Aadland, KN; Ylvisaaker , J; Loftesnes, JM et al. Bi-directional prospective associations between objectively measured physical activity and fundamental motor skills in children: a two-year follow-up. International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity.2020, 17:1

Associação brasileira para o estudo da obesidade e da síndrome metabólica. Diretrizes brasileiras de obesidade. 4. ed. São Paulo: ABESO, 2016. Disponível em: http://www.abeso.org.br/uploads/downloads/92/57fccc403e5da.pdf . Acesso em: 14 fev. 2020.

Ashwell M, Hsieh SD. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use would simplify the international public health message on obesity. Int J Food Sci Nutr. 2005;56:303-7.

Gaya Adroaldo, Gaya Anelise Reis. Projeto esporte Brasil PROESP-Br. Manual de testes e avaliação. Porto Alegre-RS, 2016. Disponível em: https://docplayer.com.br/26200892-Projeto-esporte-brasil.htm. Acesso em: 14 fev. 2020.

Master L, Nye RT, Lee S, Nahmod NG, Mariani S, Hale L, et al. Bidirectional, Daily Temporal Associations between Sleep and Physical Activity in Adolescents. Scientific Reports. 2019, 9:7732.

Testa WL, Poeta LS, Duarte MFS. Exercício físico com atividades recreativas: uma alternativa para o tratamento da obesidade infantil. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. São Paulo. v.11. n.62. p.49-55. Mar./Abril. 2017

Santos ALR. Programas de exercícios físicos: atletismo para crianças com sobrepeso e obesidade. 2015. 80 f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) – Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba: UNIMEP, 2015.

Souza MRV, Vieira AAT, Magalhães F. Análise das diferenças na velocidade e agilidade em crianças praticantes e não praticantes do futsal na cidade de Lago dos Rodrigues – MA. Revista brasileira de assuntos interdisciplinares – REBAI. V. 1, n.1, Jan/Jul, 2017

Bortoni WL, Bojikian LP. Crescimento e aptidão física em escolares do sexo masculino, participantes de programa de iniciação esportiva. CEP, v. 3470, 2007. p. 130.Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/930/93010404.pdf. Acesso em: 15 fev. 2020.

Passos WS, Alonso L. A influência do treinamento de futsal na velocidade e agilidade de escolares. EFDeportes.com. Revista Digital. Buenos Aires. Núm. 129. 2009.

OBSERVAÇÃO: Os autores declaram não existir conflitos de interesse de qualquer natureza.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.